CINEMA

Atriz de O Iluminado, Shelley Duvall morre aos 75 anos

Por | da Redação
| Tempo de leitura: 2 min
Reprodução
Com seus grandes olhos castanhos e carisma excêntrico, Duvall era uma presença notável.
Com seus grandes olhos castanhos e carisma excêntrico, Duvall era uma presença notável.

A atriz norte-americana Shelley Duvall, conhecida por filmes como O Iluminado, Annie Hall e Nashville, morreu aos 75 anos nesta quinta-feira (11), no Texas (EUA). Seu parceiro Dan Gilroy confirmou a notícia ao The Hollywood Reporter. Ela morreu enquanto dormia, de complicações de diabetes.

Leia também: Morre Ellen Holly, que abriu portas para atrizes negras na TV americana, aos 92 anos

Outros trabalhos de Duvall incluem os filmes o Três Mulheres, de 1977,  dirigido por Robert Altman, pelo qual ganhou o prêmio de melhor atriz no Festival de Cinema de Cannes e foi indicada ao Bafta. Em 1980, ela estrelou como Olive Oyl ao lado de Robin Williams na versão musical de Popeye de Altman.

A atriz caiu em desgraça em Hollywood e ficou fora das telas por duas décadas, antes de retornar em The Forest Hills, de 2023.

Com seus grandes olhos castanhos e carisma excêntrico, Duvall era uma presença notável.

O Iluminado afetou Duvall

Seu papel mais conhecido e, provavelmente, mais desafiador, foi Wendy, a esposa do zelador de Jack Nicholson no terror de Stanley Kubrick de 1980, O Iluminado. “Tive que chorar 12 horas por dia, o dia todo, nos últimos nove meses seguidos, cinco ou seis dias por semana”, lembrou ela em certa entrevista.

Seus papéis diminuíram nos anos 1990, até que saiu de cena em 2002. O New York Times atribuiu seu desaparecimento ao impacto de um terremoto de 1994 que destruiu sua casa em Los Angeles e ao câncer de seu irmão.

Ao abordar sua ausência prolongada das telas, ela disse àquele jornal que foi vítima de uma indústria cinematográfica inconstante.  As preocupações com sua saúde aumentaram quando falou no talk show de TV Dr. Phil em 2016: "Estou muito doente. Preciso de ajuda".

Ela também relatou ter recebido mensagens de um Robin Williams “que muda de forma” após sua morte, e falou sobre forças malévolas que pretendiam prejudicá-la, disse o jornal. Sobre esse período, seu companheiro disse ao New York Times que ela havia se tornado "paranóica e meio delirante".

Comentários

Comentários