VIOLÊNCIA

Mulher grávida tem casa destruída pelo ex-marido na zona Norte de Franca 

Vítima diz que já foi agredida pelo ex outras vezes: 'A polícia não toma atitude nenhuma, devem estar esperando eu morrer dentro de casa'.

Por Igor Araújo | 05/12/2023 | Tempo de leitura: 3 min
da Redação

WhatsApp/GCN

Casa ficou com os móveis destruídos após ataque do ex
Casa ficou com os móveis destruídos após ataque do ex

Uma mulher de 23 anos, grávida de 4 meses, teve sua casa destruída pelo ex-marido no Jardim Portinari, zona Norte de Franca, no último sábado, 2. A vítima diz que foi casada por oito anos com o homem e que terminou o relacionamento há dois meses porque já não aguentava mais as ameaças e agressões sofridas. Ele é o pai da criança que a mulher espera.

A mulher informou que, no último sábado, estava na casa de sua avó, quando recebeu uma ligação de vídeo de seu ex e resolveu não atender. Mas, depois de muita insistência, ela aceitou a ligação.

Quando entrou na chamada, o homem disse que teria uma "surpresa" a esperando quando chegasse em casa. Ao voltar para a residência, se deparou com a casa toda revirada, móveis e televisão quebrados.

"Eu atendi, ele queria saber onde eu estava. Eu falei que eu não ia falar, aí ele falou que não tinha nada a perder, quando eu chegasse em casa, ia ter uma surpresa. Quando eu cheguei na minha casa, ela estava toda destruída, meus móveis rasgados, guarda-roupa quebrado, televisão quebrada", disse a mulher.

"Eu liguei no 190, a polícia me informou que não podia fazer nada, que eu não estava correndo risco, porque eu não estava dentro da casa. Aí eu liguei na Patrulha da Maria da Penha, falaram para vir fazer um boletim de ocorrência, é onde que eu estou, aqui na delegacia, esperando para fazer o boletim de ocorrência" afirmou a mulher.

Ela também conta que tem medo de morrer, já procurou ajuda do Creas (Centro de Referência Especializado da Assistência Social) e do Cras (Centro de Referência de Assistência Social), e não sabe mais qual medida tomar.

"Eles (a polícia) devem estar esperando eu morrer dentro de casa para tomar uma atitude, porque tem que esperar agora o juiz para definir o que faz com ele. Estou grávida, tem meu menino, estamos correndo risco de vida e não tem como ficar em casa, porque ele destruiu a casa toda praticamente. Sou eu quem sustento o meu filho. Fui pedir ajuda e ninguém pode me ajudar porque tem que provar que eu não estou com ele. Enquanto eu não provar, eu não consigo ajuda do governo, de ninguém, e está difícil a situação", afirmou a mulher, desesperada.

A vítima conta que seu ex-marido já foi preso por infringir a Lei Maria da Penha, ficando dois meses, e saiu. Ela conta que as agressões começaram por conta do trabalho. Ela alega que sempre disse para ele procurar um emprego, pois não consegue sustentar a casa sozinha, e a partir disso iniciaram as agressões.

"Essa é a justiça que a gente tem no Brasil. Ele não gosta de trabalhar, tanto é que as agressões são em questão de serviço, eu falo pra ele procurar um serviço, que eu não estou dando conta de sustentar ele, sustentar a casa, é onde que ele vem para cima de mim e me agride, porque ele gosta da vida fácil, gosta do mundo do crime, e eu não aceito, aí é onde que toda vez é agressão", afirma.

Nesta terça-feira, a vítima foi até a DDM (Delegacia da Mulher) de Franca para registrar novamente a ocorrência e tentar algum auxílio e proteção contra seu ex-marido.

Matéria atualizada às 17h58

11 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

  • Maxwell
    07/12/2023
    Se escolhesse melhor os \"parceiros\" não precisaria culpar a polícia pelos seus infortúnios! Agora é trabalhar para reconstruir a vida e fazer o eLe!
  • Freitas
    07/12/2023
    Fazueli, gente. Esquerda adora um bandido, reduzir penas, liberar saidinhas. Aí dá nisso e a culpa cai na polícia, sendo que quem tem obrigação de resolver a situação é o ministério público. Juízes, promotores facilitando a vida dos bandidos e querendo esvaziar cadeias.
  • Alex
    07/12/2023
    Muito blá blá blá e choradeira do Fiel mas, se aqui fosse um país sério, a polícia devia ao menos ir atrás do responsável pelos danos causados e apresentá-lo na delegacia para que medidas judiciais fossem tomadas contra o indivíduo, visando o ressarcimento dos prejuízos financeiros e para garantir a integridade da mulher. Porém, vivemos num país de faz de conta onde um ex-presidiário comanda a nação e criminosos não são punidos, mas se a moça fosse irmã de algum policial, a situação não ficaria do jeito que ficou.
  • ira
    06/12/2023
    sem comentario.
  • Fiel
    06/12/2023
    Muito bla bla bla e xingamentos, mas ainda não argumentaram qual a culpa que a polícia tem nisso. Devem ser eleitores do molusco defensor de ditador.
  • Alex
    06/12/2023
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK. Só rindo mesmo BIJX ARÁBICAS KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK. Mas fala aí do vice prefeito de Mariana/MG, apoiador do pinguço, acusado de e.s.t.u.p.r.o. Será que este é um lobo em pele de cordeiro que se veste de vermelho, mas na verdade gosta de verde e amarelo? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
  • JOIAS DAS ARÁBIAS DA MIJOIAS
    06/12/2023
    Certamente é mais um desses que prega o discurso família, pátria e Deus. Aliás, está cada vez mais difícil deixar de associar esses extremistas de direita com a violência que covardemente recai sobre a mulher. Até mesmo estupro de mulheres cadáveres é sugerido por bolsonarista apoiador do deputado Flávio Bolsonaro, o bananinha que sabe fritar hamburguer. E, olha que o sujeito que debochadamente incentiva o estupro de mulher morta, aparece em vídeos junto ao bananinha e, é um ex-policial. Muita coincidência, não acha?
  • Alex
    06/12/2023
    Caro Fiel! Acho que você nunca fez uma escolha errada na vida pelo seu comentário idiota, mas infelizmente a justiça no Brasil funciona assim mesmo, só depois que a pessoa morre ou sofre uma violência brutal. Só queria ver se a situação fosse com sua irmã ou outra parente sua.
  • Gislaine
    06/12/2023
    Fiel, se você julga dessa maneira, culpando a vítima, infelizmente, tudo indica que você é igual o ex dela. As pessoas mudam ou demonstram ser depois de algum tempo. Ela é responsável e trabalha, então não merece ser julgada, e sim ajudada. Fiel, pense bem de que lado quer ficar, pois pombo não anda com águia, se agiu assim, desculpa por julgar antecipado, mas tudo indica que você pertence a mesma laia desse vagabundo que não gosta de trabalhar e ainda é covarde.
  • Wilson Silva
    05/12/2023
    Têm certeza que isso foi mesmo em Franca, porque segundo o lunático do prefeito e umas pesquisas que têm saído nas mídias da cidade, aqui é o quinto lugar onde vc está menos exposto à violência. Essa corja de políticos não tá nem aí pro povo.
  • Fiel
    05/12/2023
    A culpa é da polícia? Moça, a escolha foi sua. Aliás, pessima escolha, né?