ENCONTRO

Ovos de Páscoa e panetones em promoção dividem gôndolas

Tradicionalmente, ovos de Páscoa substituíam panetones nos mercados, mas neste ano os produtos natalinos e pascais se encontraram

Por Nathália Sousa | 23/02/2024 | Tempo de leitura: 3 min

Jornal de Jundiaí

Alguns mercados receberam ovos de Páscoa ainda em janeiro e agora, no pós-Carnaval, os produtos chegam nos demais estabelecimentos
Alguns mercados receberam ovos de Páscoa ainda em janeiro e agora, no pós-Carnaval, os produtos chegam nos demais estabelecimentos

Pelos mercados de Jundiaí, os produtos sazonais disputam o consumo supérfluo da população. Enquanto os panetones ainda estão nas gôndolas, muitos em promoção, já há a chegada das primas, colombas pascais, junto aos ovos de Páscoa. Neste ano, o domingo de Páscoa cai no dia 31 de março, mas já é tradicional para a indústria alimentícia que semanas antes os produtos típicos da época estejam à venda, bem como em semanas posteriores.

Neste ano, ainda em janeiro, os consumidores se depararam com os ovos de Páscoa nos supermercados. Muita gente até brincou que seria o encontro do Papai Noel com o Coelhinho, mas a estratégia pode ser positiva para o mercado de chocolate. De acordo com a Associação Paulista de Supermercados (Apas), é esperado crescimento de 4,5% nas vendas de ovos de chocolate neste ano, mesmo com os preços mais altos, pois o custo de produção do produto está 3,8% mais alto. No ano passado, ainda de acordo com a Apas, os produtos pascais estiveram 14,8% mais caros.

CHEGADA

De acordo com o encarregado de um mercado na Vila Hortolândia, Ari Alves, os panetones ainda ocupam espaço no estabelecimento. "Recebemos ovos de Páscoa, mas ainda não colocamos na loja. Estamos com panetone na promoção. Antes de colocar outro, temos que vender o produto que vence antes, senão tem uma canibalização. Ovos de Páscoa, colomba, panetone, tudo isso é supérfluo", conta ele, lembrando que, ao colocar o chocolate na loja agora, também há o risco de derreter.

Segundo Ari, nem sempre os ovos são a primeira opção na Páscoa. "Os preços fatalmente vão subir neste ano, porque tudo subiu. Mas, como não coloquei na loja, não tenho nem os preços dos ovos ainda. Durante essa época, o pessoal compra mais bombom, porque sai mais barato, mas quem compra ovo, quer boas marcas. Sempre tem quem compre, porque criança gosta", destaca.

Supervisor de um mercado no Centro, Guilherme da Silva conta que os ovos de chocolate chegaram recentemente ao estabelecimento. "Chegaram tem uma semana, mais ou menos, mas até agora não vi vender nenhum e as duas moças que ficam mais nos caixas também não passaram nenhum até agora. Antes de chegarem, também não teve ninguém perguntando. Recebo mais mercadoria dependendo do tanto que vendo, quanto mais eu vender, mais eles mandam."

Guilherme não atuava no mesmo mercado ano passado, mas conta que percebe preços similares. "Comparando com outros mercados, está na mesma faixa de preço. Ultimamente, os clientes têm consumido bastante chocolate. Sempre fazemos promoções também e o pessoal aproveita para comprar."

VARIAÇÕES

O JJ consultou preços de ovos de Páscoa em quatro grandes redes de supermercado de Jundiaí. Como ainda não há à venda todas as marcas em todos os estabelecimentos, foram consultados os preços de três produtos. A variação de preços chega a R$ 20, mostrando que a pesquisa do consumidor na hora de fazer a compra pode significar economia.

O ovo Tortuguita HeadPhone 100g tem variação de 25,3%, custando de R$ 79,79 a R$ 99,99 em diferentes estabelecimentos. Já o ovo Kinder Natoons 150g tem variação de 13,7%, com preços que variam de R$ 81,69 a R$ 92,90. O terceiro produto consultado foi o ovo Ferrero Rocher 225g, que varia 11,2%, custando de R$ 89,89 a R$ 99,99.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.