REDES SOCIAIS

Polícia Civil posta sobre ato de Bolsonaro e curte comentários

A Polícia Civil de São Paulo curtiu elogios pelos trabalhos realizados e também comentários políticos. Entre eles, um 'Fora Lula'.

26/02/2024 | Tempo de leitura: 5 min
da Folhapress

Reprodução/Instagram/@policiacivil_sp

Reações da Polícia Civil de São Paulo em comentários na publicação sobre o ato do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL)
Reações da Polícia Civil de São Paulo em comentários na publicação sobre o ato do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL)

A Polícia Civil do Estado de São Paulo fez uma publicação em seu perfil oficial no Instagram com imagens do trabalho realizado pela corporação durante o ato promovido neste domingo (25) pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Na postagem, a corporação curtiu elogios pelos trabalhos realizados e também comentários políticos. Entre eles, um "Fora Lula".

Reações em perfil oficial da corporação. Uma das publicações curtidas pelo perfil da Polícia Civil foi um comentário "Fora @lulaoficial", mencionando o perfil oficial do presidente Lula (PT) no Instagram. Segundo consulta da reportagem, o comentário foi realizado pelo perfil de um homem ainda no domingo (25), cerca de uma hora após a publicação do vídeo.

"E eu me pergunto... como o outro ganhou as eleições", escreveu uma mulher, referindo-se a Lula. Essa postagem também foi curtida pelo perfil oficial da Polícia Civil de São Paulo.

Polícia Civil também curtiu comentário com a frase "Linda manifestação democrática". Outras reações no perfil da corporação também incluem comentários de bandeiras do Brasil e de Israel, ambas comumente usadas pelos eleitores do ex-presidente. Comentários com as frases "Brasil acima de tudo, Deus acima de todos" e "Deus, pátria, família e liberdade", ditas frequentemente por Bolsonaro, também foram curtidas pelo perfil da Polícia Civil.

Corporação também respondeu comentários com emojis de flor, mãos orando e coração. Algumas das respostas, pelo que visualizou a reportagem, foram em comentários agradecendo pelo trabalho de segurança dos agentes. "Parabéns. Muito obrigada por ter cuidado dos nossos patriotas. [emojis com as bandeiras do Brasil e Israel, além de mãos para o alto]", escreveu uma. "Parabéns, Me senti super segura! Não vi nenhum roubo, depredação", comentou outra.

Internauta fez alerta sobre publicação. Em um dos comentários, um homem apontou a necessidade de ter cuidado com a "imagem da corporação não parecer proselitismo". "A polícia é instituição de estado. Mesmo com um post singelo acaba promovendo 'o culto'", escreveu o internauta. Outro também comentou: "Aí vocês querem que eu leve vocês a sério com essa prova de impessoalidade?".

Ato reuniu cerca de 600 mil pessoas na Paulista, diz SSP. Em nota, a Secretaria da Segurança Pública informou que a manifestação "ocorreu de forma pacífica, sem o registro de incidentes e com a presença de, aproximadamente, 600 mil pessoas na avenida Paulista e 750 mil pessoas no total, quando levado em conta o público presente nas ruas adjacentes".

Levantamento da USP aponta que estimativa de público para o pico do ato, às 15h, foi de 185 mil pessoas. O dado faz parte do Monitor do Debate Político, da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo. Às 17h, após os discursos, a contagem indicou 45 mil participantes. A equipe acompanhou a manifestação, produziu imagens aéreas às 15h e às 17h e contou o público com auxílio de software.

Postagem tinha objetivo de demonstrar atuação da Colícia Civil, diz SSP-SP
SSP-SP esclarece objetivo da publicação em nota. O objetivo único e exclusivo da postagem era "mostrar a atuação operacional da Polícia Civil para garantir a segurança da população ao longo do ato, assim como foi realizado em outros eventos", declarou a Secretaria de Segurança Pública do Estado.

Pasta cita "Operação Carnaval" como exemplo. A SSP-SP relembrou que a divulgação do trabalho em campo pela instituição também foi realizado nas redes sociais desde o pré-Carnaval. "As publicações incluíram tanto o planejamento, como os resultados, por exemplo, quando diversos celulares furtados foram apreendidos e recuperados. Em outras postagens, dicas de segurança foram dadas à população", acrescentou.

"As ações da Polícia Civil são voltadas à segurança pública e as atividades são executadas sem distinção." A SSP-SP ainda acrescentou que para o ato deste domingo (25) foram mobilizadas equipes do GER (Grupo Especial de Reação) do GARRA (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos), helicóptero, drone e policiais do CERCO em campo para monitoramento. Uma unidade móvel da Delegacia de Atendimento ao Turista também esteve nas proximidades para prestar apoio aos presentes no ato.

Bolsonaro defendeu anistia em manifestação
No ato, Bolsonaro negou tentativa de golpe e pediu anistia a envolvidos no 8/1. O ex-presidente optou por falar sobre feitos durante sua gestão e exaltou a adesão de apoiadores ao ato. "Nós sabemos como foi o período de 19 a 22. E estamos vendo como é difícil vencer nesse país com o que nos temos a governar nesse momento". Depois, voltou dizer que nunca esteve envolvido em um plano de golpe de Estado e pediu anistia aos envolvidos no 8 de janeiro.

Ex-presidente disse ser "perseguido" e cita investigação das joias, que apontou tentativa de apropriação de um patrimônio da União. "É joia, importunação de baleia, dinheiro que eu teria mandado para fora do Brasil, é tanta coisa que eles mesmo trabalham contra si", criticou.

Pastor Silas Malafaia fez crítica a Lula. Organizador do evento, Malafaia sugeriu que o Lula sabia das invasões no 8 de janeiro e, ao citar Moraes, disse que não tem "medo de ser preso". Ele também afirmou que "Lula fez o Brasil ser vergonha para o mundo inteiro. A fala de Lula não representa o povo brasileiro". A declaração faz referência ao discurso do presidente no último dia 18, na Etiópia, quando Lula comparou os ataques à Faixa Gaza ao Holocausto, o que gerou críticas do governo israelense.

Em discurso, Tarcísio de Freitas destacou "legado" de Bolsonaro. O governador de São Paulo chegou junto ao ex-presidente na Paulista por volta das 14h40. Em sua fala, afirmou que Bolsonaro "nunca pegou nada para si" e sempre deu o crédito para quem realizava ações durante sua gestão. "Presidente que sempre respeitou Israel", acrescentou.

Michelle Bolsonaro falou na abertura do ato, às 15h, em trio na altura do Masp (Museu de Arte de São Paulo). A ex-primeira-dama se emocionou e chamou o evento de "ato pacífico de civilidade". Ela também agradeceu a presença de Tarcísio de Freitas: "Abriu as portas da casa dele para nós", afirmou. Depois, fez uma oração.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.