DESPEDIDA

'Dor insuportável', diz esposa do alpinista Rodrigo Raineri

Por Leonardo Vieira | Especial para a Sampi Campinas
| Tempo de leitura: 2 min
Arquivo Pessoal
Rodrigo Raineri também era escritor
Rodrigo Raineri também era escritor

O corpo do alpinista e empresário Rodrigo Chaddad Raineri foi velado nesta quinta-feira, 11, das 8h às 14h, no Ginásio da Faculdade de Educação Física da Unicamp, em Campinas. O velório foi aberto ao público e após a cerimônia, o corpo foi transportado para Ibitinga, no interior de São Paulo, onde será sepultado.

Clique aqui para fazer parte da comunidade do Todo Dia Campinas no WhatsApp e receber notícias em primeira mão.

Rodrigo Raineri, de 55 anos, sofreu um acidente com parapente na última quinta-feira, 4 de julho, próximo ao acampamento do K2, a segunda montanha mais alta do mundo, localizada no norte do Paquistão. Após quase uma semana, a família conseguiu trazer o corpo de Rodrigo para o Brasil. 

“A dor é insuportável. Eu só queria acordar desse pesadelo e ver ele aqui, daquele jeito dele feliz, calmo, paciente. Eu vou fazer o possível para que a chama dele nunca se apague. Foram cinco anos com o Rodrigo, foram os mais intensos da minha vida. São cinco anos que parecem vinte. Ele tá dentro de mim e nunca vai morrer”, afirma Talita Camargo, esposa de Raineri. 

Nascido em Ibitinga, ele se transferiu para Campinas em 1980, onde cursou Engenharia da Computação na Unicamp. Foi na universidade que Raineri conheceu o grupo que o introduziu ao alpinismo. 

Raineri foi o primeiro alpinista brasileiro a escalar e alcançar o cume do Monte Everest três vezes, a 8.848 metros de altitude. Suas expedições resultaram no lançamento dos livros "No Teto do Mundo", co-narrado com Diego Schelp, e "Imagens do Teto do Mundo", que relatam suas aventuras e dificuldades.

Em 2016, Raineri foi escolhido para conduzir a tocha olímpica quando ela passou por Campinas. Em 2019, ele desenvolveu o Projeto Escalada em parceria com a Prefeitura Municipal de Campinas, alcançando crianças de diversas regiões da cidade.

“Um legado de uma vida onde ele dizia: eu tenho medo de não viver a vida. São sempre as boas lembranças. O sorriso dele que fica. Tenho certeza que em outro plano ele está sorrindo com este novo voo. Um cara especial que ajudava as pessoas a conhecerem a montanha, sempre com muita segurança. Auxiliava quem ele podia. Um ser humano incrível”, destacou o amigo Carlos Eduardo Mazzuco. 

De acordo com a assessoria do atleta, Rodrigo Raineri era considerado um escalador completo e estava entre os alpinistas mais técnicos do Brasil, com experiência de mais de 30 anos e atuação em rocha, gelo e alta montanha. Rodrigo morava em Sao Pedro e deixa esposa e um filho de 22 anos.

Comentários

Comentários