JUSTIÇA

Professora do Vale condenada a 24 anos pela morte do marido tenta regime semiaberto

Eliana Freitas Areco Barreto foi condenada a 24 anos em 2020

Por Da redação | 04/04/2024 | Tempo de leitura: 2 min
São José dos Campos

Reprodução

Luiz Eduardo e Eliana na época do casamento
Luiz Eduardo e Eliana na época do casamento

Condenada a 24 anos de prisão por mandar matar o marido, a professora Eliana Freitas Areco Barreto, 54 anos, que é natural de Guaratinguetá, pediu à Justiça a progressão ao regime semiaberto.

Clique aqui para fazer parte da comunidade de OVALE no WhatsApp e receber notícias em primeira mão. E clique aqui para participar também do canal de OVALE no WhatsApp.

Eliana está presa na penitenciária feminina Santa Maria Eufrásia Pelletier, a P1 de Tremembé, em regime fechado. Ou seja, ela não tem permissão para sair da unidade, ao contrário do regime semiaberto, em que pode trabalhar e estudar fora durante o dia e ter o benefício das saídas temporárias.

A penitenciária é conhecida por abrigar mulheres envolvidas em casos de grande repercussão, como Anna Carolina Jatobá, Elize Matsunaga e Suzane von Richthofen.

CRIME.

Segundo a acusação, o então marido de Eliana, o empresário Luiz Eduardo de Almeida Barreto, foi morto por um pistoleiro contratado pela mulher e pelo amante dela. O crime aconteceu em 2015 e a vítima tinha 49 anos.

Eliana foi condenada a 24 anos de prisão, em 2020, mas conseguiu reduzir a pena para 21 anos. Em entrevistas na época do crime, ela confirmou o romance com o amante, mas negou a trama para matar o marido.

O Ministério Público acusou Eliana e o amante dela, o inspetor de segurança Marcos Fábio Zeitunsian, de contratarem o pistoleiro Eliezer Aragão da Silva por R$ 5 mil para simular um assalto e matar Barreto.

A vítima foi morta a tiros no dia 1º de junho de 2015, quando voltava do almoço no Brooklin, na zona sul de São Paulo. O MP disse que os amantes decidiram mandar matar o empresário para que Eliana recebesse o dinheiro da herança, e depois pudesse abrir um negócio para Zeitunsian.

Na época, a professora e o empresário moravam em Aparecida, mas ele trabalhava na capital. O casal teve dois filhos. Após o crime, Barreto foi enterrado em Guaratinguetá.

Receba as notícias mais relevantes de Vale Do Paraíba e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.