APÓS 50 DIAS

Polícia prende fugitivos de presídio federal de segurança máxima de Mossoró

A fuga, fato inédito em presídios federais, ocorreu na madrugada do dia 14 de fevereiro; mais de 600 policiais foram envolvidos na operações de recaptura

Por Raquel Lopes | 04/04/2024 | Tempo de leitura: 4 min
da Folhapress

Divulgação/Polícia Rodoviária Federal

 Rogério da Silva Mendonça, conhecido como Martelo, e Deibson Cabral Nascimento, chamado de Tatu ou Deisinho
Rogério da Silva Mendonça, conhecido como Martelo, e Deibson Cabral Nascimento, chamado de Tatu ou Deisinho

A Polícia Federal afirma que prendeu os dois fugitivos da penitenciária federal de Mossoró. A fuga, inédita no sistema penitenciário federal, completou 50 dias nesta quinta-feira (4). Nesse período, Rogério da Silva Mendonça, 36, conhecido como Martelo, e Deibson Cabral Nascimento, 34, chamado de Tatu ou Deisinho, já mantiveram uma família como refém, foram avistados em comunidades diversas, se esconderam em uma propriedade rural e agrediram um indivíduo na zona rural de Baraúna. Os investigadores suspeitam que os dois detentos tenham sido mantidos por membros do Comando Vermelho do Rio de Janeiro em parte desse tempo.

A fuga, fato inédito em presídios federais, ocorreu na madrugada do dia 14 de fevereiro e expôs o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a uma crise justamente em um tema explorado por adversários políticos, a segurança pública.

A fuga, a primeira registrada nesse sistema desde sua implantação (em 2006), colocou em teste a gestão de Ricardo Lewandowski com apenas 13 dias à frente do Ministério da Justiça e da Segurança Pública. A administração das penitenciárias federais é de responsabilidade da pasta, que teve a sua primeira crise em 13 dias sob o novo titular (que substituiu Flávio Dino, hoje ministro do Supremo Tribunal Federal).

Mais de 600 policiais foram envolvidos na operações, incluindo cem integrantes da Força Nacional. Helicópteros e drones foram usados nas buscas.

A fuga provocou uma crise no governo e causou medo na população local. O juiz federal Walter Nunes, corregedor do Penitenciária Federal de Mossoró, disse à Folha que, "sem dúvidas", esse foi o episódio mais grave da história dos presídios de segurança máxima do país.

Os dois presos estavam em RDD (Regime Disciplinar Diferenciado), onde as regras são mais rígidas que as do regime fechado. Nesse tipo de ala há um local para o banho de sol para que os detentos não tenham contato com outros presos.

As investigações ainda apuram se houve ajuda de agentes penitenciários, de outros funcionários ou pessoas de fora na fuga. As hipóteses estão sendo investigadas, mas já há consenso de que houve falha na inspeção.

O presídio de Mossoró também abriga Luiz Fernando da Costa, conhecido como Fernandinho Beira-Mar, que foi transferido em janeiro deste ano para a unidade. A fuga da penitenciária federal de Mossoró ocorreu logo após o Carnaval, na madrugada da Quarta-Feira de Cinzas, quando, segundo o ministro da Justiça, as pessoas estão mais "relaxadas".

De acordo com Lewandowski, algumas câmeras não estavam funcionando adequadamente, assim como lâmpadas, que poderiam ter ajudado na detecção da fuga. Os investigadores identificaram que os dois fugitivos usaram uma barra de ferro, retirada da estrutura da própria cela, para escavar um buraco no vão da luminária. Com a abertura do espaço, os presos conseguiram escapar.

Os detentos teriam conseguido a barra de ferro, de cerca de 50 centímetros, descascando parte da cela que já estava comprometida, devido a infiltração e falta de manutenção. Com o buraco na luminária, os dois chegaram ao local da manutenção do presídio, onde estão máquinas, tubulações e toda a fiação.

De lá, a dupla conseguiu alcançar o teto do prédio. Também não havia nenhuma laje de concreto ou sistema de proteção. Os fugitivos encontraram ferramentas que estavam sendo usadas na reforma interna do presídio. Com um alicate para cortar arame, conseguiram passar pela grade que impedia o acesso ao lado externo do presídio.

Os dois detentos haviam sido transferidos do Acre para o presídio em Mossoró, cidade localizada a 281 quilômetros de Natal (RN), após uma rebelião que deixou cinco pessoas mortas em julho do ano passado.

De acordo com o governo acreano, Tatu e Deisinho, que se declaram integrantes do Comando Vermelho, estavam entre os 14 presos transferidos para o sistema federal, em setembro passado, suspeitos de liderarem a matança. Eles cumpriam penas de 74 anos e 81 anos, respectivamente, no presídio de segurança máxima Antônio Amaro, destinado a abrigar chefes do crimes. Ambos foram condenados a crimes envolvendo roubo à mão armada, ainda conforme informações do Governo do Acre.

Lewandoswki e uma comitiva foram a Mossoró no dia 18 de fevereiro para acompanhar as buscas pelos foragidos. Ele disse que os problemas na penitenciária não afetam a segurança dos demais presídios federais - em esforço do governo federal para que a fuga inédita não deixe o sistema penitenciário cair em descrédito. "A minha presença aqui é, antes de mais nada, [para] mostrar que o governo federal está presente", destacou o ministro.

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

  • Tati
    04/04/2024
    O estranho que esse cara de camiseta escura, não parece nenhum das fotos que estavam na mídia!