Lan house, uma balada alternativa

Nos anos 90, diversão na madrugada para adolescentes e jovens significava festas fechadas, danceterias e shows musicais.

25/03/2006 | Tempo de leitura: 2 min

Bruno Pessa Especial para o Comércio Nos anos 90, diversão na madrugada para adolescentes e jovens significava festas fechadas, danceterias e shows musicais. Os fanáticos por videogames se viravam sozinhos nos fliperamas ou na casa de algum amigo. Depois das lan houses (casas de jogos em rede), porém, eles enfim encontraram um reduto para partilharem suas paixões, especialmente da meia-noite às seis da manhã. Vindas da Coréia, onde surgiram em 1996, as lans se espalharam rapidamente pelo mundo junto com a internet. No Brasil, a estimativa do número de casas supera 3,5 mil, e em Franca são cerca de dez, segundo levantamento informal da reportagem. Com tecnologia sofisticada, elas permitem navegar pela rede mundial de computadores conforme a vontade do freguês. Mas muito mais do que internauta, o freqüentador normalmente está ali para se transformar em player (jogador). “O maior atrativo dos jogos é a interatividade, pois a pessoa pode conversar e jogar com os colegas”, diz Adriano Silvério, funcionário da Phoenix Lan House, na Estação. Se quiser encontrar a galera, faça parte do corujão (sextas e sábados, da 0 hora às 6 horas do dia seguinte). “É o período mais procurado pelos adolescentes. Tem gente que fica esperando só para vir nesse horário”, afirma Silvério. “O pessoal acostuma e se diverte. É como se saíssem para a balada: uns vêm em turma, outros se encontram aqui”. Para embalar as noites, refrigerante no local e salgados na lanchonete vizinha. Nas lans, a escuridão e o som lembram festas tradicionais, mas a comunicação rola na tela: todos estão sentados, com fones de ouvido e olhares fixos nos movimentos dos demais, geralmente visando matar ou morrer. Os campeões na preferência dos jogadores, na maioria rapazes, são os jogos Counter Strike (terroristas e contra-terroristas, tentam matar o máximo de adversários) e Mu (RPG, modalidade na qual os jogadores criam personagens e evoluem à medida que lutam entre si ou se unem contra inimigos). Apesar da violência predominante, os games não têm restrições de idade, bem como as casas. Essas, pelo menos por enquanto. Tramita na Câmara Municipal um projeto do presidente da casa, Marcelo Mambrini (PMN), que proíbe menores de 12 anos (cogitou-se aumentar a faixa etária para 16) de freqüentarem as lans. “Os pais tentam forçar os filhos a não virem, dizendo ser lugar de marginais, bandidos e viciados. Mas não há nada disso. O pessoal vem para se divertir jogando”, comenta Silvério. A polêmica está aí. Quem quiser comprovar, que encare a madrugada jogando para ver.

Fale com o GCN/Sampi! Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção?
Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Receba as notícias mais relevantes de Franca e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.