COLUNISTA

E quase Virchow salvou Beethoven!

Por Alberto Consolaro | 11/05/2024 | Tempo de leitura: 3 min

Professor Titular da USP e Colunista de Ciências do JC

Virchow, o cientista genial, e o incrível músico Beethoven!
Virchow, o cientista genial, e o incrível músico Beethoven!

A Anvisa recomendou o recolhimento de detergentes Ypê contaminados por microrganismos com baixo risco para as pessoas. Os números dos lotes divulgados e o acolhimento das restrições pelo fabricante, facilitam a amenização e resolução do problema. Fico a pensar, quantos problemas a Anvisa não consegue detectar

SABE O QUE CONSOMES?

O criador da ciência da Patologia foi Rudolph Virchow (1821-1902), também o pai da Medicina Social. Foi um genial cientista, além de político excepcional que se opôs a Otto von Bismark (1815-1898) por 30 anos. Bismark era autoritário, inescrupuloso e defendia o interesse dos reis, príncipes, empresários, burgueses e demais exploradores dos mais pobres desprovidos de proteção social na Prússia, o país que antecedeu a Alemanha.

Virchow era tão competente que, quando todas as tentativas de resolver problemas de saúde, produção animal e convulsão social se esgotavam, por parte do governo de Bismark, logo convocavam Virchow. Ele ia até o local e por lá ficava até encontrar a razão e solução, que estava associada a condições precárias de vida. Era arsênico na água, chumbo no vinho, falta de mínima condição sanitária, exploração por escravidão ou doenças como o tifo. As aulas de Virchow eram disputadas por estudantes do mundo inteiro.

Nos EUA, por décadas, os fabricantes de gasolina negavam os efeitos maléficos do chumbo. Milhões morreram por isto e depois de décadas se reconheceu o fato, mas os mortos não ressuscitaram! No Brasil, quantos sofreram intoxicação com chumbo associado a fabricação e descarte de baterias de automóveis? Até admitirem, levam se anos, com muitas mortes. Em Bangladesh milhões de adultos e crianças morrem, há anos e diariamente, por doenças pelo arsênico em suas águas “potáveis”.

SABES POR QUE SOFRES?

Na Osteíte Deformante ou Doença Óssea de Paget, os ossos se mineralizam exageradamente e de forma malfeita ou displásica. A causa é desconhecida e os ossos do crânio comprimem o cérebro com fortes dores, assim como os nervos da audição, levando a uma surdez precoce. Como exemplo da doença, mostra-se Beethoven (1770 – 1827).

Pesquisa nos cabelos de Beethoven, revelou que em uma das mechas tinha 258 microgramas de chumbo por grama de cabelo, e em outra, 380 microgramas. O nível normal é inferior a 4 microgramas. Isso mostra que Beethoven foi exposto a altas concentrações de chumbo, e em níveis altos jamais vistos. Os dados foram publicados este mês no Journal Clinical Chemistry. Os problemas gastrointestinais de Beethoven são consistentes com envenenamento por chumbo, assim como a surdez. Na Europa do século 19, o chumbo foi muito usado em vinhos, alimentos, medicamentos e pomadas.

Uma origem provável dos altos níveis de chumbo de Beethoven era o vinho, na forma de acetato de chumbo ou "açúcar de chumbo" pelo sabor doce. Na época, era frequente adicioná-lo em vinhos de baixa qualidade para melhorar o sabor. O vinho também era fermentado em caldeiras soldadas com chumbo, que o soltava à medida que o vinho envelhecia, sem contar que rolhas eram embebidas em sal de chumbo para melhorar a vedação.

Beethoven consumia até mais de uma garrafa de vinho por dia, acreditando que era bom para sua saúde, o que não bate com o que sabemos hoje. Beethoven consultou muitos médicos, tentando tratamento para suas doenças e surdez. Teve época que usava pomadas e tomava 75 medicamentos-dia, muitos dos quais continham chumbo. O cabelo de Beethoven também continha níveis de arsênico assustadores, 13 vezes acima do normal, além de níveis de mercúrio quatro vezes a quantidade normal.

REFLEXÃO FINAL

Quando Beethoven morreu, Virchow tinha apenas 2 anos de idade. Eram compatriotas e quase deu tempo de salvar Beethoven, que sofreu muito com esta intoxicação. Os dados sugerem que ele não tinha Doença Óssea de Paget, até hoje sem causa conhecida. Toda doença tem uma causa, e quando não sabemos, ela continua a existir, até que um dia descubramos e esta é uma das missões da Ciência.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do SAMPI

Receba as notícias mais relevantes de Bauru e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.