MESMO CAMINHO

Carrefour e Starbucks: veja 15 grandes marcas que deixaram Franca

O fechamento da loja Americanas do shopping esquentou a discussão sobre redes nacionais e multinacionais que fecharam suas portas na cidade.

Por Pedro Baccelli | 19/05/2024 | Tempo de leitura: 2 min
da Redação
Sampi/Franca

Arquivo/GCN

Antiga loja do Carrefour em Franca, na avenida Rio Negro
Antiga loja do Carrefour em Franca, na avenida Rio Negro

O fechamento da loja Americanas no shopping na última segunda-feira, 13, reacendeu uma velha discussão na cidade: "será que 'nada' fica em Franca"? O Portal GCN/Rede Sampi listou grandes marcas que já passaram pelo município e fecharam suas portas. A lista tem pelo menos 15 "gigantes" e é liderada por supermercados e atacados, abrangendo cafeteria, lanchonetes, lojas de eletrônicos e materiais de construção e varejistas de eletrodomésticos.

A Americanas não é a primeira grande rede a sair do shopping. A Starbucks abriu sua loja em Franca em fevereiro de 2022. Ficava localizada em frente à Riachuelo e o público formava fila para comprar os produtos. Procura que não impediu a maior cadeia de cafeterias do mundo de sair do município de 352 mil habitantes em 2023. A SouthRock Capital, dona da rede de cafeterias, entre outras marcas, entrou com um pedido de recuperação judicial em São Paulo após somar dívida de R$ 1,8 bilhão, em novembro de 2023.

O ano passado também decretou o final da Saraiva. A operação no centro de compras começou em dezembro de 2016. Em matéria publicada pelo GCN na inauguração, dizia que “um grande público estava presente para conhecer as instalações da livraria”. Movimento que diminuiu ao passar dos anos. A empresa, que já foi a maior livraria do Brasil, fechou todas as suas lojas físicas e demitiu seus funcionários em setembro de 2023.

O Bob’s fechou sua lanchonete na praça de alimentação. Se voltar mais ao passado, a C&C (Casa e Construção) atuou durante sete anos na cidade. O encerramento das atividades aconteceu em setembro de 2013.

Supermercados e atacadistas
Saindo dos corredores do shopping para a avenida Antônio Barbosa Filho, próximo ao Posto Galo Branco, a região abrigou por seis anos à norte-americana Walmart (2013-2019). O encerramento de suas atividades no país chegou após sequenciais crises econômicas. O Grupo Big comprou o Grupo Walmart do Brasil, e o prédio azul foi pintado de vermelho para receber o Maxxi Atacados. Com vida curta na cidade, fechou suas portas em março de 2023. Atualmente, o Sam’s Club opera nas dependências.

O Walmart não foi à única gigante multinacional do setor alimentício a sair de Franca. O Carrefour manteve suas portas abertas por cinco anos, fechando em 2011. A marca francesa foi adquirida pelo Atacadão, que montou sua loja no mesmo prédio.

Na avenida Ismael Alonso y Alonso, ao lado do “Lanchão”, funcionou o Super Box, o Pão de Açúcar e o Compre Bem – todos pertencentes ao mesmo grupo. Foram dez anos de operação, chegando ao final em agosto de 2007.  O complexo de 12 mil metros quadrados, avaliado em cerca de R$ 6 milhões na época, foi comprado pela Hidromar.

O Makro se despediu de Franca em 2023. A unidade, junto com lojas em Campinas e Ribeirão Preto, foi arrematada pelo Savegnago. No prédio da avenida Reinaldo Chioca foi instalado o Paulistão Atacadista em março deste ano.

Outros setores
Nos setores de eletro e eletrônicos, Ricardo Eletro (2009), Kalunga (2015) e Ponto Frio (2016) também baixaram as portas em Franca.

