IRREGULARIDADE

Justiça bloqueia venda de loteamento clandestino em Patrocínio

Decisão inclui hipoteca de R$ 12 milhões sobre imóveis fracionados ilegalmente para garantir ressarcimento às vítimas.

Por N. Fradique | 10/06/2024 | Tempo de leitura: 2 min
da Redação

Reprodução

Túlio Vinícius Rosa, promotor de Justiça
Túlio Vinícius Rosa, promotor de Justiça

Nove pessoas físicas e duas jurídicas envolvidas com a venda de terrenos em loteamento clandestino em Patrocínio Paulista foram impedidas pelo Poder Judiciário de realizar qualquer atividade relacionada ao parcelamento irregular de imóveis rurais ou urbanos. A decisão foi divulgada nessa sexta-feira, 7.

A Justiça atendeu uma ação do Ministério Público e também determinou a especialização de hipoteca legal, que é um espécie de bloqueio, no valor de R$ 12 milhões a recair sobre oito imóveis que vêm sendo ilegitimamente fracionados e vendidos. O objetivo é garantir recursos para pagar as vítimas e viabilizar o ressarcimento pelos danos causados.

Essas pessoas não podem comercializar, intermediar ou alienar a terceiros esses bens, sob pena de prisão preventiva e de interdição judicial da respectiva atividade empresarial.

O promotor do caso, Túlio Vinícius Rosa, apontou que envolvidos no caso vinham descumprindo ordem judicial publicada em autos de Ação Demolitória promovida pelo município de Patrocínio Paulista ao prosseguirem com o parcelamento ilegal do solo e a venda de lotes em desconformidade com a legislação. Uma das empresas citadas usava a internet para captar clientes e oferecer "projetos espúrios e ilegais, bem como a gestão das obras dos condomínios clandestinos".

Segundo promotor, o município de Patrocínio Paulista sofre com as consequências de loteamentos clandestinos e irregulares que vêm sendo desenvolvidos mediante o desmembramento ilegal de glebas de terras em zona rural em lotes individuais. Os imóveis são alienados a terceiros mediante contratos de gaveta.

"A partir da aquisição ilegais de tais lotes, os possuidores passam, então, sem autorização do Poder Público Municipal e, por via de consequência, com graves riscos à segurança pessoal e de terceiros, a construírem sem atenção às normas técnicas, com o que tem proliferado o número de construções ilegais e inseguras, gerando favelização", diz o promotor.

No mês passado, o MP também denunciou a venda de terrenos em um loteamento irregular em Patrocínio Paulista, localizado próximo à estrada do Calil. Na ocasião, a Justiça também proibiu a comercialização dos lotes.

Fale com o GCN/Sampi! Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção?
Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Receba as notícias mais relevantes de Franca e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.