PREVENTIVA

Bauru: preso suspeito de enganar indústrias farmacêuticas

Por meio de ONG, segundo denúncia do MP, grupo do qual fazia parte o empresário pedia doações de medicamentos ou descontos e alterava embalagens dos produtos para posterior venda

Por Lilian Grasiela | 16/05/2024 | Tempo de leitura: 2 min
da Redação

Larissa Bastos

Empresário foi preso por policiais civis do Grupo de Operações Especiais (GOE) da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic) de Bauru
Empresário foi preso por policiais civis do Grupo de Operações Especiais (GOE) da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic) de Bauru

Empresário de Bauru suspeito de integrar grupo que supostamente criou uma ONG para enganar indústrias farmacêuticas, revendendo os medicamentos doados ou comercializados com desconto pelas empresas após a adulteração das embalagens, foi preso preventivamente nesta quinta-feira (16), em um residencial em Piratininga, por policiais civis do Grupo de Operações Especiais (GOE) da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic) de Bauru.

De acordo com os autos, a prisão de Walace Iachel Marques foi pedida pelo Ministério Público (MP) nos autos de uma ação penal pelo crime de organização criminosa, após ele não ter sido encontrado em seu endereço durante seis meses por oficiais de Justiça que tentavam citá-lo.

Investigações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) revelaram que, junto com outras pessoas, o réu teria criado ONG em 2006 e, por meio dela, convencido indústrias farmacêuticas a doarem ou comercializarem os medicamentos com desconto.

A ONG alegava que os produtos teriam destinação social, ou seja, seriam doados ou distribuídos a órgãos públicos. Posteriormente, contudo, ainda segundo os autos, o grupo enviava os medicamentos a empresas que faziam supressão da inscrição "venda proibida ao comércio".

Em seguida, conforme os autos, esses remédios com embalagens adulteradas eram comercializados com uma elevada margem de lucro. O empresário e outras três pessoas foram denunciados pelo MP por organização criminosa e viraram réus. O processo ainda não foi julgado.

Após o cumprimento do mandado de prisão preventiva, Marques foi encaminhado a uma unidade prisional para aguardar a apresentação na audiência de custódia.

O advogado dele, Luiz Fernando Piccirilli, informou que seu cliente sempre colaborou com a Justiça e compareceu a todos os atos processuais e audiências, não oferecendo qualquer resistência à aplicação da lei penal.

Segundo ele, o empresário foi diagnosticado em 2018 com a "Doença de Huntington", enfermidade que afeta o funcionamento do cérebro, causando a deterioração progressiva das células nervosas, e faz uso de dez medicamentos por dia, necessitando de cuidados especiais. "A prisão é um risco iminente de morte pelo tratamento que ele faz", declarou, justificando uma suposta falta de estrutura do sistema prisional.

O advogado, que teve um habeas corpus (HC) negado pelo Tribunal de Justiça (TJ) após a decretação da prisão de seu cliente, disse que aguarda o julgamento de recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e que, com a prisão dele, ingressará com um novo pedido de HC.

Receba as notícias mais relevantes de Bauru e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.