Fale com a Folha da Região! Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção? Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Receba as notícias mais relevantes de Araçatuba e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

18 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

  • Mônica
    21/05/2024
    O problema muitas vezes não é a cidade. São os estabelecimentos que infelizmente estão endividados e fecham várias lojas, não só em Franca, mas em várias cidades. Se pesquisa na internet veremos que o Carrefur já fechou 123 lojas devido prejuízo de mais de 500 milhões. Na própria matéria já fala que o Makro vendeu três lojas para o Savegnago, 01 aqui em Franca, 01 em Campinas e a outra em Ribeirão Preto. A Rede de Lojas Americanas não é segredo para ninguém que teve um rombo de milhões de reais e que ela já está falindo. Então o problema não é Franca, infelizmente são as lojas que quando passam a ganhar dinheiro, começam a abrir várias filiais em todo lugar e no fim acabam endividando demais, ficam insistindo e assim só vai acumulando mais dívidas e no fim tem que fechar várias filiais.
  • Tiago
    21/05/2024
    Show de burrice nos comentários. Cada um deveria ganhar um cargo de executivo em uma multinacional qualquer. Essas empresas não saem distribuindo lojas aleatórias pelo país para ver onde dá ou não dá certo não. Existe uma extensa pesquisa antes, de população ativa , hábitos , localização , salário médio, concorrentes, etc. Mas o mercado é dinâmico e muita coisa pode mudar de um momento para outro e a empresa pode tomar a decisão de fechar a loja por diversos motivos diferentes. provavelmente nenhum dos motivos reais foi citado nos comentários.
  • Malaika Fossy
    20/05/2024
    Os francanos são muito fieis as raízes. Quando chega uma grande loja seja ela de qual seguimento for é um pandemônio!! Depois passa a novidade e eles voltam as raízes. Deixam de comprar no Sam\"s e vão para o Toninho, prefere a Hidromar do que uma C&C e aí por diante. Não são os preços e sim as raízes, francano gosta de comprar de francano, são várias lojas na cidade com preço de São Paulo, mas se o dono for francano irá vender. Detalhe tem que ser francano raíz, senão também terá o mesmo destino das outras. Uma pena os cidadãos da cidade não querer variedade e sempre preferir o mesmo. Vida longa ao Savegnago!
  • Dirceu
    20/05/2024
    Franca é uma cidade rica com população pobre.... essas lojas com preços altos não sobrevive. A maioria das lojas citadas quebraram em todo o Brasil.. e é claro que iam ter que fechar aqui em Franca Tbem. A Matéria usa um tom que a \"CULPA\" é dos francanos... e na verdade não é... Se a loja não tem preços atrativos, ninguém vai lá comprar e ponto final. O Atacadão vive cheio... o Walmart, o makro, podia se correr nos corredores de tão vazios.... Simplesmente não foram bem aceitos pelo povo. Lojas vem e vão... alguns ficam.
  • Anonimo
    20/05/2024
    Muitas dessas lojas fecharam por motivos econômicos que não estão relacionados diretamente com a cidade. Contudo, como cidade, não temos o hábito de pagar um pouco mais por produtos/serviços de maior qualidade. Por exemplo, a Swift, que era localizada ao lado do Tonin na avenida Champagnat, encerrou suas atividades devido à falta de clientes, apesar de ser uma loja com excelente produtos. Acredito que o mesmo destino parece aguardar o OBA Hortifruti. Embora seja uma boa loja, com bons produtos bons (no inicio muito bons) acima da média das outras lojas do setor, já se observa uma diminuição na quantidade de clientes ativos. É tentador atribuir a responsabilidade aos empresários, ao governo em suas esferas municipal, estadual ou federal. Possivelmente, todos têm seu papel nessa caracteristica. Na realidade é uma característica está enraizada na cultura da cidade há muito tempo, e é provável que essa situação persista independentemente dos empresários ou governos que estejam no poder.
