ABSURDO

ABSURDO

Estudante de 20 anos é agredido durante confusão em bar do Cambuí; ASSISTA

Estudante de 20 anos é agredido durante confusão em bar do Cambuí; ASSISTA

João Vitor dos Santos informou que foi acusado de ter começado uma confusão, mas que isso não é verdade. O bar insiste que o cliente estava alterado, importunando clientes do local

João Vitor dos Santos informou que foi acusado de ter começado uma confusão, mas que isso não é verdade. O bar insiste que o cliente estava alterado, importunando clientes do local

Por Thiago Rovêdo | 11/09/2023 | Tempo de leitura: 1 min
Especial para Sampi Campinas

Por Thiago Rovêdo
Especial para Sampi Campinas

11/09/2023 - Tempo de leitura: 1 min

Reprodução

Agressão aconteceu na madrugada de domingo

Um estudante de 20 anos foi agredido em um bar localizado no bairro Cambuí, em Campinas. O caso aconteceu no Espetto do Carioca, na madrugada de domingo e a vítima, João Vitor dos Santos, informou que foi acusado de ter começado uma confusão, mas que isso não é verdade.

João relatou que estava no estabelecimento com um amigo comemorando o aniversário e que ambos estavam se preparando para ir embora. Segundo João, alguém que ele não sabe quem é, jogou uma pedra de gelo em um dos funcinários do bar, que se identificava como policial militar.

Em seguida, o policial teria ido atrás de João e afirmado que ele estava com “cara de deboche” por conta da situação do gelo. Imagens registradas dentro do bar mostram João sendo imobilizado e agredido por funcionários até ser colocado para fora do estabelecimento.

“Quando eu percebi, estava sendo agredido por um monte de gente. Eu não fiz nada de errado, jamais agiria dessa forma. Fiquei com medo, porque o policial estava armado e toda hora colocava a mão na cintura. O meu amigo, com camiseta vermelha, queria separar, mas também estava intimidado”, contou o jovem.

Após ser agredido, João foi até a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) com diversas escoriações e hematomas na região da face. Ele também registrou um boletim de ocorrência no 1º DP (Distrito Policial), mas o caso será investigado pelo 13º DP.

“Essa história não pode ficar assim. Não fiz nada, não provoquei ninguém e me agrediram. Arrancaram até as minhas calças, na frente de todo mundo. Foi muita injustiça, e meu rosto está todo inchado e doendo muito”, disse João.


 

Um estudante de 20 anos foi agredido em um bar localizado no bairro Cambuí, em Campinas. O caso aconteceu no Espetto do Carioca, na madrugada de domingo e a vítima, João Vitor dos Santos, informou que foi acusado de ter começado uma confusão, mas que isso não é verdade.

João relatou que estava no estabelecimento com um amigo comemorando o aniversário e que ambos estavam se preparando para ir embora. Segundo João, alguém que ele não sabe quem é, jogou uma pedra de gelo em um dos funcinários do bar, que se identificava como policial militar.

Em seguida, o policial teria ido atrás de João e afirmado que ele estava com “cara de deboche” por conta da situação do gelo. Imagens registradas dentro do bar mostram João sendo imobilizado e agredido por funcionários até ser colocado para fora do estabelecimento.

“Quando eu percebi, estava sendo agredido por um monte de gente. Eu não fiz nada de errado, jamais agiria dessa forma. Fiquei com medo, porque o policial estava armado e toda hora colocava a mão na cintura. O meu amigo, com camiseta vermelha, queria separar, mas também estava intimidado”, contou o jovem.

Após ser agredido, João foi até a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) com diversas escoriações e hematomas na região da face. Ele também registrou um boletim de ocorrência no 1º DP (Distrito Policial), mas o caso será investigado pelo 13º DP.

“Essa história não pode ficar assim. Não fiz nada, não provoquei ninguém e me agrediram. Arrancaram até as minhas calças, na frente de todo mundo. Foi muita injustiça, e meu rosto está todo inchado e doendo muito”, disse João.


 

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.