POLÍTICA

Lula faz acenos a evangélicos e motoristas de aplicativos para reagir a ato bolsonarista

Discutida em reuniões nesta semana, a estratégia solidificou-se após manifestação de domingo (25) em apoio ao ex-presidente

Por Catia Seabra e Tiago Resende | 28/02/2024 | Tempo de leitura: 3 min
da Folhapress

Aequivo/Agência Brasil

O próprio Lula reconheceu a magnitude do ato pró-Bolsonaro, ocorrido na Avenida Paulista
O próprio Lula reconheceu a magnitude do ato pró-Bolsonaro, ocorrido na Avenida Paulista

O governo Lula (PT) acena a evangélicos e trabalhadores em aplicativo na tentativa de desidratar o eleitorado bolsonarista ou, ao menos, deter seu avanço. Discutida em reuniões nesta semana, a estratégia solidificou-se após manifestação de domingo (25) em apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), segundo admitem aliados do presidente.

O próprio Lula reconheceu a magnitude do ato pró-Bolsonaro, ocorrido na Avenida Paulista e convocado após revelação de manifestações de teor golpista durante reunião ministerial conduzida por Bolsonaro em julho de 2022. Segundo aliados, o ato acabou por reforçar a necessidade de medidas voltadas para esse eleitorado. Ações em debate desde o ano passado ganharão forma em março.

Na segunda-feira (4), por exemplo, será anunciado projeto para instituição de remuneração por hora trabalhada a motoristas de aplicativos. Fruto de um acordo com as plataformas, a proposta inclui também contribuição previdenciária para esses trabalhadores.

Ainda este mês deverá ser aprovada a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que garante imunidade tributária a igrejas e templos religiosos. A expectativa é que seja promulgada pelo presidente na Semana Santa. Integrantes da bancada evangélica veem essa medida como uma grande oportunidade para o governo aparar as arestas com o segmento.

A expectativa é que, com essa PEC, o governo abrirá mão de cerca de R$ 1 bilhão por ano, o que, segundo parlamentares, já seria reduzido nos próximos anos quando a reforma tributária entrar em vigor. Os benefícios para os templos serão concedidos até em material de construção e compra de automóveis.

Porém, a PEC não resolve um impasse sobre contribuição previdenciária das igrejas. Por isso, o governo espera que, em março, seja concluída a elaboração de um parecer jurídico que permitirá a ampliação de benefícios fiscais a denominações religiosas para isenção de contribuição previdenciária.

Esses benefícios chegaram a ser suspensos pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), no ano passado. Autor da PEC, o ex-prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) afirma que a suspensão foi motivada por uma iniciativa do MP de Contas. "Portanto, não houve intenção do governo de restringir direitos de templos religiosos", disse. "Quanto à PEC 5, fizemos no ano passado inúmeras reuniões com a Casa Civil até chegarmos a um texto de entendimento".

A proposta foi aprovada na, terça-feira (27), pela Comissão Especial e agora segue para o plenário. "Acredito que o governo compreende que Igreja forte é crime fraco. E fortalecer todas as igrejas é garantir a imunidade tributária", afirmou. "A PEC é para todas as denominações religiosas. Com certeza se o governo apoiar , como tem apoiado, vai mostrar o apreço que tem a eles", acrescentou Crivella, que é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus.

Também em resposta ao ato de domingo, emissários do governo federal afirmaram a parlamentares da Câmara dos Deputados que aqueles que assinaram pedido de impeachment contra o presidente Lula por ele ter comparado as mortes na Faixa de Gaza ao Holocausto irão sofrer consequências do Executivo.

Auxiliares de Lula passaram a segunda (26) tentando desviar o foco do ato bolsonarista, mas reconheceram que o ex-presidente conseguiu reunir aliados políticos de peso. Em um gesto aos militares, Lula evitou fazer críticas mais contundentes à atuação das Forças Armadas no país e disse que prefere não ficar remoendo as consequências do golpe de 1964 porque isso "faz parte do passado" e quer "tocar o país para frente".

Durante entrevista à RedeTV!, ele disse ainda que em nenhum outro momento da história os integrantes das Forças foram tão punidos, como estão sendo atualmente, pelo envolvimento em tramas golpistas de 2022 e por participação nos ataques de 8 de janeiro de 2023.

3 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.

  • Rubens Festraits
    29/02/2024
    O ato do dia 25 foi, sim, democrático, sem vandalismos, acumulo de lixo e agressões. Ao fim cada presente à manifestação dirigiu-se pacificamente à sua casa. Ela, a manifestação, serviu de exemplo aos baderneiros esquerdistas que depredam vitrines de de lojas, portas de bancos e ônibus. Lula, em sua personalidade agressiva e ditatorial quer criar mais uma narretiva, segundo a qual, o ato de 25/02 foi teve cunho antidemocrático.
  • GG
    28/02/2024
    Magnitude do ato comprado, né? Até parece que não baixaram os fiéis da Universal de SP ali em troca da liberação do pagamento do dízimo! Kkkkk
  • Levi Sales iacovone
    28/02/2024
    Para de Militância