HOSPITAL

Sobe para 15 o número de entidades que poderão disputar a gestão do HMUT, em Taubaté

As interessadas poderão apresentar proposta até o dia 8 de abril; contrato poderá custar até R$ 126,72 milhões por ano, o que representa até R$ 10,56 milhões por mês

Por Julio Codazzi | 02/04/2024 | Tempo de leitura: 2 min
Taubaté

Divulgação/CMT

Lateral do HMUT (Hospital Municipal Universitário de Taubaté)
Lateral do HMUT (Hospital Municipal Universitário de Taubaté)

Subiu para 15 o número de entidades que poderão disputar o chamamento público aberto pela Prefeitura de Taubaté para definir a nova gestora do HMUT (Hospital Municipal Universitário de Taubaté).

Clique aqui para fazer parte da comunidade de OVALE no WhatsApp e receber notícias em primeira mão. E clique aqui para participar também do canal de OVALE no WhatsApp

Nessa terça-feira (2), a Prefeitura divulgou que mais uma entidade foi qualificada para atuar como OS (Organização Social) na área da saúde no município: a Anaesp (Associação Nacional de Apoio ao Ensino, Saúde e Políticas Públicas de Desenvolvimento).

A Anaesp se junta à lista de 14 entidades que já haviam sido habilitadas anteriormente: IGI (Instituto de Gestão Integrada); Associação de Benemerência Senhor Bom Jesus; Instituto São Miguel Arcanjo; Instituto Fênix; Beneficência Hospitalar de Cesário Lange; Instituto Multi Gestão - Solução & Gestão; Instituto Elisa de Castro; Santa Casa de Chavantes; Irmandade de Santa Casa de Misericórdia São Bernardo do Campo; Fênix do Brasil Saúde; Grupo Futuro; Iesp (Instituto de Excelência em Saúde Pública); APS Saúde (Associação Paulista de Serviços à Saúde); e Avante Social (Instituto Jurídico para Efetivação da Cidadania e Saúde).

Dessas 15 entidades, duas já mantêm contratos em vigência com o município: a Santa Casa de Chavantes administra as UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) Santa Helena e San Marino; e o Iesp atua no PSM (Pronto Socorro Municipal), no PA (Pronto Atendimento) do Cecap e no Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

HOSPITAL.
As interessadas poderão apresentar proposta até o dia 8 de abril. Será contratada a entidade que obtiver melhor pontuação. Para a definição da nota final, 70% dos pontos virão da proposta técnica e 30% da proposta financeira.

A proposta financeira poderá ser de até R$ 126,72 milhões por ano, o que representa até R$ 10,56 milhões por mês. Para efeito de comparação, o atual contrato custa R$ R$ 9,082 milhões por mês (R$ 108,991 milhões por ano), sendo R$ 2,6 milhões do governo federal, R$ 3,5 milhões do governo estadual e R$ 2,9 milhões do município.

O contrato terá prazo inicial de 12 meses, mas poderá ser prorrogado por até cinco anos.

TRANSIÇÃO.
Segundo o edital, a nova gestora terá que absorver os funcionários da atual administradora, a SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina).

Firmado no início de 2019, o contrato com a SPDM vai até o dia 30 de abril desse ano. Devido aos trâmites do chamamento público, a Prefeitura prevê que a nova gestora assumirá até junho, e por isso pretende pedir a prorrogação excepcional do contrato atual.

Desde julho de 2023, devido a atrasos nos repasses por parte da Prefeitura, o HMUT passou a atender de forma parcial. A dívida do município com a SPDM seria de R$ 31 milhões.

Receba as notícias mais relevantes de Vale Do Paraíba e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.