MAL ESTAR

'Um pouco leviano', diz prefeito sobre envio de moradores de rua

Gustavo Reis, de Jaguariúna, se irritou com denúncia e ‘falta de diálogo’ da prefeitura de Campinas que apontou o “envio” para a metrópole de pessoas em situação de rua.

Por Flávio Paradella | 08/05/2024 | Tempo de leitura: 3 min
Especial para a Sampi Campinas

Divulgação/Facebook Gustavo Reis

Prefeito de Jaguariúna acredita que Dário Saadi foi mal orientado.
Prefeito de Jaguariúna acredita que Dário Saadi foi mal orientado.

O prefeito de Jaguariúna e presidente do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Campinas, Gustavo Reis (MDB), negou a acusação da prefeitura de Campinas sobre o envio de pessoas em situação de rua daquela cidade para o município vizinho.  Em entrevista à Rádio CBN Campinas, o prefeito de Jaguariúna classificou o caso como “até um pouco leviano” por parte de Campinas.

O prefeito Gustavo Reis se mostrou incomodado com a acusação levantada pelo Governo Dário Saadi (Republicanos) e afirmou que um único suposto caso não pode ser levado como uma prática comum e reclamou da falta de comunicação entre cidades parceiras. “Nós não pagamos passagem. Nós não colocamos essa pessoa num veículo e deixamos essa pessoa em Campinas, então me parece até um pouco leviano colocar como uma prática comum (...) uma colocação na vala comum muito deselegante”, desabafou o prefeito.

A situação veio à tona após uma coletiva na Prefeitura de Campinas na última segunda-feira na qual a administração municipal anunciou que iria encaminhar ao Ministério Público para a apuração do procedimento de cidades que supostamente embarcam moradores de ruas para a metrópole. Entre os municípios apontados por Campinas em mandar pessoas em vulnerabilidade, está Jaguariúna.

A coletiva comandada pelo prefeito Dário Saadi apresentou depoimentos com moradores de rua que contam como chegaram à cidade. Um dos entrevistados, identificado como Diego, diz que foi enviado por Jaguariúna a Campinas. “Peguei uma passagem com uma assistente social de Jaguariúna. Só me deu uma passagem e me mandou para Campinas”, disse o homem em situação de rua.

“Eu não me sinto nem um pouco confortável. Não são casos reiterados. ‘Pegamos 10 casos de Jaguariúna’. Muito pelo contrário. Jaguariúna acolhe e ampliou o atendimento”, pontuou o prefeito.

Valinhos e Hortolândia também foram apontadas por Campinas como cidades que enviaram moradores de ruas e Gustavo Reis também é o presidente do Conselho da RMC, que reúne e debate políticas públicas em conjunto entre os 20 municípios metropolitanos.

Reis destacou que as cidades que compõem o grupo seguem um protocolo de atendimento às pessoas em situação de rua e que se houver um problema constatado, seria prudente travar um diálogo com as administrações para um “ajuste de rota” antes de expor a situação em público. “Me surpreende a gente ter um fato desse sem que a gente tenha tido antes um ajuste de rota, se fosse necessário, de algum tipo de abordagem”, lamentou o chefe do executivo de Jaguariúna.

Por fim, Gustavo Reis disse que a situação não estremece a boa relação política com o prefeito de Campinas, Dário Saadi. Reis acredita que Saadi foi mal orientado. “Eu tenho certeza de que o prefeito Dário Saadi não tem esse tipo de política. Agora, não sei se o secretário, responsável pelo tema, não entrou em contato para poder levantar e averiguar esse caso”. A responsável pela pasta de Desenvolvimento e Assistência Social é Vandecleya Moro.

Batizada de Operação Retorno, a iniciativa, de acordo com a gestão de Dário Saadi, abrange duas linhas de ação: responsabilizar prefeituras que remetem, de modo injustificado, pessoas em situação de rua de outras cidades para Campinas, e intensificar os esforços para restabelecer os laços entre pessoas em situação de rua e seus familiares.

Sobre os questionamentos de Jaguariúna e outras cidades, a Prefeitura de Campinas afirmou vai se manifestar apenas em âmbito jurídico.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.