REDE SOCIAL

Moraes cita má-fé e nega pedido do X no Brasil para se isentar de ordens judiciais

'A empresa requerente busca uma verdadeira cláusula de imunidade jurisdicional, para a qual não há qualquer previsão na ordem jurídica nacional', afirmou o ministro.

Por Marcelo Rocha e Júlia Chaib | 09/04/2024 | Tempo de leitura: 2 min
da Folhapress

Reprodução/Age?ncia Brasil

Moraes lembrou que a plataforma se submeteu a determinações judiciais brasileira por anos.
Moraes lembrou que a plataforma se submeteu a determinações judiciais brasileira por anos.

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal STF), negou nesta terça-feira (9) pedido da rede X (ex-Twitter) no Brasil para que a responsabilidade por medidas judiciais recaia sobre a X internacional. Moraes afirmou que a postulação "beira a litigância de má-fé".

"A empresa requerente busca uma verdadeira cláusula de imunidade jurisdicional, para a qual não há qualquer previsão na ordem jurídica nacional", afirmou o ministro.

"O fato de que uma das chamadas operadoras internacionais compõe o seu quadro social sugere um abuso da personalidade jurídica, pois poderia optar por não atender às determinações da Justiça brasileira sem sofrer qualquer consequência, encoberta por sua representante no Brasil."

Em pedido ao magistrado, os advogados da filial brasileira da plataforma comandada pelo empresário Elon Musk alegaram que o escritório não detém "capacidade alguma para interferir na administração e operação da plataforma, tampouco autoridade para a tomada de decisões relativas ao cumprimento de ordens judiciais nesse sentido".

Moraes lembrou que a plataforma se submeteu a determinações judiciais brasileira por anos, além de participar de reuniões tanto no STF como TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a respeito da instrumentalização criminosa das redes sociais no processo eleitoral.

A decisão do magistrado fez menção ainda ao fato de que, em processos judiciais que tramitam junto ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), há inúmeros recursos que tratam da remoção de conteúdos da rede sem que a X Brasil tenha alegado que não possui poder decisório para tal.

Ainda em resposta a uma determinação de Moraes, a Polícia Federal abriu inquérito para apurar se o empresário Elon Musk, dono da rede social X (antigo Twitter), cometeu o crime de obstrução à Justiça, inclusive em organização criminosa e incitação ao crime.

Investigadores planejam chamar representantes da plataforma para depor e explicar os eventuais ilícitos.

De acordo com a decisão do ministro do STF, Musk iniciou no sábado (6) "uma campanha de desinformação sobre a atuação do STF e do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que foi reiterada no dia 7 de abril, instigando a desobediência e obstrução à Justiça".

No despacho, Moraes também incluiu o empresário no inquérito que apura a existência de milícias digitais, por "dolosa instrumentalização criminosa" do X e ainda proibiu a plataforma de desobedecer decisões judiciais e reativar perfis antes bloqueados pela Justiça.

2 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

  • Freitas
    10/04/2024
    Má-fé quem tem são os responsáveis pela continuidade deste sujeito no poder.
  • Tati
    09/04/2024
    Brasileiro não tem cultura pra não postar fakenews, até mesmo por ter uma família chamada Bolsonaro que até agora não admite ter perdido as eleições. Primeiro as pessoas precisam melhorar o nível.