  • Robson
    20/05/2024
    FAZOÉLE O CHORO É LIVRE.
  • Joaquim José
    19/05/2024
    Será q o problema são das redes ou a população de Franca que não prestigia ?
  • José Roberto
    19/05/2024
    Uma prefeitura que remunera mal os servidores públicos, empresários que pagam pouco. As pessoas ficam sem dinheiro para consumir, pois ficam presas a financiamento de carro, casa e plano de saúde. Não sobra para gastar nas lojas que saem.
  • Fiel
    19/05/2024
    Resultado dos baixos salários dos trabalhadores Francanos.
  • Roberto Aparecido Costa
    19/05/2024
    A maioria das marcas que foram embora não tem nada haver com situação da cidade: Walmart ecerrou atvidades no Brasil, seu sucessor Grupo Big foi adquirido pelo Grupo Carrefour. O Makro tambem encerrou atividades no Brasil. A Americanas está mergulhada numa crise sem fim após descoberta de gigantesca fraude contábil. Outra observação é que foi o Carrefour que comprou o Atacadão e não o contrário como indica a reportagem.
  • Charles Nunes de aguiar
    19/05/2024
    Faltou conhecimento ao falar, de alguns aí, disse como se o problema fosse a cidade, sendo que, na maioria o problema está na rede que opera tais marcas, faltou uma multinacional que vcs esqueceram o dia supermercados, pra escrever procure e esclareça o pr
  • Paulo Silva
    19/05/2024
    A maioria dessas marcas fecharam pela crise... Carrefour não tem a mesma potência de décadas atrás... Tá convertendo tudo em atacadão ..americanas fecha uma loja por semana... Wal Mart desistiu do Brasil... A única rede que ainda capenga e Pão de Açúcar .. também convertendo suas lojas em Assaí... Atacarejo
  • Adalberto
    19/05/2024
    Quando cheguei em Franca em 91 fiquei maravilhado com a cidade. Consegui arrumar trabalho sem ter experiencia nenhuma em calçados no segundo dia em Franca estava trabalhando no Agabe. Foram mais de 15 anos trabalhando lá. E aos poucos as grandes empresas foram embora ou fecharam. O mais triste de tudo é que Franca não esta conseguindo se reerguer, criar novas industrias e oportunidades relevantes para o povo francano e de de outras regioes que veem em Franca um lugar que ainda é ou podera ser promissor. Fica aqui o meu desabafo....!!!
  • Junior
    19/05/2024
    Bom, muitas dessas empresas citadas, foi uma reestrutura no país inteiro, outras foi por causa da cidade mesmo e o Carrefour foi culpa deles mesmo, porque o jeito que aquele povo trabalhava era coisa de outro mundo, era de se perguntar como que isso vai para frente
  • Mauricio Fico
    19/05/2024
    aqui em franca a empresa que não tiver preço acessivel para o consumidor,não vai consequir se sobressair ,a proxima a ir embora é o samis que cobra uma taxa para a pessoa ser cliente,e la so pode comprar quem é cadastrado,futuro incerto.
  • Belchior De Melo Santos
    19/05/2024
    Má-gestão administrativa dos.lideres da cidade,a cidade tem grande potencial, mas perde indústrias para \"todas às cidades\" vizinhas,recentemente perdeu a fábrica da Heineken para a mineira Passos,e direto perde indústrias para Uberaba, Uberlândia é Ribeirão Preto!
  • Anonima
    19/05/2024
    Muitas deles a culpa é dos próprios eleitores , pois elegem deputados federais de Ribeirão Preto , São Paulo .... Deixando Franca as traças !!! Como um Deputado de fora de nossa cidade vai fazer algo por nós se tem as cidades deles p tomar conta ???? ENXERGA FRANCANO VAMOS VOTAR EM NOVOS CANDIDADOS P MELHORIAS EM NOSSAS CIDADES EM NAO A DELES ????????????????
  • Humberto marques
    19/05/2024
    Vcs Sao muito negativistas.sairam umas empresas entran outra.pq vcs nao fazem uma materia. Sobre osimoveis desocupados no Centro.onde os donos preferem deixar parado do que disminuir o aluguel.ganancia total.