SÍTIO

Suspeito de matar jovem e enterrar corpo em quintal é preso em SP

Uma adolescente de 16 anos foi encontrada morta e enterrada no quintal de um sítio em Caraguatatuba, no litoral norte de São Paulo, na quarta-feira (15).

16/05/2024 | Tempo de leitura: 2 min
da Folhapress

Reprodução/Brasil Urgente

Rafaela Ramos da Silva foi morta pelo namorado Adilson da Silva de Siqueira Junior
Rafaela Ramos da Silva foi morta pelo namorado Adilson da Silva de Siqueira Junior

Uma adolescente de 16 anos foi encontrada morta e enterrada no quintal de um sítio em Caraguatatuba, no litoral norte de São Paulo, na quarta-feira (15).

Rafaela Ramos da Silva foi morta estrangulada com um travesseiro. O namorado da vítima, Adilson da Silva de Siqueira Junior, 25, foi preso e confessou o crime, segundo informações da SSP (Secretaria de Segurança Pública) de São Paulo.

Crime aconteceu na segunda-feira (13). Em depoimento à polícia, Adilson teria dito que teve um surto de ciúmes porque achava que estava sendo traído pela adolescente.

Rafaela estava desaparecida há três dias e tinha sido vista pela última na companhia de Adilson. Ainda segundo a polícia, no momento da prisão o suspeito estava com outros dois homens, que conseguiram fugir. Adilson tentou escapar, mas foi apreendido. Ele admitiu ter matado a adolescente e indicou o local em que enterrou o corpo.

Os agentes foram até o endereço e encontraram o cadáver da jovem. O IML (Instituto Médico Legal) recolheu o corpo e levou para a realização de exames necroscópicos para determinar a causa da morte.

Adilson foi preso e levado para a Delegacia de Caraguatatuba. O suspeito vai responder pelos crimes de feminicídio, ocultação de cadáver e posse de drogas -ele estava com duas porções de maconha ao ser preso.

Suspeito já tem passagem pela polícia. Adilson tem um boletim de ocorrência contra ele por subtração de incapaz -a vítima era a adolescente que foi morta por ele. O suspeito também cumpre pena de mais de sete anos de prisão em regime semiaberto por roubo.

A reportagem não conseguiu localizar a defesa de Adilson. O espaço segue aberto para manifestação.

Em caso de violência, denuncie
Ao presenciar um episódio de agressão contra mulheres, ligue para 190 e denuncie.

Casos de violência doméstica são, na maior parte das vezes, cometidos por parceiros ou ex-companheiros das mulheres, mas a Lei Maria da Penha também pode ser aplicada em agressões cometidas por familiares.

Também é possível realizar denúncias pelo número 180 -Central de Atendimento à Mulher- e do Disque 100, que apura violações aos direitos humanos.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.