OPINIÃO

Formamos um só corpo

02/07/2023 | Tempo de leitura: 3 min

Neste mês de Junho, celebramos com alegria a grande Solenidade do Santíssimo Sacramento do Corpo e Sangue do Senhor. Trata-se de uma festa muito especial na liturgia da Igreja, onde manifestamos nosso amor e devoção à Eucaristia, nosso precioso alimento espiritual, instituído por Jesus para fazermos memória e participarmos do mistério salvífico alcançado por sua morte e ressurreição. Além disso, a tradicional procissão de Corpus Christi evoca todo carinho que nosso povo manifesta ao Santíssimo Sacramento. É muito bonito vermos as ruas decoradas, as comunidades se empenhando em dar o melhor de si, os padres se dedicando a preparar piedosas pregações, os fiéis prostrando-se em adoração. É preciso, porém, fazer com que toda nossa devoção à Eucaristia traga os frutos espirituais para nossa conversão sincera ao Senhor. Trata-se de compreendê-la, entre outras coisas, como sacramento de unidade da Igreja, sinal de caridade concreta em nossa vida e alimento verdadeiro da esperança em nossa caminhada rumo ao Reino definitivo.

A festa do Corpo e Sangue do Senhor se insere no calendário litúrgico logo após a festa da Santíssima Trindade. Trata-se de um convite para nos sentarmos à mesma mesa, junto ao Deus Trino de amor, que nos chama a participar do seu banquete eterno. Nesse sentido, destaca-se a importância da Eucaristia como comunhão. A mesa é o lugar imprescindível dessa comunhão. É assim também em nossas casas. Comungar é fazer comunhão. Por isso, nesses tempos dilacerados pela discórdia semeada pelos discursos polarizados, é fundamental descobrir que somos todos convidados à mesma mesa.

Os tapetes coloridos da procissão de Corpus Christi evidenciam a beleza da diversidade na vida da Igreja. Que nossa singularidade nunca seja maior que a nossa comunhão! Formamos um só Corpo em Cristo Jesus! (1Cor 12, 12).

O Corpo de Cristo é alimento verdadeiro. O pão descido dos céus dá vida ao mundo (Jo 6, 33). Por isso, a adoração mais autêntica a Jesus, no Santíssimo Sacramento, deve transbordar numa vida de compaixão e caridade. Uma adoração que não nos sensibilize para com quem passa necessidade ainda é imperfeita. Adorar a Jesus nos conduz ao compromisso sincero com os mais necessitados. Que a nossa caridade seja concreta, sejamos mesa para o nosso próximo!

Destaco ainda as belas iniciativas em várias paróquias e cidades, de levarem alimentos para a procissão de Corpus Christi para depois serem partilhados com as famílias mais necessitadas. Todavia, nunca nos esqueçamos: a caridade verdadeira também nos leva a questionar as causas da fome, as causas da injustiça, como bem nos provocou a Campanha da Fraternidade desse ano.

Por fim, lembremo-nos que a Eucaristia é alimento espiritual verdadeiro. O povo de Deus, enquanto caminhava no deserto, recebeu como dádiva o maná. Diante do cansaço dos passos longínquos da jornada, às vezes somos tomados pelo desânimo. Também hoje, diante de situações de morte, evidenciadas pela guerra, pela violência e pela miséria, somos tentados a não acreditar. É justamente nesses momentos que devemos nos recordar que ainda temos um longo caminho a percorrer. (1 Rs 19,7). É preciso comungar sempre para seguir andando. A Eucaristia é sinal vivo de esperança.

Comungar é trazer os sonhos de Jesus para dentro de nós e encontrar a força que precisamos para nunca voltar atrás. A memória viva do Corpo doado de Jesus nos impulsiona também a nos doarmos cotidianamente em nossa missão. Missa é missão! Sigamos juntos, pois ainda temos um longo caminho a percorrer!

Dom Arnaldo Carvalheiro Neto é bispo diocesano de Jundiaí (verboadm@dj.org.br)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do SAMPI

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.