JUNDIAÍ

Família é furtada de novo e vítima faz desabafo; 'quero vender a casa e ir embora daqui'

Nesta nova invasão, os ladrões entraram na casa durante a madrugada; 'meu psicológico e da minha esposa estão acabados. Toda madrugada acho que tem ladrão aqui, não aguento mais'

Por Fábio Estevam | 22/11/2023 | Tempo de leitura: 2 min
Polícia

DIVULGAÇÃO/REPRODUÇÃO

Os ladrões revezaram para serrar os cadeados e invadir a casa durante a madrugada
Os ladrões revezaram para serrar os cadeados e invadir a casa durante a madrugada

Uma família teve a casa invadida e furtada nesta semana, durante a madrugada, no bairro Messina, em Jundiaí, enquanto todos estavam dormindo. Depois de meia hora de tentativas de arrombar os cadeados do portão, eles conseguiram entrar. Porém, só fugiram porque o dono da casa acordou com o barulho e acendeu as luzes. Os ladrões fugiram levando uma lixadeira avaliada em R$ 1 mil, que é ferramenta de trabalho do dono da casa. Esta é a segunda vez que a casa é invadida em seis meses. O morador acredita que os ladrões queriam, na verdade, furtar suas motos de trabalho.

Era por volta das 2h, quando três homens, todos usando bonés, chegaram e começaram a tentar abrir o portão, arrombando os cadeados. Como o morador já havia sido vítima de furto, alguns meses atrás - em que levaram duas bicicletas e ferramentas, avaliados em mais de R$ 15 mil -, ele então reforçou as trancas do portão com mais cadeados

Após cerca de meia hora, os ladrões conseguiram entrar, Nesse momento, Prata acordou com o barulho e acendeu  as luzes, descendo as escadas. "Foi quando eles me ouviram e correram, levando uma ferramenta. No entanto, acredito que sejam os mesmos bandidos da outra vez, e que queriam levar as motos", salientou ele, que trabalha com compra e venda de  motocicletas, e que faz manutenção dos veículos antes de vendê-las - por isso a existência das ferramentas na garagem.

Com mais essa invasão de bandidos, Prata diz que o medo dele e da esposa aumentaram. "Acabou minha paz, estou à base de remédios para dormir e mesmo assim não 'apaga'. Qualquer barulho a gente ta acordando assustado, achando que tem ladrão aqui. Nosso nosso psicológico está totalmente abalado, tanto meu quanto da minha esposa, os dois totalmente inseguros, querendo vender a casa e ir embora de Jundiaí, estamos apavorados. Eu já tenho síndrome do pânico, e agora qualquer barulhinho o coração vai na boca", disse ele.

O caso foi registrado na delegacia eletrônica e será encaminhado à delegacia de área para investigação. Inclusive, os bandidos foram filmados e as imagens serão encaminhadas para ajudar a identificá-los.

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

  • 23/11/2023
    Esse trauma será carregado pra vida toda...