AGRESSÃO

PM que agrediu mulher no Metrô disse que ela tinha de apanhar como homem, diz advogada

A vítima é uma mulher lésbica e carregava uma bandeira do movimento LGBTQIA+. Ela está abalada e em pânico após a agressão, segundo a advogada.

Por Francisco Lima Neto | 08/04/2024 | Tempo de leitura: 2 min
da Folhapress

Mulher de 26 anos que foi agredida por um policial militar
Mulher de 26 anos que foi agredida por um policial militar

A mulher de 26 anos que foi agredida por um policial militar com um tapa no rosto na estação da Luz do Metrô de São Paulo, no sábado (6), disse, segundo a advogada Ana Marques, que o policial proferiu ofensas homofóbicas durante a agressão.

A vítima é uma mulher lésbica e carregava uma bandeira do movimento LGBTQIA+. Ela está abalada e em pânico após a agressão, segundo a advogada.

De acordo com o relato da vítima no boletim de ocorrência, ela estava sentada na plataforma da estação quando o policial se aproximou, a puxou pelo colarinho da camisa e deu um tapa na cabeça, três tapas no rosto e um pontapé na costela. Depois disso, o policial embarcou no trem sem que pudesse ser identificado. No registro ainda consta que em nenhum momento ela ofendeu ou discutiu com o policial.

"Ela estava sentada na plataforma do metrô balançando as pernas no espaço onde passa o metrô. Ele a puxou de maneira truculenta e disse para ela que se é homem tem que apanhar igual homem. Foi truculento e a chamou de sapatão. Tudo leva a acreditar que foi um caso de homofobia", afirma Marques.

A jovem, de acordo com a defesa, sabe que estava sentada em um local não permitido, mas isso não justifica a agressão.

"Ela não tinha motivo para estar sentada lá. Ela diz que reconhece o erro e o risco que estava correndo. Mas não justifica a forma que ela foi arrastada e agredida. É uma reação inaceitável. Ele poderia ter corrigido de outra forma. É uma coisa muito assustadora e incondizente a postura dele", reforça a advogada.

As supostas ofensas homofóbicas que teriam sido feitas pelo policial militar não foram relatadas no registro da ocorrência.

"Na hora do nervoso ela acabou não falando, mas tem as testemunhas. Nós vamos corrigir isso na representação criminal", destacou.

A vítima passou por exames no IML (Instituto Médico Legal) durante a tarde desta segunda-feira, e o resultado deve ficar pronto em dez dias.

No final desta tarde, vítima a advogada estavam a caminho da Coordenadoria da Diversidade Sexual do Estado de São Paulo para formalizar a denúncia. Posteriormente, a representação criminal será feita na Delegacia do Bom Retiro, quando sair o resultado do laudo do IML.

A Secretaria da Segurança Pública afirmou, por meio de nota, lamentar o ocorrido e que o policial envolvido na ocorrência foi identificado e afastado. "A Polícia Militar instaurou um Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar as circunstâncias dos fatos", diz trecho da nota.

A pasta ainda destaca que "a conduta apresentada não condiz com as diretrizes das forças de segurança paulistas."

A divulgação do vídeo nas redes sociais causou reações. O coordenador da Diversidade, da Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo, Rafael Calumby, informou que vai abrir um processo para apurar a prática de discriminação por orientação sexual.

Fale com a Folha da Região! Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção? Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Receba as notícias mais relevantes de Araçatuba e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.