ARTIGO

A menina do vestidinho vermelho

10/05/2024 | Tempo de leitura: 3 min

Foto: reprodução Freepick

A Lista de Schindler é, sem dúvida, uma obra-prima do cinema moderno. Filmado e lançado ao público em 1993 pelo famoso cineasta Steven Spielberg (Martin Scorcese, antes dele, havia sido convidado para a direção e recusara), teve seu texto escrito por Steven Zaillian e baseou-se no romance Schindler´s Ark, do australiano Thomas Keneally. A parte musical ficou a cargo do compositor John Williams.

Surpreendentemente, é quase todo filmado em preto e branco. Esse recurso, realmente de uma ousadia singular, tem o efeito psicológico de transportar imediatamente o assistente para a década de 1940. É uma ação subliminar, dir-se-ia, muito sutil. O fato é que se imaginarmos o mesmo filme em cores, ele perderia muito, ficaria quase banal.

Os atores são muito bem escolhidos e, nas suas fisionomias, convincentes. Não há, nem um pouco, aquela espécie de anacronismo cinematográfico que faz com que sintamos certo mal-estar quando vemos artistas com caras da nossa época representando papéis de personagens do passado. Pelo contrário, todos os artistas, sem exceção, até mesmo as crianças que figuram no filme, são convincentes, parecem de fato personagens da época.

Oskar Schindler, o herói principal do filme, é representado magistralmente pelo irlandês Lean Neeson. Schindler é um sudeto, ou seja, um checo de origem alemã, industrial e "bon vivant". Muito insinuante e político, faz boas relações com as autoridades nazistas, filia-se ao seu partido e se aproveita disso. Monta, na Polônia dominada pelos alemães, uma fábrica de panelas, para fornecimento à Wehrmacht, e ganha rios de dinheiro nesse negócio, empregando judeus como mão de obra barata ou, melhor dizendo, escrava.

Pouco a pouco, o lado mais humano de Schindler vai tomando a dianteira sobre seu lado pior. De explorador, ele se transforma em protetor dos judeus e, auxiliado por sua esposa Emilie Schindler, salva muitas vidas de pessoas que, se não empregasse, teriam morte certa nos campos de extermínio. Mesmo salvando vidas, continua a ganhar muito dinheiro, mas vai ficando chocado, cada vez mais, com as barbaridades que vê seus amigos nazistas praticarem. O lado altruísta, generoso e justiceiro de Schindler vai suplantando, pouco a pouco, o lado empresarial, e já no final da guerra não hesita em sacrificar toda a sua imensa fortuna para salvar cerca de 1100 pessoas, pagando alto preço por elas, uma a uma, numa imensa lista que deu nome ao filme. Acaba a guerra falido, mas transformado em herói e reverenciado pelos judeus sobreviventes.

Como disse, o filme é filmado quase inteiramente em preto e branco. De fato, há dois breves momentos de cor, no filme. No início, quando os judeus estão sendo levados para o gueto, numa cena de grande conturbação e violência aparece uma menina de olhar angelical, que caminha sozinha entre as pessoas e parece à procura de algum lugar para se esconder. Ela parece não ser vista por ninguém, pois ninguém mexe com ela. Ela se destaca, no filme, porque seu vestidinho é de cor vermelha. Mais adiante, já quase no final do filme, numa carreta de cadáveres que estão sendo levados para a vala comum, reaparece o vestidinho vermelho da menina, igualmente destacado. O assistente, é claro, faz imediata relação com a cena anterior e compreende que era a mesma menina.

No fim do filme, há uma cena de um cortejo de judeus envelhecidos, salvos por Schindler, visitando sua sepultura na aldeia natal do benfeitor. De acordo com o costume judaico, cada um deles coloca sobre a sepultura uma pedra, como homenagem póstuma. A cena se passa, suponho, já nos anos 60. Com grande talento e criatividade, Spielberg apresenta essa cena em cores, não nas cores vivas do nosso cinema atual, mas naquele colorido mortiço da primeira fase do tecnicolor. Na verdade, desde a década de 1960 havia projetos de realização de um filme para celebrar a memória de Oskar Schindler. Mas somente na última década do século passado esse projeto se concretizou.

Enfim, trata-se de um grande clássico do cinema. Recebeu, merecidamente, o Prêmio Oscar. Mais precisamente, foi indicado ao Oscar em doze categorias diferentes e venceu em sete, inclusive nas mais disputadas categorias de melhor filme e melhor direção.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do SAMPI

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.