IMPACTO

Leite se desculpa por fala sobre doações e comércio no RS; VÍDEO

'Quando tem um volume tão grande de doações físicas chegando ao estado, há receio (...) do impacto que isso terá no comércio local', disse.

Por Isabella Menon | 15/05/2024 | Tempo de leitura: 3 min
da Folhapress

Reprodução/Eduardo Leite/Facebook

As falas de Leite foram criticadas nas redes sociais.
As falas de Leite foram criticadas nas redes sociais.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), afirmou durante uma entrevista à rádio Band News FM, na terça-feira (14), que as doações podem causar impacto no comércio. "Quando tem um volume tão grande de doações físicas chegando ao estado, há um receio do que já observamos em outras situações, sobre o impacto que isso terá no comércio local", disse.

Leia também: Leite diz que RS vai precisar de R$ 19 bi para reconstrução

Ele ainda afirmou que pediu para que sua equipe ajudasse a estruturar canais para que pessoas que queiram doar possam fazê-lo "ajudando o comércio local, que também está impactado". Também alegou que "o reerguimento desse comércio fica dificultado na medida em que você tem uma série de itens que estão vindo de outros locais do país".

As falas de Leite foram criticadas nas redes sociais. Na manhã desta quarta, o governador publicou um vídeo no qual pede desculpas. "Não tive intenção de inibir e nem desprezar as inúmeras doações que o Brasil e o mundo estão fazendo para ajudar a reconstruir o nosso Rio Grande", disse ele.

Leite citou "aqueles que tinham uma pequena lojinha, um armazém, um bazar, que perderam tudo, e também aqueles que não perderam, mas viram a atividade despencar por conta da situação que estamos vivendo no estado".

O governador afirmou ainda que, ao falar dessa situação, misturou o tema "com a questão das doações". "O impacto, nos comércios locais, vai ser preocupação para outro momento e não em meio a essa onda de solidariedade que está nos abraçando", afirmou ele. "Nosso desafio enquanto governo é lidar com essas inúmeras doações que não param de chegar e fazer com que elas cheguem, de fato, em quem mais precisa. E, também, ajudar comerciantes locais a se reerguerem."

Antes de finalizar, ele pediu compreensão. "As últimas semanas têm sido brutais para todos nós e ninguém está livre de errar. Portanto, meu mais sincero pedido de desculpas."

De acordo com a Defesa Civil do Rio Grande do Sul, 446 dos 497 municípios foram afetados pelas fortes chuvas registradas no estado gaúcho. Até a manhã desta terça (15), 149 pessoas morreram em decorrências das tempestades, 806 ficaram feridas e 108 estão desaparecidas.

O número de pessoas afetadas passa dos 2,2 milhões de pessoas, desalojados são 538 mil e pessoas em abrigos são 76.580. Mais de 76 mil pessoas e 11 mil animais foram resgatados.

Ainda de acordo com a Defesa Civil, as doações via PIX do SOS Rio Grande do Sul ultrapassaram R$ 100 milhões na noite desta terça. Esta é uma das campanhas de doação criada em meio às tragédias, que tem como objetivo ajudar a reconstruir o estado, e foi idealizada pela gestão estadual e conduzida por um grupo de entidades privadas.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) definiu nesta terça-feira (14) que o valor do voucher que será dado a famílias atingidas pela tragédia no Rio Grande do Sul será de R$ 5.100.

A iniciativa será instituída por meio de MP (medida provisória), que deve ser publicada também nesta quarta. A MP prevê que o benefício será pago a famílias que perderam bens em decorrência das enchentes que assolam o território gaúcho e levaram à decretação de estado de calamidade pública na região.

O pagamento será feito em parcela única. Segundo um integrante do governo, o dinheiro poderá ser usado para compra de itens da linha branca, como geladeira e máquina de lavar, ou marrom, como televisores e outros eletroeletrônicos.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.