NÃO FOI CRIME

Fim do mistério: sucuri Ana Júlia morreu de causas naturais, diz perícia

'Não encontramos nenhuma fratura na região da cabeça, que era suspeita inicialmente de ter sido lesionada e descartamos a hipótese de morte violenta', afirmou a perita

01/04/2024 | Tempo de leitura: 1 min
da Redação

Reprodução/@cdimitrius/Instagram

A sucuri Ana Júlia foi encontrada morta em Bonito, Mato Grosso do Sul, no último dia (24), pelo documentarista de vida selvagem, Cristian Dimitrius
A sucuri Ana Júlia foi encontrada morta em Bonito, Mato Grosso do Sul, no último dia (24), pelo documentarista de vida selvagem, Cristian Dimitrius

Fim de mistério: a sucuri mais famosa do mundo, Ana Júlia, morreu de causas naturais. É o que aponta o Instituto de  Criminalística de Mato Grosso do Sul, segydi informações do Metrópoles. A sucuri foi encontrada morta em Bonito, no sudoeste de Mato Grosso do Sul, no último dia (24), pelo documentarista de vida selvagem, Cristian Dimitrius, às margens do rio Formoso. O fato causou grande comoção em todo o país e foram levantadas hipóteses de violência com o animal de quase 7 metros.

Leia também: Símbolo de Bonito há anos, sucuri é morta; biólogo explica sua importância em VÍDEO

Segundo informações do G1, uma perícia foi realizada já no local onde a sucuru foi encontrada para caracterizar ou não se a serpente foi morta de forma violenta. Em entrevista ao portal, o diretor da Polícia Científica de Mato Grosso do Sul, Emerson Lopes dos Reis, explicou que no próprio local a perita veterinária não encontrou lesões no animal condizentes com disparos de arma de fogo, mas que mesmo assim ela decidiu trazer a cobra para Campo Grande para a realização de exames complementares.

“Nós fizemos exames radiográficos, não encontramos nenhuma fratura na região da cabeça, que era suspeita inicialmente de ter sido lesionada e descartamos a hipótese de morte violenta…Visto que o animal não teve uma morte violenta restou por tanto uma morte por consequência de uma patologia ou alguma questão própria do animal onde ela vive, sem interferência humana na morte desse animal”, explicou ao G1 a perita Maristela Melo de Oliveira.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.