QUEIXA RECORRENTE

Após assassinato, vizinhos do Centro Pop protestam na Câmara: 'À mercê dos marginais'

Representante dos moradores da Vila Formosa relata agressões e lembra do homicídio ocorrido neste fim de semana em frente ao Centro Pop

Por N. Fradique | 20/02/2024 | Tempo de leitura: 3 min
da Redação

Divulgação/Câmara de Franca

Grupo de moradores da Vila Formosa esteve na sessão da Câmara, na manhã desta terça-feira: Centro Pop em discussão
Grupo de moradores da Vila Formosa esteve na sessão da Câmara, na manhã desta terça-feira: Centro Pop em discussão

Um grupo de moradores próximos ao Centro Pop, instalado na Vila Formosa, região central de Franca, voltou à Câmara Municipal, nesta terça-feira, 20, para protestar e pedir uma solução para a situação que tomou conta do bairro. Desde que o equipamento social foi implantado, os vizinhos se queixam de violência, tráfico de drogas, brigas, importunação e insegurança. Neste fim de semana, ocorreu um homicídio na calçada do Centro Pop, envolvendo frequentadores do local.

Rogério Carlos Pereira usou a Tribuna da Casa de Leis, representando os moradores e comerciantes. “A gente está à mercê de um punhado de marginais. Teve um homicídio neste fim de semana lá. Vocês estão sabendo? Pelo que eu fiquei sabendo, os dois não são de Franca. Ali é a proteção deles, a polícia passa, mas não pode pôr a mão. E a gente, que é morador do bairro, não pode sair na rua”, disse.

Os moradores pedem mais segurança e a instalação de câmeras. “O problema existe, e ele é grave. A gente está ali, todo dia, vendo isso se transformar em uma cracolândia”, disse, relatando também que um comerciante vizinho ao equipamento foi ameaçado e, por isso, resolveu deixar o prédio, que posteriormente foi invadido por moradores de rua. 

“O problema de vadiagem e furtos está no Centro Pop. Vocês podem ter certeza de que se acabar com aquilo ali, acaba na cidade inteira, porque o pessoal sai para fora para furtar, roubar e levar para lá, para trocar por drogas. Esse pessoal é de fora, o Sidnei (Rocha, ex-prefeito) mandava colocar no ônibus de volta”, concluiu Pereira.

O vereador Donizete da Farmácia (MDB) lembrou que criou um projeto de lei, na época da instalação do Centro Pop, para que o equipamento obedecesse a um raio de 300 metros das residências, mas que não avançou na Câmara. “Nós criamos um projeto que brecaria a construção do Centro Pop, que é um projeto do Governo Federal, que obriga a instalação na região central (da cidade). Infelizmente, não conseguimos passar esse projeto”.

Gilson Pelizaro (PT) sugeriu que a política pública em relação ao funcionamento do equipamento social poderia ser revista. “Se é um projeto financiado pelo Governo Federal, que mal tem em se reunir com as autoridades envolvidas e fazer uma reavaliação do que está ocorrendo na Vila Formosa? Não é feio dar um passo para trás, não. Se a coisa não está funcionando, tem que ser revista. Será que vai bater no peito e dizer que esse projeto é referência para algum lugar. Referência onde?”, questionou o parlamentar.

“Colocou uma política pública para funcionar, ela não funcionou, chega no Governo Federal e diz que precisa rever essa legislação que está em vigor. Até o Ministério Público rever também os conceitos, aquele TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) que foi feito. Pegar o projeto e ver o que funcionou e o que não funcionou, e o que precisa fazer. Não adianta fingir que não tem o problema, tem que repactuar isso”, disse Pelizaro.

Della Motta (Podemos), Daniel Bassi (PSDB), Zezinho Cabeleireiro (PP) e Lurdinha Granzotte (União) também se posicionaram sobre a questão, pedindo uma solução para a situação vivida pelos moradores do bairro.

Fale com o GCN/Sampi! Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção?
Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Receba as notícias mais relevantes de Franca e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

6 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

  • Freitas
    21/02/2024
    Isso não deveria nem existir. O que deveria ser feito é internação compulsória para os crackudos. Ninguém aguenta mais isso. Pelo jeito, chegou mais um carregamento de zumbis ontem em Franca. Por volta de 13h na Alonso y Alonso, contei 3 usuários transtornados incomodando carros e pedestres. Quem criou o maldito TAC deveria ser responsabilizado pelos crimes cometidos por esses seres. Que voltem pra sua terra e sejam bancados com o dinheiro dos impostos de lá.
  • Guaru
    21/02/2024
    Tem que chamar a padreco Júlio Lacelotti ou algjm outro padre já que a Diocese defende tanto esse senhor que se diz padre. Eu sou católico mas padre como este não me representa
  • JOÃO
    20/02/2024
    O minimo que a prefeitura deveria fazer seria tirar este centro pop da nossa cidade, colocar isso em algum sitio, chacara, aonde esse tipo de pessoas pudessem receber algum tratamento mais adequado, alem de aproveitar e usurpar do dinheiro publico... a sociedade é quem paga o pato e a conta e ainda tem que aguentar...
  • Eunice de Melo
    20/02/2024
    Na praça ao fundo do Centro POP, também virou cracolândia, eles brigam, e são usuários de droga, etc...nós aqui vizinhos não temos segurança mais. Grata
  • Maria
    20/02/2024
    Não tem projeto, só dinheiro nosso indo para o ralo. Já um imóvel em construção totalmente invadido por eles, por que nem o centro pop os atende. Cadê o prefeito e os vereadores?
  • Maria
    20/02/2024
    Quem disse que eh projeto federal? A verba eh toda municipal repassada para a pastoral do menor. Se vcs vereadores estão coniventes com o prefeito, vamos ver se vcs se reelegem como vereadores esse ano.