Um portal afiliado à rede

Um portal afiliado à rede

07 de dezembro de 2022

ELEIÇÕES 2022

ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro trava embate com Ciro, Tebet e Soraya, e Lula é atacado por ausência em debate

Bolsonaro trava embate com Ciro, Tebet e Soraya, e Lula é atacado por ausência em debate

Presidente Jair Bolsonaro (PL) se tornou alvo principal das críticas dos adversários e protagonizou embates com os demais candidatos; o púlpito reservado a Lula ficou vazio.

Presidente Jair Bolsonaro (PL) se tornou alvo principal das críticas dos adversários e protagonizou embates com os demais candidatos; o púlpito reservado a Lula ficou vazio.

Por Angela Pinho e Carlos Petrocilo | 24/09/2022 | Tempo de leitura: 5 min
da Folhapress

Por Angela Pinho e Carlos Petrocilo
da Folhapress

24/09/2022 - Tempo de leitura: 5 min

SBT/Divulgação

O debate deste sábado, 24, foi organizado em pool por SBT, CNN Brasil, O Estado de S. Paulo, Terra, Veja e as rádios Eldorado e Nova Brasil

Em debate marcado pela ausência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o presidente Jair Bolsonaro (PL) se tornou alvo principal das críticas dos adversários e protagonizou embates com Ciro Gomes (PDT), Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (União Brasil).

Substituto do bolsonarista Roberto Jefferson (PTB), impedido de concorrer, Padre Kelmon (PTB) fez dobradinhas com Bolsonaro, em meio a perguntas recheadas de críticas à esquerda sobre aborto e perseguição aos cristãos na Nicarágua.

O debate deste sábado, 24, foi organizado em pool por SBT, CNN Brasil, O Estado de S. Paulo, Terra, Veja e as rádios Eldorado e Nova Brasil.

O púlpito reservado a Lula ficou vazio. O petista disse que não poderia comparecer porque já tinha compromissos agendados previamente e porque não haveria tempo para ele se preparar. Ele deve participar do debate da Globo no dia 29.

Enquanto seus adversários debatiam no estúdio, o ex-presidente criticava Bolsonaro em comício na noite deste sábado, 24, em Itaquera, na zona leste de São Paulo.

"Todo dia ele fala 'eu não sou ladrão'. Ele vai ver se é ladrão ou não quando eu tomar posse e acabar com esse sigilo. Qualquer coisinha, ele faz um decreto de sigilo de 100 anos. Vou acabar no primeiro dia com isso, para [a gente] ver o que está escondido", disse.

A ausência do líder nas pesquisas foi criticada pelos demais candidatos. Bolsonaro disse que essa atitude demonstra falta de compromisso com a população, Ciro chegou a falar que o petista está de salto alto, e Tebet disse que o ex-presidente pede à população um cheque em branco –a expressão tem sido usada diante da falta de detalhes sobre o que pretende fazer se for eleito.

Sem o petista, Bolsonaro protagonizou os embates mais duros com as senadoras Tebet e Thronicke. Na primeira pergunta, Tebet cobrou o presidente sobre o corte de recursos para merenda e creches e indagou por que ele não dá prioridade para as crianças.

Ela lembrou ainda de palavras chulas que o presidente diz. Na resposta, Bolsonaro insinuou que a emedebista dá apoio velado a Lula e disse que fala sim alguns palavrões, mas não defende ladrão.

Ele acusou tanto Tebet como Thronicke de se beneficiarem com verbas das emendas de relator, o chamado orçamento secreto, gastas com pouca transparência, e disse que o Orçamento é feito a quatro mãos, com o Executivo e o Legislativo.

"Eu não sei para onde vai o dinheiro do orçamento secreto", chegou a afirmar o presidente.

Em suas interações com o presidente, Thronicke fez referências veladas à aquisição de leite condensado, viagra e próteses penianas pelo Exército ao atacar Bolsonaro.

"O que é o que é, não reajusta merenda escolar, mas gasta milhões com leite condensado, tira remédio da farmácia popular, mas mantém a compra de viagra, não compra vacina para Covid, mas distribui prótese peniana para os amigos?", afirmou a senadora.

Ela disse ainda que o presidente "não deveria cutucar onça com sua vara curta".

Com alta rejeição entre as mulheres e desgastado após ataque à jornalista Vera Magalhães no debate anterior, o presidente focou suas críticas às duas senadoras principalmente na verba que elas usaram das emendas de relator.

Bolsonaro também ouviu críticas de Ciro Gomes (PDT).

O pedetista, em terceiro lugar, distribuiu os ataques entre Lula e Bolsonaro de forma equivalente e citou mais de uma vez investigações contra os filhos dos dois líderes nas pesquisas.

Em dobradinha com Bolsonaro, Padre Kelmon (PTB) teve discussão ríspida com Tebet em questão sobre o aborto.

