EFEITO ESTUFA

'Taxa do Pum': Dinamarca vai tributar flatulência de gado

Por Da Redação |
| Tempo de leitura: 1 min
Pixabay
A partir de 2030, os criadores de gado dinamarqueses serão tributados em 300 coroas (R$ 237) por tonelada de dióxido de carbono
A partir de 2030, os criadores de gado dinamarqueses serão tributados em 300 coroas (R$ 237) por tonelada de dióxido de carbono

A Dinamarca poderá ser o primeiro país a taxar as emissões de carbono causadas por gado. Ou seja, as flatulências, como puns e arrotos de vacas e outros animais, estarão sujeitas a taxas a partir de 2030.

As flatulências são consideradas importante fonte de emissões de metano, um dos mais potentes gases causadores do aquecimento global.

O objetivo é reduzir em 70% as emissões dinamarquesas de gases do efeito estufa.

A partir de 2030, os criadores de gado dinamarqueses serão tributados em 300 coroas (R$ 237) por tonelada de dióxido de carbono equivalente. O imposto subirá para 750 coroas (R$ 595) em 2035.

Uma vaca dinamarquesa típica produz 6 toneladas métricas (6,6 toneladas) de CO2 equivalente por ano. A Dinamarca, que é um grande exportador de laticínios e carne de porco, também irá tributar os suínos, embora as vacas produzam emissões muito mais elevadas do que os suínos.

De acordo com a Estatística da Dinamarca, em 30 de junho de 2022 existiam 1.484.377 vacas no país escandinavo.

Comentários

Comentários