PESQUISA

Quaest: Tarcísio e Zema têm avaliação positiva de 41% em SP e MG e superam Lula

O chefe do Executivo paulista tem, ainda, 35% de opiniões regulares e 16% de negativas, além de 8% que não sabem ou não quiseram responder

Por Matheus Tupina | 11/04/2024 | Tempo de leitura: 2 min
da Folhapress

Arquivo/Agência Brasil

Governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, é apoiador do ex-presidente Jair Bolsonaro
Governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, é apoiador do ex-presidente Jair Bolsonaro

Os governos de Tarcísio de Freitas (Republicanos), em São Paulo, e Romeu Zema (Novo), em Minas Gerais, possuem 41% de avaliação positiva em seus estados, segundo pesquisa Quaest divulgada nesta quinta-feira (11). O chefe do Executivo paulista tem, ainda, 35% de opiniões regulares e 16% de negativas, além de 8% que não sabem ou não quiseram responder. Já o mineiro registra 34% de avaliação regular e 18% de negativas, além de 7% que não sabiam ou não responderam.

A empresa de consultoria e pesquisa entrevistou presencialmente 1.656 eleitores com 16 anos ou mais em São Paulo e 1.506 em Minas dos dias da última quinta (4) até o domingo (7). As margens de erro são de 2,4 e 2,5 pontos percentuais, para mais ou para menos, para os paulistas e mineiros, respectivamente.

Segundo o levantamento, a situação do governo Lula (PT) perante a opinião pública é mais delicada que a dos governadores. Em São Paulo, o petista possui 32% de avaliação positiva, ante 37% de considerações negativas e 29% de regulares. Não opinaram 2%.

Entre os mineiros, são 34% os com opiniões positivas sobre a administração petista, contra 35% dos com avaliação negativa, e 30% entre os regulares. Não souberam ou não quiseram opinar 1%.

Os números são parecidos dos auferidos nacionalmente pela empresa de consultoria e pesquisa na avaliação do presidente, feita em março. À época, Lula possuía no país 35% de opiniões positivas, além de 34% entre os com considerações negativas, 28% entre os regulares e 3% que não opinaram.

Tarcísio e Zema são cogitados como possíveis presidenciáveis do campo da direita em 2026, já que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) está inelegível por decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Os dois governadores são apoiadores do ex-mandatário e estiveram com ele em manifestação na avenida Paulista, em fevereiro.

A pesquisa da Quaest ainda pediu aos eleitores uma avaliação de algumas áreas de atuação dos governos estaduais. Disseram ter opinião positiva sobre a atuação do governo em infraestrutura e mobilidade 49% dos paulistas, além de 42% na educação.

Os temas com maior avaliação negativa entre os entrevistados de São Paulo são saúde, com 32%, e segurança pública, registrando 31%.

Já os mineiros avaliam positivamente a educação no governo Zema, com 51%, seguida por segurança pública e geração de emprego e renda, ambos com 43%. Os mais mal avaliados são transporte público e infraestrutura e mobilidade, os dois com 29% de opiniões negativas.

O levantamento da Quaest é financiado pela corretora de investimentos digital Genial Investimentos, controlada pelo banco Genial.

Fale com a Folha da Região! Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção? Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Receba as notícias mais relevantes de Araçatuba e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

  • Dalva Pereyra
    11/04/2024
    O eleitorado Paulista gosta de políticos que se mostram incisivos nas suas ações contra a marginalidade que os próprios governos produzem, dinheiro no fim do túnel, daí que cada vez mais a marginalidade cresce e mais incisivos os governantes precisam ser para agradar os seus eleitorados. Prato cheio para a direita que cada vez mais conquista adeptos para as suas fileiras ideológicas. E tudo bem, quando essa direita é democrática, legítimo esse entendimento, o problema se esconde é atrás da radicalização extremista oportunista que marcha para o fascismo golpista.