MINISTRO

Quem chama STF de ativista quer instrumentalizar corte, diz Dino

Flávio Dino disse que a corte não tem o objetivo de interferir na política e que alguns dos que dizem que ela é ativista querem 'instrumentalizar o STF para os seus propósitos'.

Por José Marques | 26/02/2024 | Tempo de leitura: 1 min
da Folhapress

Valter Campanato /Agência Brasil

Flávio Dino, Recém-empossado como ministro do Supremo Tribunal Federal
Flávio Dino, Recém-empossado como ministro do Supremo Tribunal Federal

Recém-empossado como ministro do Supremo Tribunal Federal, Flávio Dino disse nesta segunda-feira (26) que a corte não tem o objetivo de interferir na política e que alguns dos que dizem que ela é ativista querem "instrumentalizar o STF para os seus propósitos".

"Se o Supremo Tribunal Federal ou qualquer tribunal for instrumentalizado por uma posição política, qualquer que seja ela, ele perdeu o sentido de existir", afirmou o ministro.

A fala de Dino foi feita em evento para calouros do IDP (Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa), que tem o ministro do Supremo Gilmar Mendes como sócio.

O ministro ainda disse que se o Supremo não fosse tão demandado para resolver questões relacionadas aos Poderes seria um sinal da sua "irrelevância".

A fala de Dino foi feita em meio a uma crise, desde o ano passado, entre o Supremo e o Congresso. Parlamentares de oposição têm criticado o STF e dito que o tribunal é ativista e invade a competência dos outros Poderes.

Dino, que era o ministro de Justiça e Segurança Pública do governo Lula (PT), tomou pose no STF na última quinta-feira (22), ocupando a vaga da ministra aposentada Rosa Weber.

Dino é o segundo indicado por Lula no atual mandato do presidente. O primeiro foi Cristiano Zanin, que foi o advogado do petista em ações da Operação Lava Jato.

O novo magistrado é o primeiro ministro da corte, dentre os indicados desde 1985, a ter sido eleito para cargo do Executivo antes de compor o tribunal. Incluindo o Legislativo no recorte, após um hiato de pouco mais de 25 anos, Dino é o quinto indicado desde a redemocratização a ter passado por cargo eletivo.

Ao ser aprovado no Senado para a corte, em dezembro passado, Dino recebeu 47 votos a favor e 31 contra -com duas abstenções.

Fale com a Folha da Região! Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção? Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Receba as notícias mais relevantes de Araçatuba e região direto no seu WhatsApp
Participe da Comunidade

2 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

  • Tati
    27/02/2024
    Pra Bolsonaristas, se uma lei atrapalha os planos deles, acabem com a lei! É o conhecido por “passa boi, passa boiada”...
  • Tati
    27/02/2024
    É só ler a vida e filosofia do Bozo... se tem lei que me impeça de fazer algo, derruba a lei! É assim, a “terra“ passa não ter sono!