EXCLUSIVO

Transporte público é pior avaliado entre jovens e mulheres, diz pesquisa OVALE

Pedra no sapato da prefeitura, transporte público é avaliado como 'ótimo ou bom' por 44,36% dos eleitores, enquanto 12,78% classificam o serviço como 'ruim ou péssimo'

Por Guilhermo Codazzi, editor-chefe de OVALE | 11/04/2024 | Tempo de leitura: 5 min
São José dos Campos

Claudio Vieira/PMSJC

Novo modelo já deveria estar implementado desde 2021
Novo modelo já deveria estar implementado desde 2021

Pedra no sapato da administração municipal, a transporte público é avaliado como 'ótimo ou bom' por 44,36% dos eleitores de São José dos Campos, enquanto 19,30% classificam o serviço como 'regular' e 12,78% como 'ruim ou péssimo'. É o que revela o levantamento OVALE/Sampi/Ágili Pesquisas. Desde 2019, em vão, a prefeitura tenta a criação de um novo modelo de ônibus, que deveria estar em operação desde fevereiro de 2021, há exatos três anos.

Clique aqui para fazer parte da comunidade de OVALE no WhatsApp e receber notícias em primeira mão. E clique aqui para participar também do canal de OVALE no WhatsApp. 

De acordo com a pesquisa, o atual sistema de transporte é avaliado como 'ótimo' por 7,52% dos joseenses, enquanto 36,84% consideram 'bom', outros 19,30% como 'regular', 8,02% como 'ruim' e 4,76% como 'péssimo'. Na estratificação dos dados, a pior avaliação dos ônibus é feita pelos moradores da zona leste da cidade e a melhor na região sul. Os passageiros jovens são mais críticos, assim como as mulheres.

O instituto ouviu 610 pessoas em São José entre os dias 21 e 23 de fevereiro. A margem de erro é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos, com índice de confiança de 95%.

A pesquisa integra o Vox Populi, um dos pilares do novo projeto editorial de OVALE, principal veículo de comunicação da RMVale, que converteu-se em um veículo 100% digital e anunciou a duplicação do volume de produção jornalística. Além dos levantamentos eleitorais, OVALE fará levantamentos periódicos sobre temas relevantes, servindo como um termômetro da opinião pública.

De acordo com a pesquisa OVALE, para 50,54% dos homens o transporte público de São José é 'ótimo ou bom', enquanto para 17,55% é 'regular' e para 5,32% é 'ruim ou péssimo'. Entre as mulheres, 38,86% avaliam o serviço como 'ótimo ou bom', outras 20,85% como 'regular' e 19,44% como 'ruim ou péssimo' --> quase quatro vezes mais do que entre os homens (ver gráfico).

Quando analisada a faixa etária do eleitorado, a pesquisa revela que os usuários mais jovens são mais críticos quanto a qualidade do transporte. Um exemplo: entre os eleitores com idade entre 16 e 24 anos, 32,35% avaliam o sistema como 'ótimo ou bom', 32,35% como 'regular' e 29,41% como 'ruim ou péssimo'. Já entre 35 e 44 anos, são 50,73% de 'ótimo e bom' e 8,7% de 'ruim e péssimo'. (ver gráfico)

Na faixa com idade entre 25 e 34 anos, o 'ótimo e bom' fica com 28,07%, índice inferior ao verificado entre eleitores mais velhos, como entre 45 e 59 anos (45,87% de 'ótimo ou bom') e com mais de 60 anos (50,94% de 'ótimo e bom').

Entre as regiões, levando-se em conta o número absoluto, desconsiderando a margem de erro, o transporte é melhor avaliado nas zonas sul (53% de ótimo e bom) e na oeste (50% de ótimo e bom), restando ainda o centro (41,67%), zona norte (44,45%) e sudeste (43,48%). Na zona leste, há um quadro diferente: 29,58% de ótimo e bom, contra 23,94% de ruim e péssimo -- quadro de empate técnico (ver gráfico abaixo).

IMPASSE.

A novela começou em janeiro de 2019, quando a Prefeitura pagou R$ 2,4 milhões para a FGV (Fundação Getúlio Vargas) elaborar o novo modelo de concessão. Seria um contrato tradicional, em que seriam escolhidas as empresas que operariam os ônibus, em dois lotes. Editais foram lançados em 2020 e 2021, mas não houve interesse do mercado no modelo proposto. Apenas o Grupo Itapemirim participou, mas o contrato não foi adiante pois a empresa não comprovou que seria capaz de entregar o que era exigido.

Em março de 2022, inspirada em proposta do governo de Goiás, a Prefeitura passou a apostar em um novo modelo, que consiste em alugar os ônibus por meio de uma estatal – a Urbam (Urbanizadora Municipal), no caso -- e contratar outra empresa para operá-los, em outra licitação, feita pela Secretaria de Mobilidade Urbana.

Até o fim do ano passado, a Urbam chegou a lançar quatro diferentes editais, mas todos fracassaram. Dois deles chegaram a atrair uma empresa cada, mas ambas acabaram desclassificadas. As outras tentativas foram barradas pela Justiça e pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) – entre falhas apontadas pelo TCE estão que o modelo que envolve a Urbam não foi discutido em audiências públicas (isso só foi feito com o modelo da FGV) e que a Prefeitura não comprovou a viabilidade econômica desse novo modelo.

Na última das tentativas, declarada fracassada em janeiro desse ano, o edital previa a locação de 400 veículos elétricos, a um custo de até R$ 2,846 bilhões em um período de 15 anos.

CONTRATOS.

Devido aos fracassos nas licitações, a Prefeitura tem feito sucessivas prorrogações nos atuais contratos. Firmados em abril de 2008, os contratos com a Joseense e a Expresso Maringá deveriam ter sido encerrados em abril de 2020, mas já sofreram quatro prorrogações: para fevereiro de 2021, outubro de 2022, outubro de 2023 e outubro de 2024. Já o contrato com a Saens Peña, firmado em outubro de 2010 e que deveria ter sido encerrado em fevereiro de 2021, foi prorrogado três vezes: para outubro de 2022, outubro de 2023 e outubro de 2024.

Em meio aos fracassos das tentativas de fazer novas licitações para o transporte público, a Prefeitura repassou R$ 194,1 milhões às três atuais concessionárias de outubro de 2020 a dezembro de 2023, sendo R$ 70,32 milhões para a Saens Peña, R$ 65,63 milhões para a Joseense e R$ 58,16 milhões para a Expresso Maringá.

Iniciados no fim de 2020, ainda na fase mais crítica da pandemia da Covid-19, os repasses eram justificados como uma forma de “proporcionar o reequilíbrio econômico e financeiro do contrato de concessão” – não há previsão de até quando serão feitos. As transferências, a título de indenização, somaram R$ 15 milhões nos últimos três meses de 2020, R$ 48,1 milhões em 2021, R$ 63,7 milhões em 2022 e R$ 67,19 milhões em 2023.

Leia mais: Após novo fracasso, Prefeitura irá estudar próximos passos da licitação do transporte


COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.