ARTIGO

Colageno é bom para o envelhecimento? O que diz a ciência?

Por Rogério Cardoso | 07/02/2024 | Tempo de leitura: 3 min

Nos últimos tempos, tenho percebido a recomendação frequente de suplementos de colágeno nas redes sociais. Mas afinal, o que é colágeno e ele realmente pode melhorar a saúde da pele e dos cabelos?

O colágeno é uma proteína encontrada em várias partes do corpo, como cartilagens, ossos, tendões e pele. Ele desempenha um papel crucial na construção de uma estrutura para preservar a integridade da pele. No entanto, à medida que envelhecemos, produzimos menos colágeno, contribuindo para a perda de elasticidade da pele, resultando em rugas e flacidez.

Em um recente estudo que saiu no periódico Journal of Drugs in Dermatology  intitulado “Oral Collagen Supplementation: A Systematic Review of Dermatological Applications” mostra que a suplementação com colágeno tornou-se popular recentemente, com marcas alegando melhorias na saúde das unhas, pele e cabelos. Entretanto, as evidências científicas por trás dessas alegações não são robustas.

Vários estudos sobre a suplementação de colágeno apontam para um aumento na elasticidade e melhoria nas rugas da pele. No entanto, os dados muitas vezes são prejudicados por estudos confusos, falta de evidências microscópicas objetivas ou financiamento direto das pessoas que vendem os produtos, ou seja, das próprias industrias. Para você ter uma noção até o momento, não há estudo que demonstre que esses suplementos podem prevenir rugas.

Embora os suplementos de colágeno pareçam seguros, as pesquisas não se mostram totalmente eficazes para a pele. De acordo com a o artigo anterior e com este aqui  citado no estudo intitulado “Molecular basis of sun-induced premature skin ageing and retinoid antagonismo” que saiu no periódico Nature, a  recomendação é investir seu dinheiro em dois produtos respaldados por evidências mais sólidas: protetor solar e retinoides.

A aplicação diária de protetor solar é a melhor medida para manter uma pele saudável. Os retinoides, derivados da vitamina A, bloqueiam a degradação do colágeno em nível molecular, melhorando sua produção e comprovadamente aprimorando rugas, textura e elasticidade da pele em diversos estudos.

Essas duas coisas têm os dados mais sólidos e são relativamente fáceis e baratas de serem implementadas.

Os suplementos de colágeno são feitos pela extração da proteína de tecidos animais, como ossos de gado ou pele de peixe. O colágeno é vendido em pós, comprimidos, barras de proteína, cremes e até mesmo em cremes tópicos. Se você decidir experimentar, evite os cremes tópicos, pois não penetram nas camadas mais profundas da pele onde o colágeno é necessário. Pós ou comprimidos ingeridos são teoricamente mais propensos a atingir essas camadas se absorvidos pela corrente sanguínea a partir do sistema digestivo. O termo "colágeno hidrolisado" geralmente aparece nos rótulos de suplementos populares. Quando o colágeno é hidrolisado, seus laços químicos são quebrados, resultando em fragmentos menores, ou peptídeos, que o corpo pode absorver mais facilmente do que a estrutura triplo-hélice maior do colágeno intacto. No entanto, o colágeno não é absorvido como uma molécula completa. Ele será decomposto em outros peptídeos durante a digestão, e não temos controle sobre o que acontece em seguida. Esses peptídeos podem se rearranjar e formar proteínas completamente diferentes do colágeno original.

Isso é o que a ciência diz. Talvez algum outro profissional da área de saúde pode não ter a mesma opinião. Ainda não sabemos ao certo quais alimentos podem fazer bem a pele, ou diminuir a quebra do colágeno. Mas sabemos que cuidados como dormir bem, usar filtro solar, se expor menos ao sol, não fumar ou beber bastante, fazer exercícios podem ajudar a manter sua pele mais jovial. Até a próxima!

--------------

Os artigos publicados no Jornal de Piracicaba não refletem, necessariamente, a opinião do veículo. Os textos são de responsabilidade de seus respectivos autores.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do SAMPI

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.