TRAGÉDIA NO SUL

Água abaixa e Porto Alegre tem lama e cheiro de peixe morto

O mau cheiro nas redondezas é forte. Na avenida Érico Veríssimo, por exemplo, há peixes mortos pela ciclovia.

Por Carlos Villela | 15/05/2024 | Tempo de leitura: 2 min
da Folhapress

Reprodução/Oscar Henrique Cardoso/Facebook

Alguns moradores dos bairros Cidade Baixa, Praia de Belas e Azenha já conseguiram acessar suas casas.
Alguns moradores dos bairros Cidade Baixa, Praia de Belas e Azenha já conseguiram acessar suas casas.

O recuo do alagamento em bairros de Porto Alegre deu início nesta quarta-feira (15) a uma nova etapa na limpeza de prédios e ruas. Alguns moradores dos bairros Cidade Baixa, Praia de Belas e Azenha já conseguiram acessar suas casas e agora precisam encaram a lama e o cheiro de peixe morto que ficou pelas ruas.

Leia também: Guaíba estabiliza em nível elevado; Porto Alegre planeja limpeza

Na rua 17 de Junho, no bairro Praia de Belas, a jornalista Cristine Pires conta que seu prédio ficou com o térreo e parte dos degraus da escada cobertos de lama. Agora, ela e os vizinhos estão se planejando para iniciar a limpeza pesada.

"A ideia é reunir os moradores para fazermos uma força-tarefa, mas por enquanto não tem como, pois estamos sem luz e vamos precisar de lava-jato", disse. "Ontem só passamos um rodo para tirar o mais grosso da sujeira. O cheiro de podridão é muito forte porque tem muitos peixes mortos pelo chão, alguns inclusive no pátio do meu prédio."

Na rua José Honorato dos Santos, no bairro Azenha, a água baixou mais de 50 cm e já abriu caminho para a passagem de um caminhão-guincho, que buscava um carro com lama até o teto. A água ainda transborda por bueiros próximos dali, mas o escoamento rápido das bocas de lobo impede uma nova inundação.

O mau cheiro nas redondezas é forte. Na avenida Érico Veríssimo, há peixes mortos pela ciclovia.

Na rua André Belo, paralela à 17 de Junho, pessoas estão retornando às suas casas para ver o tamanho do estrago. "A faxina não vai ser agora", diz a moradora Sueli Silva. "Ainda tem muita coisa para tirar".

O alagamento no apartamento térreo chegou a pouco mais de 30 centímetros, o suficiente para estragar diversos móveis. A prioridade será primeiro remover o entulho, para daí começar a limpeza.

O que possibilita o início da faxina é o conserto gradativo das EBAPs (Estações de Bombeamento de Água Pluvial). Das 23 EBAPs, 9 estão em funcionamento, dentre elas a que permite a captação da água na região.

A expectativa é que entre esta quarta e a quinta-feira (16), moradores de alguns pontos alagados na zona norte também possam começar a faxina.

A casa de bomba 5, que abrange o Humaitá e a Vila Farrapos, foi religada na manhã desta quarta, o que deve reduzir o nível da água e facilitar a reativação de outras estações, como a 6 (bairro Anchieta), a 8 (Vila Farrapos), a 9 (Várzea do Sarandi), e a 10 (Vilas Elizabeth, União e Nova Brasília)

De acordo com o Dmae (Departamento Municipal de Água e Esgotos), o trabalho é feito do centro em direção aos bairros para isolar as águas e acessar as estações de bombeamento da região.

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

  • Robson
    15/05/2024
    Cheiro de peixe morto? 3 represas com comportas abertas mais de 400 municípios alagados milhares de desabrigados, milhares suponho desaparecidos as águas não baixaram em seu total,a mídia não mostra em sua totalidade. Que Deus nos perdoe,Cheiro de peixe morto?