CÂMARA

Vereadores decidem nesta 2ª se arquivam CP contra Paolla Miguel

Por Higor Goulart | Especial para a Sampi Campinas
| Tempo de leitura: 1 min
Divulgação/CMC
Paolla Miguel é alvo de Comissão Processante na Câmara de Campinas
Paolla Miguel é alvo de Comissão Processante na Câmara de Campinas

Os vereadores de Campinas votam nesta segunda-feira, 27, a sequência da CP (Comissão Processante) contra a vereadora Paolla Miguel (PT). O relator da comissão, o parlamentar Gustavo Petta (PCdoB) sugeriu o arquivamento. No entanto, se a por assim decidir, o processo pode continuar.

Clique aqui para fazer parte da comunidade do Portal Sampi Campinas no WhatsApp e receber notícias em primeira mão.

Paolla é acusada por ter cedido verba, através de emenda impositiva, para uma festa LGBTQIAPN+ realizada em uma praça pública em Barão Geraldo, na qual ocorreram performances de nudez e conotação sexual.

A denúncia, feita pelo vereador Nelson Hossri (PSD), afirmou que a parlamentar deveria ter o mandato cassado ao ter destinado Emenda Impositiva para realização da “Festa da Bicuda”.

A vereadora – que esteve presente no evento – alegou por sua vez que, ao destinar a emenda impositiva, não tinha conhecimento prévio do conteúdo do show. A festa acontece desde 2018 no município e conta com o aval da Secretaria de Cultura.

Diante das apurações iniciais da CP, o relator Gustavo Petta entendeu que não há motivos, após a entrega da defesa da vereadora, para continuar com os ritos.

"Diante dos documentos e provas trazidas aos autos, o evento 'Festa da Bicuda' é um evento de natureza particular, não tendo gestão pública sequer da vereadora denunciada na organização da festa, contratação de pessoas, curadoria do evento. Ademais conforme documento trazido na denúncia, sequer houve contratação de cache", diz parte do relatório

Caso o plenário da Câmara determine que a CP deva continuar, os integrantes terão até julho para apurar a acusação e apresentar um relatório que será votado em Plenário, indicando ou não a cassação da parlamentar em virtude do apurado. Caso seja proposta a cassação, para que ela ocorra será necessário que pelo menos 2/3 dos 33 vereadores votem favoráveis a ela.

Comentários

Comentários