A senadora chegou a falar que jamais se confessaria com o padre. "O feminismo no Brasil precisa ser entendido não como uma pauta de esquerda, mas como uma pauta cristã", afirmou.

Bolsonaro voltou a criticar no debate o STF (Supremo Tribunal Federal) e disse que mudará a corte com as duas nomeações que poderá fazer em um eventual segundo mandato.

"Com quatro pessoas lá dentro pensando em prol do Brasil, o Supremo mudará a forma de agir. Não mais mudará a vida de todos nós", afirmou, referindo-se à duas nomeações que já fez – os ministros André Mendonça e Nunes Marques.

Antes do evento, ele comentou decisão de Mendonça retirando a censura sobre reportagem do UOL a respeito de compra de imóveis pelo clã Bolsonaro com dinheiro vivo.

"Viram a decisão do Supremo sobre imóveis ontem? Vamos cumprir a decisão do Supremo. O UOL fez um trabalho sujo. Desde 1990 levantou os imóveis que familiares meu compraram, não levantou o que vendram", disse o presidente. "Continua valendo decisão do Supremo de ontem, mas quem persistir nos ataques de imóveis meu é da minha família vai responder Civil e criminalmente."

Ausência de Lula Após condicionar sua participação em debates à formação de um pool de emissoras, Lula deverá comparecer a somente dois deles no primeiro turno das eleições.

O ex-presidente teve seu desempenho criticado no debate organizado pelo pool da TV Bandeirantes, Folha, UOL e TV Cultura, em agosto, principalmente por não responder diretamente a questionamento do presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre corrupção.

A presidente do PT e coordenadora da campanha de Lula, Gleisi Hoffmann, disse que o petista irá ao debate da TV Globo, o último antes do primeiro turno, na próxima quinta-feira (29).

Na noite desta sexta (23), Lula disse que o SBT demorou para formar um pool para o debate, o que a emissora nega.

"Eu tenho profundo prazer de participar de debate. É bom participar. Lamentavelmente o debate do SBT demorou um pouco. A minha coordenação mandou uma carta para fazer um pool e, quando veio a resposta, eu já tinha agenda no Rio de Janeiro e em São Paulo", afirmou o petista.

Ele que não poderia desmarcar os atos que já tinha confirmado presença. "Porque faltando uma semana para as eleições, você desmarcar compromissos avisados para o povo é muito delicado."

Em nota, o SBT afirma que, diferentemente do que foi declarado pelo candidato, a formação do pool ocorreu antes da sugestão feita pela campanha do petista.

"Em 22 de março, os quatro grupos enviaram formalmente email às campanhas presidenciais, comunicando a realização do debate e informando as datas escolhidas para os confrontos do primeiro e do segundo turno", diz um trecho do texto.

Ainda segundo a nota divulgada pela emissora, "em 28 do mesmo mês, foi realizada a primeira reunião presencial com representantes dos candidatos convidados. A campanha de Lula esteve presente em tal reunião, assim como em todas as demais reuniões convocadas para discutir os detalhes e regras do debate".

Em debate marcado pela ausência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o presidente Jair Bolsonaro (PL) se tornou alvo principal das críticas dos adversários e protagonizou embates com Ciro Gomes (PDT), Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (União Brasil).

Substituto do bolsonarista Roberto Jefferson (PTB), impedido de concorrer, Padre Kelmon (PTB) fez dobradinhas com Bolsonaro, em meio a perguntas recheadas de críticas à esquerda sobre aborto e perseguição aos cristãos na Nicarágua.

O debate deste sábado, 24, foi organizado em pool por SBT, CNN Brasil, O Estado de S. Paulo, Terra, Veja e as rádios Eldorado e Nova Brasil.

O púlpito reservado a Lula ficou vazio. O petista disse que não poderia comparecer porque já tinha compromissos agendados previamente e porque não haveria tempo para ele se preparar. Ele deve participar do debate da Globo no dia 29.

Enquanto seus adversários debatiam no estúdio, o ex-presidente criticava Bolsonaro em comício na noite deste sábado, 24, em Itaquera, na zona leste de São Paulo.

"Todo dia ele fala 'eu não sou ladrão'. Ele vai ver se é ladrão ou não quando eu tomar posse e acabar com esse sigilo. Qualquer coisinha, ele faz um decreto de sigilo de 100 anos. Vou acabar no primeiro dia com isso, para [a gente] ver o que está escondido", disse.

A ausência do líder nas pesquisas foi criticada pelos demais candidatos. Bolsonaro disse que essa atitude demonstra falta de compromisso com a população, Ciro chegou a falar que o petista está de salto alto, e Tebet disse que o ex-presidente pede à população um cheque em branco –a expressão tem sido usada diante da falta de detalhes sobre o que pretende fazer se for eleito.

