PROCURADO

PROCURADO

Foragido, tutor do bull que atacou Fox acumula denúncias de violência e ameaça

Foragido, tutor do bull que atacou Fox acumula denúncias de violência e ameaça

Umberto Vieira Ghilarducci é procurado pela polícia desde 27 de outubro, pelo ataque do seu cachorro bull terrier que provocou a morte de Fox

Umberto Vieira Ghilarducci é procurado pela polícia desde 27 de outubro, pelo ataque do seu cachorro bull terrier que provocou a morte de Fox

Por Xandu Alves | 10/11/2023 | Tempo de leitura: 3 min
São José dos Campos

Por Xandu Alves
São José dos Campos

10/11/2023 - Tempo de leitura: 3 min

Reprodução

Fotos de Umberto Vieira Ghilarducci, procurado pela polícia pela morte do cão Fox

Tutor do cachorro da raça bull terrier que atacou o spitz alemão Fox em São José dos Campos, em 9 de outubro, provocando a morte do cãozinho, Umberto Vieira Ghilarducci, 43 anos, tem uma longa ficha criminal com denúncias de ameaça, violência e perseguição a mulheres.

Faça parte do canal de OVALE no WhatsApp e receba as principais notícias da região! Acesse: https://whatsapp.com/channel/0029VaDQJAL4tRs1UpjkOI1l

De acordo com dossiê obtido por OVALE, Umberto foi condenado em dois processos judiciais pelos crimes de ameaça e prática de crime continuado (artigos 147 e 71 do Código Penal), ambos em São José dos Campos em 2013 e 2015. Num deles, o autor foi condenado a prestar serviços à comunidade

Há ainda ao menos cinco boletins de ocorrências registrados contra Umberto em delegacias de São José, como a DDM (Delegacia de Defesa da Mulher).

INQUÉRITOS

Três desses registros referem-se ao caso do Fox, cão que morreu no dia 25 de outubro em decorrência das graves lesões causadas pelo ataque do bull terrier, instigado pelo tutor. A justiça expediu um mandado de prisão contra Umberto em 27 de outubro. Ele segue foragido.

Umberto tem dois inquéritos por ameaça e perseguição a mulheres abertos em São José, ambos bastante semelhantes

No primeiro deles, de dezembro de 2012, ele é acusado de perseguir uma ex-namorada com quem havia morado junto por um ano e quatro meses.

“Autor não aceitou a separação e, desde o rompimento, vive constrangendo a vítima. Vez ou outra vigiava [a ex-namorada] na saída de casa ou do trabalho, ligava constantemente para a vítima, mandava mensagens intimidadoras, talvez com a esperança de reatarem o relacionamento”, diz trecho da denúncia.

A ex-namorada disse à polícia que temia por sua vida: “Há cerca de um mês [ela] começou a namorar com outra pessoa, e Umberto tomou conhecimento do fato. Desde então vem expondo mais seu sentimento doentio e demonstrado sua obsessão, praticando atos que têm deixado a vítima muito receosa. Hoje [a ex-namorada] está receosa, temendo por sua vida e integridade, e não sabe do que Umberto é capaz”.

Ainda segundo a denúncia, Umberto mandava mensagens agressivas e intimidadoras, com muitos palavrões, para a ex-namorada, o namorado dela e amigas da mulher.

'VOU MATAR VOCÊS DOIS'

Em trechos de mensagens obtidas pela polícia, ele escreveu para a ex-namorada: “Vou matar vocês dois” e “Você me fez de palhaço e isso eu nunca vou esquecer, aproveite o seu tempo que está curto”.

Em outro caso de julho de 2022, Umberto também é investigado por perseguição, violência doméstica, ameaça, violência psicológica contra a mulher e furto.

A vítima relatou que viveu com Umberto por mais de sete anos e foi ameaçada por ele em razão de uma questão de saúde. Durante uma briga, ele teria ameaçado a ex-mulher com uma faca.

“A vítima informa que saiu de casa depois da briga e que o autor fica até hoje a procurando, mandando mensagens, falando que sabe onde a vítima trabalha e vai atrás dela”, diz trecho do boletim de ocorrência.

Umberto também é alvo de um inquérito por omissão cautela na guarda ou condução de animais e de crueldade contra animais em denúncia das tutoras do Fox, que evoluiu para o mandado de prisão contra o tutor do bull terrier.

Outros dois boletins de ocorrência foram registrados contra ele pelas tutoras do Fox, um de ameaça e coação no curso do processo e outro de injúria.

“O cãozinho Fox foi atacado nos limites da própria residência pelo cão do investigado, que estava sem focinheira, conduta que, segundos informes, era corriqueira. Há relatos de fatos semelhantes pretéritos envolvendo o investigado, de que ele está intimidando as tutoras do cão e outras testemunhas e de que está se esquivando da polícia”, diz trecho do mandado de prisão contra Umberto.

No momento, a Polícia Civil de São José dos Campos empreende uma ‘caçada’ para encontrar Umberto, que segue foragido. O bull terrier também não foi encontrado. O cachorro será apreendido e passará por uma avaliação.

