ARTIGO

A dor no exercício como mecanismo de proteção muscular no envelhe

10/05/2024 | Tempo de leitura: 3 min

Foto: Freepick

Você já sentiu aquela dorzinha quando realizava exercícios físicos? Esta dor muscular é uma experiência comum que afeta pessoas de todas as idades e níveis de atividade física que podem acontecer por causa da atividade física. Ela pode ser causada por diversos fatores, como lesões, exercícios excessivos ou até mesmo má postura. No entanto, o que muitas pessoas não sabem é que a dor muscular pode fazer parte de um ciclo vicioso conhecido como ciclo da dor.

Este  ciclo da dor é uma série de eventos inter-relacionados que podem perpetuar a dor e a disfunção muscular. Ele se inicia com uma lesão, que ativa os nociceptores, os receptores sensoriais responsáveis pela percepção da dor. Essa dor, por sua vez, leva à proteção muscular, um mecanismo natural do corpo para imobilizar a área lesionada e evitar mais danos. Em um estudo recente do periódico Pain Reports intitulado “The relationship between guarding, pain, and emotion

“ mostra que a dor pode mexer até com o emocional e estilo de vida da pessoa.

Quem já faz exercício já sabe disso, mas esta proteção muscular, embora essencial para a recuperação, pode ter efeitos negativos se prolongada. A contração constante dos músculos ao redor da lesão pode levar à mobilidade restrita, limitando o movimento da articulação afetada. Essa restrição, por sua vez, pode causar fraqueza muscular e atrofia, pois os músculos que não são utilizados tendem a diminuir de tamanho e força. Você vai perdendo mobilidade, e isso não é normal, principalmente quando estamos envelhecendo.

A dor crônica, consequência da perpetuação do ciclo da dor, pode ter um impacto significativo na qualidade de vida. Além da dor física, ela pode levar a estresse emocional e mental, como raiva, frustração, depressão e desamparo. Esses sentimentos negativos, por sua vez, podem aumentar a tensão muscular e intensificar a dor, criando um ciclo vicioso. Para isso, muitos vão ao médico como ortopedistas e fisiatras para resolver este problema.

Ms podemos ter o devido cuidado com isso quando treinamos. Para interromper este ciclo da dor e alcançar a recuperação completa, é fundamental focar na redução da fonte da dor e na restauração da função normal da área lesionada. Existem diversas formas que podem ser utilizadas para esse fim, além do cuidado com o exercício com: usar o calor e gelo pois o calor ajuda a relaxar os músculos e aliviar a dor, enquanto o gelo pode reduzir a inflamação muscular. Outra coisa que podemos usar é a massagem já que melhora a circulação sanguínea, alivia a tensão muscular e promover a recuperação tecidual da musculatura. Além disso podemos pensar em terapias de estimulação elétrica já que terapias utilizam correntes elétricas para estimular os músculos e aliviar a dor e muitos ortopedistas e fisiatras tem usado esta técnica com enorme sucesso.

Quando pensamos no exercício físico e que forma podemos atuar neste sentido, o exercício visa fortalecer os músculos ao redor da área lesionada, melhorar a flexibilidade e restaurar o movimento normal. Mas devemos ter o devido cuidado com isso pois fazer o exercício as vezes por ate piorar a situação. Mas fortalecendo os músculos ao redor da lesão isso pode proporcionar maior suporte e estabilidade à articulação. Além disso também pode melhorar a flexibilidade pois o  alongamento dos músculos rígidos e aderidos, aumentando a amplitude de movimento da articulação gerando menos dor no dia a dia. O que muitos fisioterapeutas fazem é o que se chama de reprogramação do movimento pois através da repetição de movimentos corretos, o cérebro aprende a realizar o movimento de forma adequada, reduzindo a compensação muscular e a dor.

Se você está sentindo dor, não se deve parar o exercício, mas sim deve-se cuidar e analisar o por que isso está acontecendo. O ciclo da dor é um processo complexo que pode causar dor crônica, disfunção muscular e impactos negativos na qualidade de vida. Mas romper esse ciclo é fundamental. Combinar diversas estratégias de tratamento é o que deve ser feito. Através de um plano de tratamento individualizado, é possível alcançar a recuperação completa, restaurar a função normal e melhorar a qualidade de vida. Atualmente quase ninguém para o exercício quando sente dor. Vamos continuar firmes! Até a próxima!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do SAMPI

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.