CUSTO DE VIDA

Cesta básica sobe R$ 1.300 em 5 anos no Vale do paraíba, 2,27 vezes acima da inflação

Na região, o preço da cesta básica saltou de R$ 1.556 em outubro de 2018 para R$ 2.687 no mesmo mês de 2023

Por Xandu Alves | 12/11/2023 | Tempo de leitura: 3 min
São José dos Campos

Reprodução

Cesta básica pesquisada pelo Nupes tem 44 produtos, sendo 32 de alimentação
Cesta básica pesquisada pelo Nupes tem 44 produtos, sendo 32 de alimentação

O custo da cesta básica subiu R$ 1.130 no Vale do Paraíba nos últimos cinco anos, um crescimento percentual de 72,65% no valor médio da cesta regional de produtos. O reajuste representa 85% do valor do salário mínimo, cotado em R$ 1.320 neste ano.

Faça parte do canal de OVALE no WhatsApp e receba as principais notícias da região! Acesse: https://whatsapp.com/channel/0029VaDQJAL4tRs1UpjkOI1l

O levantamento é de OVALE com base em dados da pesquisa mensal do Nupes (Núcleo de Pesquisas Econômico-Sociais), da Unitau (Universidade de Taubaté).

Na região, o preço da cesta básica saltou de R$ 1.556 em outubro de 2018 para R$ 2.687 no mesmo mês de 2023.

O aumento percentual da cesta nestes cinco anos (72,65%) é 2,27 vezes superior ao índice da inflação oficial no mesmo período, que foi de 32%, de acordo com o IBGE.

A cesta analisada pelo Nupes contém 44 produtos, sendo 32 de alimentação, sete de limpeza e cinco de higiene pessoal recomendada para uma família com cinco pessoas.

A coleta de preços é feita semanalmente em 16 supermercados nos municípios de São Jose dos Campos, Taubaté, Caçapava e Campos do Jordão.

O aumento da cesta nos últimos cinco anos só não foi maior no Vale em razão da estabilidade nos preços em 2023. O ano registra uma queda de 3,52% no valor da cesta, segundo o Nupes.

“Houve redução da média no preço da cesta em 7 dos 9 primeiros meses de 2023, sendo que o mês de agosto apresentou redução percentual mais moderada de -1,61%”, diz trecho do relatório do Nupes.

“As sucessivas quedas de preços da cesta básica nos 10 primeiros meses de 2023 já representam uma variação negativa de (-3,52%) nos preços do ano, saindo de R$ 2.785 em dezembro de 2022 para R$ 2.687 em outubro de 2023, que, em termos de valor, representa uma queda de R$ 97,76 no período.”

Na comparação entre o valor da cesta em outubro de 2023 (R$ 2.687) e outubro de 2022 (R$ 2.698), vê-se uma diminuição de 0,41% ou R$ 11 mais barato.

No mesmo período anterior, o preço da cesta oscilou de R$ 2.255 em outubro de 2021 para R$ 2.698 em outubro de 2022, um crescimento de 19,65% no valor e uma diferença de R$ 443 no preço.

“Este percentual de queda da cesta [-0,41% em 2023] é bem abaixo da prévia da inflação nacional acumulada até outubro, medida pelo IPCA-15 do IBGE, que foi de 5,19% nos últimos 12 meses”, informou o Nupes.

“Mesmo sendo menor do que a inflação oficial, a pesquisa da cesta básica da região do Vale do Paraíba aponta para uma tendência de estabilidade na variação de preços do índice nacional.”

PRODUTOS

Em outubro de 2023, os produtos que mais caíram de preço no Vale foram cenoura (-9,8%), tomate (-7%) e banana prata (-5,35%). Na contramão, aumentaram de valor a cebola (+16,8%), batata (+16,4%) e alface (+11%).

“Retorno das chuvas nas principais praças produtivas da cebola tem prejudicado a produtividade e a qualidade do produto. Com o clima mais úmido, os produtores têm de recuar nas colheitas novamente, o que influencia na queda da oferta da hortaliça e gera como consequência aumento do preço nos mercados consumidores”, analisou o Nupes.

Sobre o aumento do preço da batata, os pesquisadores disseram que é consequência do fim das colheitas de inverno. “A menor oferta tem provocado um realinhamento de preços no mês de outubro e tende a se manter para o mês de novembro”.

Já a alface subiu de valor pelo maior consumo devido ao aumento das temperaturas e a menor produção da hortaliça, que perdeu qualidade com o excesso de chuvas.

Receba as notícias mais relevantes de Vale Do Paraíba e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.