FEMINICÍDIO

Jovem de 19 anos é morta por ex que não aceitou fim do namoro

Agentes encontraram o corpo da atendente de lanchonete na casa do rapaz, que confessou ter matado a jovem. O criminoso a matou na frente da filha deles, de 3 anos de idade.

26/05/2024 | Tempo de leitura: 1 min
da Folhapress

Reprodução/GloboNews

O atestado de óbito de Maria Eduarda aponta traumatismo craniano, broncoaspiração e ação contundente como causas da morte.
O atestado de óbito de Maria Eduarda aponta traumatismo craniano, broncoaspiração e ação contundente como causas da morte.

Uma jovem de 19 anos foi assassinada no sábado (25) no bairro do Santo Cristo, região portuária do Rio de Janeiro, e o ex-namorado confessou o crime.

Leia tambémHomem é preso suspeito de tentar matar ex-namorada no trabalho dela

Tawan Lima Gomes não aceitava o fim do relacionamento com Maria Eduarda Carvalho Vasconcellos, disseram à GloboNews parentes da vítima. Agentes encontraram o corpo da atendente de lanchonete na casa do rapaz, que confessou ter matado a jovem, informou reportagem.

Ex-namorado matou a ex na frente da filha, segundo a polícia. O casal tinha uma filha de três anos, e a criança estava na casa no momento do assassinato. O crime ocorreu durante a madrugada, logo depois que ela saiu do trabalho em uma lanchonete.

Tawan foi preso no local do crime e autuado em flagrante por feminicídio. O DHC (Delegacia de Homicídios da Capital) informou ao UOL que "o autor da morte de Maria Eduarda Carvalho Vasconcellos foi detido no local e conduzido à delegacia por policiais militares".

O atestado de óbito aponta traumatismo craniano, broncoaspiração e ação contundente como causas da morte, segundo informação da GloboNews.

Familiares contaram que Tawan era ciumento, possessivo e violento. Os dois haviam terminado cerca de seis meses atrás, e ele não aceitava o fim do relacionamento com Maria Eduarda. "Ele sempre foi agressivo, sempre manipulava ela nas coisas. Não [imaginei que terminasse assim]", disse Yasmin à emissora.

Ela era uma verdadeira irmã. Ela era a minha única irmã, que eu considerei o tempo todo, o tempo todo, só ela. Yasmin, irmã da vítima, em entrevista à GloboNews

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

  • Tati
    26/05/2024
    Até quando veremos mulheres morrendo nas mãos de homens machistas e possessivos?