POLÍTICA

Carlos Bolsonaro chama ação da PF de 'covardia extrema' e 'trauma desnecessário'

Ele mencionou tema durante discurso na Câmara do Rio de Janeiro durante entrega da medalha Pedro Ernesto, maior honraria do legislativo carioca, ao deputado Alexandre Ramagem

Por Italo Nogueira | 12/04/2024 | Tempo de leitura: 2 min
da Folhapress

Arquivo/Câmara do Rio de Janeiro

'Eu jamais pensei que fosse passar por um momento que eu passei. Uma covardia extrema', disse Carlos Bolsonaro
'Eu jamais pensei que fosse passar por um momento que eu passei. Uma covardia extrema', disse Carlos Bolsonaro

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O vereador Carlos Bolsonaro (PL) classificou nesta quinta-feira (11) como uma covardia e "trauma desnecessário" as investigações contra ele na Polícia Federal sobre a suposta "Abin paralela" montada na gestão de seu pai, o ex-presidente Jair Bolsonaro.

Carlos mencionou o tema durante discurso na Câmara Municipal do Rio de Janeiro durante entrega da medalha Pedro Ernesto, a maior honraria do legislativo carioca, ao deputado federal Alexandre Ramagem (PL) ex-diretor da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) e também investigado no caso.

"Eu jamais pensei que fosse passar por um momento que eu passei. Uma covardia extrema. Jamais pensei no Ramagem como presidente da Abin e então deputado federal fosse passar pelo que passou. Imagino o que passa na cabeça da Rebeca, sua esposa, e da sua família. Um trauma desnecessário, covarde", disse o vereador.

Ramagem e Carlos foram alvos de busca e apreensão em janeiro deste ano no âmbito de uma investigação que apura o uso ilegal contra opositores de Bolsonaro de softwares de monitoramento.

A PF encontrou um print de uma troca de mensagens em que Carlos pede informações a Ramagem, por meio de assessora, sobre investigações em andamento. O filho de Bolsonaro é apontado como integrante do núcleo político da organização criminosa, por ser destinatário de informações produzidas pela Abin durante a gestão de Ramagem. Como mostrou a Folha de S.Paulo, o pedido é de quando Ramagem já não estava mais na Abin.

Em seu discurso, Carlos afirmou que se distanciou do deputado quando ele assumiu a Abin. O objetivo, segundo ele, era evitar levantar suspeitas. "Gostaria de expor minha relação com Ramagem quando ele foi diretor da Abin, que foi nenhuma. Tive uma preocupação inicial de jamais demonstrar qualquer tipo de proximidade profissional", disse o vereador.

"Mas me doía muito ver um amigo meu, ao cruzar comigo no corredor, eu falar para ele: 'Ramagem, não fala comigo não, porque, senão, vão fazer maldade com a gente'. Isso sempre aconteceu e culminou com os senhores sabem com o quê."

O vereador também expôs a relação próxima que mantém com Ramagem, indicado por Bolsonaro como pré-candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro. "Falar do deputado Alexandre Ramagem para mim é um pouco complicado. É uma mistura de agradecimento, satisfação, covardia -não nossa, mas o que fazem com a gente-, carinho. Vou parar por aqui porque podem levar para outra conotação", disse ele.

Ramagem não tratou diretamente da investigação. Afirmou apenas que a esquerda tenta censurar e extinguir os movimentos de direita do país. O deputado elogiou Carlos Bolsonaro, a quem chamou de "amigo e irmão". "Fundamental a todo movimento de direita que ocorre no Brasil. Todo esse motor que deixa aqueles do estamento burocrático da esquerda apavorados com o movimento que se forma. Tentam nos censurar, tentam nos extinguir. Está na doutrina deles."

Fale com a Folha da Região! Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção? Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Receba as notícias mais relevantes de Araçatuba e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

  • jaques campos
    12/04/2024
    E muito cinismo da parte de um vereador das rachadinhas amigo de milicianos aos quais indica elogios como a concessão a este amigo e outros investigados por diferentes crimes.