ECONOMIA

Fabricante de celulares, Xiaomi lança carro elétrico e vê corrida a lojas na China

Sedã SU7 foi apresentado há pouco mais de uma semana em sua loja no shopping Hopson One

Por Nelson de Sá | 07/04/2024 | Tempo de leitura: 4 min
da Folhapress

Divulgação/Xiaomi

Sedã SU7 já virou febre entre os jovens profissionais chineses
Sedã SU7 já virou febre entre os jovens profissionais chineses

 Dois jovens profissionais chineses, ouvidos sobre fazer uma escolha entre Huawei e Xiaomi, em smartphones e agora carros elétricos, não relutaram. Huawei é para os mais velhos, Xiaomi é para eles. O motivo não está só nos preços relativamente baixos para a alta tecnologia oferecida, uma característica da empresa, mas no design e até na ausência do peso nacionalista. A Huawei é mais avançada e venceu o cerco americano, que tentou sufocá-la proibindo acesso a chips e até sistema operacional.

Mas tanto patriotismo é também uma carga para a marca, diz um dos entrevistados, que prefere não ter o nome citado. Já a Xiaomi é leve como a aparência de seu sedã SU7. Apresentado há pouco mais de uma semana em sua loja no shopping Hopson One, que nem é dos mais luxuosos de Pequim, ele virou febre.

No primeiro dia, das 15 hashtags mais populares na rede social Weibo, sete eram ligadas à marca. Também no primeiro dia, o SU7 passou das 90 mil encomendas, quando a fábrica em Yizhuang - área voltada para indústria de alta tecnologia, no sul de Pequim -- só estava preparada para produzir 5.000 por mês. Agora ela corre para alcançar 10 mil mensais, em resposta à demanda.

O analista e consultor Yilun Zhang, voltado ao setor de carros elétricos, acompanhou a corrida às lojas e observa que "concorrentes vizinhos como o Aito M7, da Huawei, atraíram só uma fração da multidão da Xiaomi, destacando a diferença gritante na atração do consumidor".

Uma mídia que cobre o setor, CarFans China, levantou o perfil dos visitantes nos primeiros dias de exposição do novo carro, até o fim de semana passado: 70% eram homens de 25 a 35 anos.

Essa faixa, avaliou, é influenciada por informação online e foi atraída pela reputação da marca e pela "influência de Lei Jun", cofundador e CEO da Xiaomi. Foi quem anunciou que faria o carro, há perto de três anos, e agora o apresentou, dizendo que é "tão difícil, tão difícil, que até a Apple desistiu", referindo-se ao recente abandono do projeto de veículo elétrico.

Na quarta-feira (3), ele mesmo teria aberto a porta dos primeiros a serem entregues, para os compradores entrarem. Ativo também em marketing via Weibo, anunciou que, ao mesmo tempo, começavam as entregas em 28 cidades por toda a China.

Com a confirmação das encomendas já em cerca de um terço, segundo Yilun, "administrar sua cadeia de suprimentos e produção, para garantir que os veículos sejam entregues no prazo e com qualidade, é o próximo desafio para Lei".

A corrida às lojas teve efeitos curiosos, como o carro que completou seus 800 quilômetros de alcance num único dia, só com "test drive". E outros que viraram manchete, como o salto de 16% nas ações da Xiaomi na Bolsa de Hong Kong na terça (2), ao retornar às operações pós-lançamento, fechando o dia com alta de 9%.

O preço inicial, de apenas 215,9 mil yuans (US$ 30,4 mil ou R$ 154,2 mil), também reativou a guerra de preços no mercado chinês de carros elétricos.

O Huawei Changan Avatr 12 cortou 35 mil yuans no dia seguinte ao lançamento, para 265,8 mil yuans. O Zeekr 007, da Geely, cortou 20 mil yuans, para 209,9 mil yuans.

O preço escolhido significa perdas, avisou Lei publicamente, creditando a redução à necessidade de se adaptar à forte concorrência no mercado chinês. Por outro lado, o lucro da empresa no ano passado, com a atenção para os smartphones mais caros, saltou quase sete vezes em relação a 2022.

Para Yilun, o lançamento bem-sucedido do Xiaomi SU7 mostra "como é importante o reconhecimento de marca na China". No caso, a Xiaomi carrega essa vantagem para outros mercados pelo mundo, inclusive eventualmente o Brasil.

Com sede em Pequim, a Xiaomi foi criada em abril de 2010 por Lei Jun, que é formado em ciência da computação na Universidade de Wuhan e que já havia comandado a empresa de software Kingsoft.

Além de ser uma das maiores fabricantes de smartphone no mundo, a Xiaomi produz de panelas de cozinhar arroz a máquinas de lavar roupa, patinetes elétricos e fones de ouvido.

Os produtos, a começar do smartphone, são integrados digitalmente, o que se estende agora ao carro elétrico SU7. A receita total da empresa em 2023 alcançou 271 bilhões de yuans (US$ 37,4 bilhões ou R$ 190 bilhões).

Fale com a Folha da Região! Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção? Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Receba as notícias mais relevantes de Araçatuba e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.