Sem o petista, Bolsonaro protagonizou os embates mais duros com as senadoras Tebet e Thronicke. Na primeira pergunta, Tebet cobrou o presidente sobre o corte de recursos para merenda e creches e indagou por que ele não dá prioridade para as crianças.

Ela lembrou ainda de palavras chulas que o presidente diz. Na resposta, Bolsonaro insinuou que a emedebista dá apoio velado a Lula e disse que fala sim alguns palavrões, mas não defende ladrão.

Ele acusou tanto Tebet como Thronicke de se beneficiarem com verbas das emendas de relator, o chamado orçamento secreto, gastas com pouca transparência, e disse que o Orçamento é feito a quatro mãos, com o Executivo e o Legislativo.

"Eu não sei para onde vai o dinheiro do orçamento secreto", chegou a afirmar o presidente.

Em suas interações com o presidente, Thronicke fez referências veladas à aquisição de leite condensado, viagra e próteses penianas pelo Exército ao atacar Bolsonaro.

"O que é o que é, não reajusta merenda escolar, mas gasta milhões com leite condensado, tira remédio da farmácia popular, mas mantém a compra de viagra, não compra vacina para Covid, mas distribui prótese peniana para os amigos?", afirmou a senadora.

Ela disse ainda que o presidente "não deveria cutucar onça com sua vara curta".

Com alta rejeição entre as mulheres e desgastado após ataque à jornalista Vera Magalhães no debate anterior, o presidente focou suas críticas às duas senadoras principalmente na verba que elas usaram das emendas de relator.

Bolsonaro também ouviu críticas de Ciro Gomes (PDT).

O pedetista, em terceiro lugar, distribuiu os ataques entre Lula e Bolsonaro de forma equivalente e citou mais de uma vez investigações contra os filhos dos dois líderes nas pesquisas.

Em dobradinha com Bolsonaro, Padre Kelmon (PTB) teve discussão ríspida com Tebet em questão sobre o aborto.

A senadora chegou a falar que jamais se confessaria com o padre. "O feminismo no Brasil precisa ser entendido não como uma pauta de esquerda, mas como uma pauta cristã", afirmou.

Bolsonaro voltou a criticar no debate o STF (Supremo Tribunal Federal) e disse que mudará a corte com as duas nomeações que poderá fazer em um eventual segundo mandato.

"Com quatro pessoas lá dentro pensando em prol do Brasil, o Supremo mudará a forma de agir. Não mais mudará a vida de todos nós", afirmou, referindo-se à duas nomeações que já fez – os ministros André Mendonça e Nunes Marques.

Antes do evento, ele comentou decisão de Mendonça retirando a censura sobre reportagem do UOL a respeito de compra de imóveis pelo clã Bolsonaro com dinheiro vivo.

"Viram a decisão do Supremo sobre imóveis ontem? Vamos cumprir a decisão do Supremo. O UOL fez um trabalho sujo. Desde 1990 levantou os imóveis que familiares meu compraram, não levantou o que vendram", disse o presidente. "Continua valendo decisão do Supremo de ontem, mas quem persistir nos ataques de imóveis meu é da minha família vai responder Civil e criminalmente."

Ausência de Lula Após condicionar sua participação em debates à formação de um pool de emissoras, Lula deverá comparecer a somente dois deles no primeiro turno das eleições.

O ex-presidente teve seu desempenho criticado no debate organizado pelo pool da TV Bandeirantes, Folha, UOL e TV Cultura, em agosto, principalmente por não responder diretamente a questionamento do presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre corrupção.

A presidente do PT e coordenadora da campanha de Lula, Gleisi Hoffmann, disse que o petista irá ao debate da TV Globo, o último antes do primeiro turno, na próxima quinta-feira (29).

Na noite desta sexta (23), Lula disse que o SBT demorou para formar um pool para o debate, o que a emissora nega.

"Eu tenho profundo prazer de participar de debate. É bom participar. Lamentavelmente o debate do SBT demorou um pouco. A minha coordenação mandou uma carta para fazer um pool e, quando veio a resposta, eu já tinha agenda no Rio de Janeiro e em São Paulo", afirmou o petista.

Ele que não poderia desmarcar os atos que já tinha confirmado presença. "Porque faltando uma semana para as eleições, você desmarcar compromissos avisados para o povo é muito delicado."

Em nota, o SBT afirma que, diferentemente do que foi declarado pelo candidato, a formação do pool ocorreu antes da sugestão feita pela campanha do petista.

"Em 22 de março, os quatro grupos enviaram formalmente email às campanhas presidenciais, comunicando a realização do debate e informando as datas escolhidas para os confrontos do primeiro e do segundo turno", diz um trecho do texto.

Ainda segundo a nota divulgada pela emissora, "em 28 do mesmo mês, foi realizada a primeira reunião presencial com representantes dos candidatos convidados. A campanha de Lula esteve presente em tal reunião, assim como em todas as demais reuniões convocadas para discutir os detalhes e regras do debate".

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.