MORTE NA DUTRA

Apaixonada pela vida: quem era Cindy, morta por motorista embriagado em S. José

Cheia de vida, Cindy não escondia o amor pelos filhos, marido e as motos; aventureira nas estradas da vida, ela não imaginava que daria seu último suspiro fazendo o que tanto amava

Por Lara Salles | 03/12/2023 | Tempo de leitura: 2 min
São José dos Campos

Divulgação

Cindy Fernandes morreu em um acidente na noite de sábado (2)
Cindy Fernandes morreu em um acidente na noite de sábado (2)

Cheia de vida, Cindy Fernandes não escondia o amor pelos filhos, marido e as motos. Aventureira nas estradas da vida, ela não imaginava que daria seu último suspiro fazendo o que tanto amava. Na noite de sábado (2), Cindy foi morta após ser atropelada por um motorista embriagado que dirigia em alta velocidade. Ao lado do esposo Marcelo Souza, ela se despediu da vida sentada na garupa da moto que foi palco para tantas aventuras.

Faça parte do canal de OVALE no WhatsApp e receba as principais notícias da região! Acesse: https://whatsapp.com/channel/0029VaDQJAL4tRs1UpjkOI1l

“Felicidade é isso, sair debaixo de chuva e ser recebido por esse sol ‘maravigold’. Gratidão Universo”, escreveu no registro de uma de suas aventuras. Como um diário aberto, as redes sociais de Cindy são repletas de viagens, shows e momentos especiais ao lado da família. As publicações que refletiam a alegria da vida, hoje se completam com comentários de despedidas.

“Fica na memória seu sorriso, sua alegria, seu jeito moleca de ser”, disse uma amiga. “Minha amiga, sem palavras para descrever essa dor. Não entendemos os desígnios de Deus mas temos que crer que Ele tudo sabe. Deus te receba de braços abertos e conforte o Marcelo, filhos e família”, comentou outra mulher

RELEMBRE O CASO

Na noite de sábado, Cindy estava na garupa de uma moto pilotada pelo marido Marcelo Souza, de 46 anos, quando o motorista de um carro em alta velocidade atingiu os dois na altura do bairro Jardim das Indústrias. Cindy não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Marcelo foi socorrido em estado grave para o Hospital Municipal.

A OVALE a Polícia Civil informou que o motorista foi submetido a um teste de alcoolemia que constatou 0,69 miligramas de álcool no sangue, sendo que o 'permitido' devido a margem de erro do aparelho de bafômetro é de 0,04 miligramas. Ele foi preso pelos crimes de lesão corporal culposa e homicídio culposo e neste domingo (3), passará por uma audiência de custódia onde o juiz determinará se ele permanece preso ou não.

Leia mais: ‘Está doendo muito’: família e amigos se despedem de Cindy em São José

Leia mais: Adeus, Cindy: Velório é realizado no Cemitério Parque das Flores, em São José

Leia mais: Motorista alcoolizado bate em moto e mata mulher que estava na garupa em São José

Leia mais: Polícia prende motorista embriagado que atropelou e matou Cindy, em São José

Receba as notícias mais relevantes de Vale Do Paraíba e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

3 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Rita alvarenga
    04/12/2023
    Meu Deus e um absurdo esse assassino está em liberdade sou amiga da Cindy só do Motoclube Cruz Liberta,perdeu a vida e levou nossa alegria Queremos justiça
  • Marisa Felix
    04/12/2023
    Bom dia a todos, ontem foi o dia da despedida da amiga Cindy Fernandes. E cono doi saber que enquanto enterravamos a nossa amiga a Justiça determinava um valor para a fiança. Desde qdo uma vida tem valor? E a família enlutada que perdeu em uma só pessoa a filha, a mãe e esposa. Qto custa para a lei a vida de Cyndi Fernandes? O réu aqui em questão deve ter sido concedido a ele o direito de ir e vir, mas a Cyndi não teve esse direito. A justiça concedeu ao assassino a liberdade. Mas uma família enlutada está presa em sua dor, presa em suas lembranças, presa numa vida que nunca mais terá ao lado da mãe e esposa. Essa é a Justiça que o Brasil permite. Permite beber, dirigir e pagar uma fiança.
  • Paulo GIOVANNI Carneiro Elizei
    04/12/2023
    Bom dia Todos me chamam de GIOVANNI Este casal que foram brutalmente atropelados na rodoviá PRESIDENTE DUTRA, ,simplesmente tanto ele quanta ela gostavam da vida ,da família e dos amigos, sempre alegres . Ele sempre pilotando com responsabilidade e cautela pois já viajamos juntos em comboio e juntos ,a última vez conosco foi até a basílica de Aparecida para agradecer os alimentos que foram arrecadados para ajudar família carentes de SJC. Até quando vamos ter que ver isto ACONTECENDO, pessoas que se embreagam, se drogam e são responsáveis por matar ,por deixarem seqüelas em outrem e continuam nas ruas . Até quando seremos punidos pelos erros de quem realmente é o errado,pois pagar uma fiança e responder em liberdade nao é nada comparador a dor de quem perdeu um ente querido. TUDO ISTO POR NAO SABEM.SE COMPPRYAR COMO DEVERIA, RESPENTANDO A VIDA .