POLÍTICA

Estudo: DAE teria de reajustar água em 58,7% para se manter após concessão

Valor consta de levantamento da assessoria de finanças e orçamento da Câmara de Bauru

Por André Fleury Moraes | 07/12/2023 | Tempo de leitura: 3 min
da Redação

Tainá Vétere/JC Imagens

Chiara Ranieri, relatora do PL na Comissão de Economia
Chiara Ranieri, relatora do PL na Comissão de Economia

Um parecer da assessoria de Finanças e Orçamento da Câmara de Bauru aponta que o Departamento de Água e Esgoto (DAE) teria de reajustar o valor da tarifa de água em 58,73% para conseguir se sustentar economicamente caso a concessão do sistema de esgoto do município à iniciativa privada se concretize e a autarquia perca o valor que recebe pelo serviço.

O documento saiu na sexta-feira (1/12) e veio na esteira de questionamentos formalizados pela relatora do PL da Concessão, a vereadora Chiara Ranieri (União Brasil).

O levantamento diz que o fim da tarifa de esgoto enquanto receita do DAE sem o reajuste do índice sobre a água causaria um buraco de R$ 66 milhões nos caixas da autarquia. O estudo se embasa no próprio orçamento anual do departamento.

A alternativa ao aumento da tarifa, prossegue o parecer, seria uma redução de despesas na ordem de 37,5%. Em números gerais, o reajuste sobre a tarifa de água aumentaria em 50,74% o valor final da conta que chega para o contribuinte.

"Para haver o equilíbrio orçamentário do DAE mantendo-se a mesma estrutura existente haverá necessidade de alavancagem em sua receita única futura (água) de 58,73% ou redução de despesas em 37,54%", diz o parecer.

"Evidente que havendo uma melhor arrecadação, advinda da substituição dos hidrômetros ou mesmo da boa gestão dos recursos da autarquia, haverá margem para que os valores da tarifa de esgoto, repassados à concessão sejam reduzidas e assim a totalização acima apresentada possam ter correções menores", prossegue.

O levantamento destaca, no entanto, que o incremento na tarifa de água excluiria a necessidade de se aumentar a tarifa de esgoto, como prevê o estudo da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), entidade vinculada à USP e responsável pela modelagem da concessão do sistema de esgoto de Bauru.

Neste caso, ressalta o parecer, o chamado ponto de equilíbrio financeiro tanto para a autarquia como para a futura concessionária seria uma tarifa de esgoto calculada em 56,7% sobre o valor da tarifa de água.

O documento foi entregue nesta semana à vereadora Chiara, que deve definir seu parecer enquanto relatora do projeto na Comissão de Economia até a próxima segunda-feira (11).

O presidente do DAE, Leandro Joaquim, já havia sinalizado para um possível aumento na tarifa de água - cujo valor em Bauru enfrenta uma defasagem histórica. "Nós estamos com uma das tarifas mais baixas do Estado de São Paulo. E nem precisa ir longe para comparar: em Piratininga, a tarifa básica é de R$ 78,00", disse Leandro numa audiência na semana passada.

A autarquia também aposta na redução de custos de um modo geral para garantir sua manutenção. A principal medida está relacionada aos gastos com energia elétrica - que hoje custam R$ 40 milhões aos cofres do DAE anualmente.

A ideia é adquirir o recurso no chamado "mercado livre de energia", e não necessariamente da CPFL. Se implementada, calcula Joaquim, a medida geraria uma economia de R$ 12 milhões por ano no departamento.

A própria concessão do esgoto, porém, levaria o DAE a cortar custos. A autarquia, afinal, não será mais responsável pela coleta e transporte dos dejetos, o que reduz o gasto do departamento em R$ 25 milhões por ano.

Receba as notícias mais relevantes de Bauru e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

5 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • ADRIANO A S ANDRADE
    07/12/2023
    Jamais o tratamento do esgoto de toda a cidade de Bauru deveria ter sido concedido ao setor privado, pois é uma questão de saúde pública. Implica investimento e cuidado com o interesse da população. Mais uma vez vemos que o povo é desprezado pelos vereadores que apoiaram esta privatização capitaneada por uma prefeita que joga contra o povo pobre e que elevará os custos sem necessidade. O mundo todo está voltando a estatizar a água e o esgoto, por quen não deu certo a privatização desse setor, mas aqui estamos mais uma vez na contramão do que é bom para o povo.
  • Wellington Roberto Pinto
    07/12/2023
    esse DAE, nao serve pra nada, ja deveria ter sido privatizado ha muito tempo, la em São Paulo os deputados aprovaram a privatizaçao da sabesp, por que aqui em Bauru a prefeita e os vereadores nao fazem a mesma coisa? falta agua direto, poderia fazer uma captaçao de agua do rio tiete em pederneiras, nem pra isso o Dae serve
  • APARECIDO DE OLIVEIRA LIMA
    07/12/2023
    Essa gritaria de vereadores não tem credibilidade, CHAMA O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO , aí sim daí uma parecer com CREDIBILIDADE !!!
  • Tati
    07/12/2023
    O problema é que o povo em Bauru não tem o chamado “poder de compra”. Tem capitais, onde o esgoto é 100% o valor da água, se vc gasta 100 de água, sua conta seria 200 por causa do esgoto. Sim, é um absurdo pq sabemos que não vai pro esgoto 100% da água consumida.
  • Paulo Pupo
    07/12/2023
    Assim como em qualquer administração, não existe equilíbrio se a receita for menor que a despesa. Da mesma forma, não existe cada um pagar por uma Ferrari sendo que, sequer anda de Fusca! Então, cortar gastos desde administrações passadas é pra já, Reduzir custos é pra já, buscar eficiência é pra ontem e sempre. Planejamento executivo real e apartidário agora! População e o meio ambiente agradecem!!!