ESCOLA DE MÚSICA

Paralisado, tombamento deixa Empem com destino incerto

Por Da Redação |
| Tempo de leitura: 2 min
Claudinho Coradini/JP
Prédio da Empem está sob a responsabilidade do IEP (Insituto Educacional Piracicabano)
Prédio da Empem está sob a responsabilidade do IEP (Insituto Educacional Piracicabano)

O processo de tombamento do prédio da Empem (Escola de Música de Piracicaba) Dr. Ernst Mahle está parado. Recentemente, o prefeito Luciano Almeida publicou decreto que tornou a instituição patrimônio imaterial, mas o prédio, bens da escola e documentos, no entanto, ainda têm destino incerto.

O prédio pertence à mantenedora, o Instituto Educacional Piracicabano, mantenedor também da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), que está em recuperação judicial.

A abertura do processo de tombamento da estrutura física da Empem no Codepac (Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural) ocorreu em 2022, assim como o processo de tombamento do acervo instrumental e documental.

“Após a leitura do abaixo-assinado, o colegiado decidiu pela abertura do processo de tombamento dos edifícios da Empem, acervos instrumental e documental, além do registro como patrimônio cultural imaterial. A partir da deliberação e definição dos trâmites estabelecidos na última reunião, o Codepac tem prazo de 180 dias para concluir todos os processos para garantir o tombamento dos edifícios e acervos”, explicou na época o então presidente do Codepac, Ésio Antônio Pezzato.

A abertura do processo ocorreu após solicitação da sociedade, que reuniu mais de 5 mil assinaturas. Desde então, porém, não avançou.

A Prefeitura foi questionada e afirmou que a mantenedora contestou o tombamento. “Sobre o processo de tombamento dos imóveis, desde sua abertura, a partir da solicitação em abaixo-assinado com milhares de assinaturas, houve a contestação por parte da mantenedora, que inibe o acesso às instalações para levantamentos e estudos, dificultando a finalização desse processo de tombamento. Sobre o processo de tombamento do acervo, até o momento, o Codepac não recebeu inventário dos bens que permita o conhecimento mínimo desse acervo para o estudo de seu tombamento”, explicou.

Comentários

Comentários