Leia mais:

Quase um mês após ataque a Fox, tutora diz que vai 'dar um tempo' e ‘processar o luto’

Se achado, Bull terrier que atacou Fox passará por análise e pode ser retirado do tutor

Milhares de pessoas participam de passeata pelo Fox em dez estados brasileiros

Tutor do cachorro da raça bull terrier que atacou o spitz alemão Fox em São José dos Campos, em 9 de outubro, provocando a morte do cãozinho, Umberto Vieira Ghilarducci, 43 anos, tem uma longa ficha criminal com denúncias de ameaça, violência e perseguição a mulheres.

Faça parte do canal de OVALE no WhatsApp e receba as principais notícias da região! Acesse: https://whatsapp.com/channel/0029VaDQJAL4tRs1UpjkOI1l

De acordo com dossiê obtido por OVALE, Umberto foi condenado em dois processos judiciais pelos crimes de ameaça e prática de crime continuado (artigos 147 e 71 do Código Penal), ambos em São José dos Campos em 2013 e 2015. Num deles, o autor foi condenado a prestar serviços à comunidade

Há ainda ao menos cinco boletins de ocorrências registrados contra Umberto em delegacias de São José, como a DDM (Delegacia de Defesa da Mulher).

INQUÉRITOS

Três desses registros referem-se ao caso do Fox, cão que morreu no dia 25 de outubro em decorrência das graves lesões causadas pelo ataque do bull terrier, instigado pelo tutor. A justiça expediu um mandado de prisão contra Umberto em 27 de outubro. Ele segue foragido.

Umberto tem dois inquéritos por ameaça e perseguição a mulheres abertos em São José, ambos bastante semelhantes

No primeiro deles, de dezembro de 2012, ele é acusado de perseguir uma ex-namorada com quem havia morado junto por um ano e quatro meses.

“Autor não aceitou a separação e, desde o rompimento, vive constrangendo a vítima. Vez ou outra vigiava [a ex-namorada] na saída de casa ou do trabalho, ligava constantemente para a vítima, mandava mensagens intimidadoras, talvez com a esperança de reatarem o relacionamento”, diz trecho da denúncia.

A ex-namorada disse à polícia que temia por sua vida: “Há cerca de um mês [ela] começou a namorar com outra pessoa, e Umberto tomou conhecimento do fato. Desde então vem expondo mais seu sentimento doentio e demonstrado sua obsessão, praticando atos que têm deixado a vítima muito receosa. Hoje [a ex-namorada] está receosa, temendo por sua vida e integridade, e não sabe do que Umberto é capaz”.

Ainda segundo a denúncia, Umberto mandava mensagens agressivas e intimidadoras, com muitos palavrões, para a ex-namorada, o namorado dela e amigas da mulher.

'VOU MATAR VOCÊS DOIS'

Em trechos de mensagens obtidas pela polícia, ele escreveu para a ex-namorada: “Vou matar vocês dois” e “Você me fez de palhaço e isso eu nunca vou esquecer, aproveite o seu tempo que está curto”.

Em outro caso de julho de 2022, Umberto também é investigado por perseguição, violência doméstica, ameaça, violência psicológica contra a mulher e furto.

A vítima relatou que viveu com Umberto por mais de sete anos e foi ameaçada por ele em razão de uma questão de saúde. Durante uma briga, ele teria ameaçado a ex-mulher com uma faca.

“A vítima informa que saiu de casa depois da briga e que o autor fica até hoje a procurando, mandando mensagens, falando que sabe onde a vítima trabalha e vai atrás dela”, diz trecho do boletim de ocorrência.

Umberto também é alvo de um inquérito por omissão cautela na guarda ou condução de animais e de crueldade contra animais em denúncia das tutoras do Fox, que evoluiu para o mandado de prisão contra o tutor do bull terrier.

Outros dois boletins de ocorrência foram registrados contra ele pelas tutoras do Fox, um de ameaça e coação no curso do processo e outro de injúria.

“O cãozinho Fox foi atacado nos limites da própria residência pelo cão do investigado, que estava sem focinheira, conduta que, segundos informes, era corriqueira. Há relatos de fatos semelhantes pretéritos envolvendo o investigado, de que ele está intimidando as tutoras do cão e outras testemunhas e de que está se esquivando da polícia”, diz trecho do mandado de prisão contra Umberto.

No momento, a Polícia Civil de São José dos Campos empreende uma ‘caçada’ para encontrar Umberto, que segue foragido. O bull terrier também não foi encontrado. O cachorro será apreendido e passará por uma avaliação.

Leia mais:

Quase um mês após ataque a Fox, tutora diz que vai 'dar um tempo' e ‘processar o luto’

Se achado, Bull terrier que atacou Fox passará por análise e pode ser retirado do tutor

Milhares de pessoas participam de passeata pelo Fox em dez estados brasileiros

Faça parte do canal de OVALE no WhatsApp e receba as principais notícias da região!

Participe da Comunidade

Faça parte do canal de OVALE no WhatsApp e receba as principais notícias da região!

Participe da Comunidade

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.