PRISÃO

Resolução estabelece novas regras para tratamento de presos LGBTQIA+

Nova resolução estipula que presos não precisam apresentar documentos ou realizar cirurgia de redesignação sexual para serem tratados de acordo com sua autodeclaração de gênero.

02/04/2024 | Tempo de leitura: 1 min
da Folhapress

Pixabay

Presos transexuais poderão escolher ala em que vão cumprir pena
Presos transexuais poderão escolher ala em que vão cumprir pena

Uma resolução aprovada pelo Conselho Nacional dos Direitos das Pessoas LGBTQIA+ e pelo Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária estabelece novas diretrizes para tratamento de pessoas dessa comunidade em prisões.

Detentos poderão usar nome social. Nova resolução estipula que presos não precisam apresentar documentos ou realizar cirurgia de redesignação sexual para serem tratados de acordo com sua autodeclaração de gênero.

Presos transexuais poderão escolher ala em que vão cumprir pena. O documento reforça também que detentos que se identificam como transsexuais poderão escolher se vão cumprir suas penas na ala masculina ou feminina dos presídios, e tem direito a mudar de ideia em qualquer momento do processo legal.

Presos devem ter segurança e direitos garantidos, defendem conselhos. Caso lugares reservados para pessoas LGBTQIA+ estiverem cheios ou as prisões enfrentem rebeliões, os agentes penitenciários devem levar os detentos a outra parte da prisão, desde que se preserve a segurança da pessoa.

Conselhos que assinaram a resolução estão ligados ao Ministério da Justiça e ao Ministério dos Direitos Humanos. A decisão teria considerado "princípios constitucionais e tratados internacionais de direitos humanos" e já está em vigor.

"Eu digo sempre que uma sociedade que cuida dos seus indivíduos privados de liberdade certamente é uma sociedade mais evoluída. O Estado Brasileiro tem o dever de acolher e proteger essas pessoas. Era necessário, premente, urgente que o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária juntamente com o Conselho Nacional dos Direitos das Pessoas LGBTQIA+ atualizasse essa resolução, adequando-a a realidade atual da nossa sociedade", afirmou Alexander Barroso, conselheiro.

Fale com o GCN/Sampi! Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção?
Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Receba as notícias mais relevantes de Franca e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

  • Freitas
    02/04/2024
    Palhaçada! Mulheres perdendo cada dia mais direitos graças a esse movimento desonesto. Quem vai assumir a conta dos estupros? Que criem prisões especiais, mas não enfiem homens completos em celas com mulheres!