OPINIÃO

Vizinha - Parte 2

16/05/2024 | Tempo de leitura: 3 min

Parte 2

Acho que estou ficando besta. Dando muita importância pra essa história. Mas e se eu fosse até o apartamento dela? Inventasse alguma desculpa, sobre o funcionamento da antena comunitária ou qualquer outro assunto. Se fosse no século passado, bateria na porta pra pedir açúcar emprestado, mas hoje essa desculpa, além de clichê, não cola mais. O prédio tem a lojinha própria.

Inclusive a dona Maura reclamou na reunião, se levantou interrompendo o síndico e falou que é um desrespeito com os moradores, que os produtos estão sempre vencidos e ninguém toma uma atitude. Nem prestei atenção, quando mais ela esbravejava, mais o cheiro de alfazema tomava conta do ambiente.

E não é que acabei criando coragem? Nem acreditei, mas agora o dedo já apertou a campainha, não tem mais volta. Toquei e ninguém saiu. Achei melhor não tocar novamente. Respirei aliviado, melhor deixar isso pra lá.

— O que é melhor deixar pra lá? Perguntou ela.

"Droga, pensei em voz alta. E agora?"

— Oi, tudo bem? Sou o morador e tem uns dois dias que não tenho sinal da antena de tevê. Resolvi perguntar se você está tendo esse problema também.

— Mas você mora neste bloco? Nunca te vi aqui.

"Acho que não colou, o que eu faço?"

— Eu moro no da frente, mas bati em umas duas portas e não saiu ninguém.

Ela começou a olhar pro vão da escada, franziu a testa e começou a entrelaçar os dedos rapidamente. Será se me achou algum tarado ao algo assim? Eu pensaria!

Se encaminhou até a porta e pareceu nem se importar com o que eu havia dito. Como se tivesse lembrado que deixou leite no fogo ou algo assim.

— Não assisto a canais de tevê, apenas Netflix e Youtube, tente ver com algum outro vizinho, agora se me der licença preciso entrar.

"Não vim até aqui pra voltar sem tentar nada."

— Escuta, a verdade é que vim aqui porque tenho te observado há alguns dias e queria saber se...

— Então foi você que me seguiu na semana passada? Disse ela com um sorriso se formando em seus lábios.

— Não exatamente, é que...

— Não tem problema. Eu gostei. O que acha de passar aqui amanhã de manhã?

Disse e já entrou no apartamento.

Fiquei igual um idiota olhando pra aquela porta e pensando se talvez ela tivesse do outro lado me encarando pelo olho mágico.

No outro dia claro que fui. Nem era meu dia de home office, mas troquei com o Marcão. Não é todo dia que a vizinha te dá mole assim.

Toquei a campainha e nada, de novo e já comecei a sentir uma gota de suor descer pelas costas, trazendo consigo o arrependimento.

Foi quando a porta se abriu.

— Oi, você que é o vizinho que gostou do carro?

Era um rapaz alto, musculoso e com cara de poucos amigos. Ele tinha a mesma tatuagem da cobra espremedora de corações. Será se é alguma tattoo de casal?

— A Brenda me disse que você está interessado. Vamos lá que vou te mostrar. Está filé e não se preocupe com a Minnie no teto, eu vou tirar. Falei pra não colocar, mas ela usa o carro mais do que eu e queria deixar com a cara dela.

Acabei comprando, não tinha como sair dessa. Vão ser três anos pagando essa merda. Trinta e seis malditas prestações.

Jefferson Ribeiro é autor e cronista (jeffribeiroescritor@gmail.com)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do SAMPI

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.