CARNAVAL

Olodum completa 45 anos e vai às ruas como símbolo da luta contra o racismo

O Olodum desfila este ano com o tema 'Wodaabe: O Povo do Sorriso - Uma História de Beleza e Diversidade'.

Por João Pedro Pitombo | 10/02/2024 | Tempo de leitura: 2 min
da Folhapress

Reprodução/Agência Brasil

Em 2024, pela primeira vez em muitos anos, o Olodum conseguiu um patrocínio privado em uma parceria com uma grande rede de supermercados.
Em 2024, pela primeira vez em muitos anos, o Olodum conseguiu um patrocínio privado em uma parceria com uma grande rede de supermercados.

As cores verde, vermelho, amarelo e preto, que simbolizam o pan-africanismo, tomaram as ruas do Pelourinho na tarde desta sexta-feira (9). Um dos mais tradicionais blocos afro de Salvador, o Olodum fez seu primeiro desfile neste Carnaval celebrando 45 anos de sua fundação.

Leia também: Ferramenta possibilita denunciar assédio nos blocos ao balançar celular

A concentração para a saída do Olodum começou por volta das 15h em frente à sede do bloco, no Pelourinho. A apresentação reuniu milhares de foliões, incluindo turistas, que foram conferir a batida do samba-reggae, uma das células da música de Carnaval da Bahia.

O Olodum desfila este ano com o tema "Wodaabe: O Povo do Sorriso - Uma História de Beleza e Diversidade" falando de nômades africanos têm como tradição o protagonismo feminino.

Presidente da Fundação Palmares e um dos fundadores do Olodum, João Jorge Rodrigues celebrou o primeiro dia de Carnaval e lembrou o marco dos 50 anos dos blocos afro na Bahia, a partir da fundação do Ilê Aiyê em 1974.

"Estamos vivendo um momento especial pela comemoração de instituições que sobreviveram ao tempo. A luta contra o racismo na Bahia ganhou símbolos poderosos da cultura da resistência. Isso é um exemplo para todo o Brasil", afirmou João Jorge.

Ele afirmou que ainda há muito avançar no enfrentamento ao racismo estrutural e institucional, mas destacou conquistas deste último meio século a partir da luta de homens e mulheres engajados na causa da igualdade racial: "Não acabou com o racismo, mas já é outro mundo".

Em 2024, pela primeira vez em muitos anos, o Olodum conseguiu um patrocínio privado em uma parceria com uma grande rede de supermercados. O bloco também recebe recursos da Prefeitura de Salvador e do governo do estado.

Nesta sexta, nas ruas do Pelourinho, o Olodum cantou alguns de seus maiores sucessos, acompanhado por sua percussão. Músicos da banda faziam acrobacias com tambores e baquetas.

A apresentação foi acompanhada por artistas, representantes do setor cultural e autoridades, incluindo o governador Jerônimo Rodrigues (PT).

Ele celebrou os 45 anos do bloco e destacou a importância de dinamizar a vida no Pelourinho, cujo conjunto arquitetônico é considerado patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco. "Festa e cultura é importante, mas precisamos olhar para as pessoas que moram aqui", afirmou.

O bloco volta à avenida no domingo (11), no circuito Barra-Ondina, e faz novo desfile na terça-feira (13), no circuito do Campo Grande.

Neste ano, a banda tem de volta o cantor Narcizinho, que retorna depois de três anos e se junta a Lucas di Fiori e Lazinho.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal SAMPI e se comprometem a respeitar o código de Conduta On-line do SAMPI.