Opinião

Pegadas

13/05/2024 | Tempo de leitura: 2 min

 

“Em reunião de surdos é preciso falar alto; em ambiente de míopes é preciso escrever em letras grandes”! A reflexão é da escritora americana Jennifer O’Connor, que lutou com todo vigor de sua fé cristã, contra os preconceitos raciais vigentes na primeira metade do século passado naquele país. Persiste atual, todavia. Na presente cultura, ao que parece, a maioria das pessoas anda mesmo com deficiências auditivas e limitações oculares. Não é que as pessoas não estejam ouvindo direito ou vendo com clareza. É que os cidadãos andam ouvindo somente o que querem e enxergando apenas o que lhes convêm. Selecionam informações!

Urge esclarecer o que vem a ser “falar alto” e “escrever em letras maiúsculas”. Trata-se de captar atenção e de se fazer entendido. Na atual cultura de ruídos mais potentes e de neons mais luminosos é preciso encontrar a chave de captar atenção. Fala alto, no atual contexto, o sujeito que vive pautado por valores intrínsecos em que acredita e dos quais não abre mão. Manter-se coerente a princípios que se julga inegociáveis demanda, no presente compasso de resultados imediatos e de seguidores contábeis, convicção, persistência e perseverança. Também considerável dose de serenidade, heroísmo e de desprendimento. Falar alto resulta fundamentalmente em dar exemplo de vida! O impacto de um estilo de vida coerente a valores assumidos demora, de fato, para acontecer. A sensação de estar gastando energia atoa, de estar fazendo papel de bobo enfim, tortura e gera questionamentos existências. Sujeitando-se, inclusive, a críticas, quando não a deboche, de outros agentes que fazem o jogo da clientela, dando ao povo o que quer e não o que lhe é preciso. O risco de vacilar é considerável.

Amor genuíno inspira formadores, e sustenta educadores, a legar a educandos transcendental herança que vai além do imediato, do agradável e do lucrativo! Compreende-se que tal ideal demanda muito mais que discursos. Foca-se num coerente exemplo de vida. A certeza e a confiança que bons e consistentes exemplos provocarão ressonâncias positivas no tempo certo, mantêm essas lideranças decididos a prosseguir em seu caminho. É sabido que seguidores, de todas as idades, pensamentos e profissões, começam a intuir a sabedoria, o idealismo e o desprendimento de seus mestres e formadores quando eles se sujeitam a refletir e avaliar! Reconhecem, então, não sem boa dose de emoção e de remorso, a heroica dedicação e o valioso exemplo recebidos. Emergem espontâneos, no fecundo silêncio da reflexão, a forte sensação de admiração, o humilde reconhecimento da genuína sabedoria e o imperioso impulso a seguir em frente nas pegadas daquele que se aprendeu a adotar como referência.

Intuitivos e perspicazes, mas acima de tudo compenetrados, genuínas lideranças sabem que é somente falando alto e escrevendo redondo consigam ser ouvidos, entendidos e seguidos

FELIZ DIA DAS MÃES!

 

Padre Charles Borg é vigário-geral da Diocese de Araçatuba

Fale com a Folha da Região! Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção? Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Receba as notícias mais relevantes de Araçatuba e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.