POLÍTICA

Franca 200 anos: Sabino Loureiro, o gaúcho com sotaque francano

O professor ganhou notoriedade na época em que Franca era reconhecida como a “Atenas da Mogiana” com as suas aparições de publicista e orador.

Por Guilherme Sabino | 09/06/2024 | Tempo de leitura: 2 min
da Redação

Reprodução

Sabino Loureiro tem seu nome eternizado na praça da Estação
Sabino Loureiro tem seu nome eternizado na praça da Estação

Ao longo dos seus 200 anos, a cidade de Franca atraiu atenção pelos seus diversos espaços públicos, que costumam homenagear várias personalidades por conta dos seus serviços prestados à comunidade. Aí é que desperta a dúvida principalmente para os nostálgicos de “carteirinha”, que frequentam a praça da Estação: quem foi  Sabino Loureiro?

Conheça a trajetória do Sabino Loureiro

Nascido em 11 de julho de 1870 na cidade de Itaqui (RS), filho da senhora italiana Maria C. Croizy Loureiro e do senhor português Marciano Loureiro, Sabino cursou Direito pela FDUSP (Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo) até o segundo ano e ainda assim exerceu o cargo de promotor público interino no município de Jundiaí (SP).

O advogado, político e jornalista Dr. Júlio César Cardoso, o poeta paulista Júlio César da Silva, o advogado campineiro Dr. Lucio Peixoto e o Dr. Abilio Álvaro Müller são os principais contemporâneos desse professor gaúcho.

Loureiro aceitou o convite do educador Alberto Brandão para lecionar aulas no Collegio Brandão em março de 1897, tempo em que marco o início de sua trajetória em solo francano com a proposta de combate ao analfabetismo, o que definia como a primeira necessidade do país.

Assim, trabalhou nos colégios “Cesar Ribeiro”, “Cândido Alves”, “Dr. Chiquinho” e mantinha uma escola noturna gratuita para 64 alunos, que eram adultos e crianças pobres ou ricas. Essa escola livre funcionou no bairro da Estação e posteriormente atraiu outros discentes tamanho respeito conquistado pela comunidade, segundo relatos dos jornais da época.

Sabino era dotado de puro patriotismo, abnegação, tornou-se membro ativo da Maçonaria, jornalista, e, inclusive, com passagem pelo jornal Comércio da Franca. O único periódico francano que não colaborou foi o Aviso.

Ainda ganhou notoriedade na época em que Franca era reconhecida como a “Atenas da Mogiana” com as suas aparições de publicista e orador. Era comum a presença de Sabino em qualquer festa pública.

Homem culto e simples, Sabino Loureiro morreu em 5 de agosto de 1927 em Campinas (SP) devido a um tumor no estômago. O seu corpo foi transportado pela Loja Maçônica “Amor à Virtude”, velado no Salão Nobre da Câmara Municipal e enterrado em Franca em 7 de agosto. Cinco mil pessoas acompanharam o seu velório e os comerciantes fecharam as portas nesse dia em sinal de luto.

Fale com o GCN/Sampi! Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção?
Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Receba as notícias mais relevantes de Franca e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.