TECIDOS

Santa Casa pede doações para produção de enxovais dos leitos

Por Maryla Buzati | da Redação
| Tempo de leitura: 3 min
Divulgação
A Oficina de Costura foi criada na pandemia
A Oficina de Costura foi criada na pandemia

A Santa Casa de Araçatuba está recebendo doações de tecidos ou dinheiro para a Oficina de Costura, que produz lençóis e outras peças para o hospital. O projeto foi criado em 2021, para suprir a necessidade de se ter muitas peças e ainda economizar.

A Oficina de Costura da Santa Casa foi criada em 2021 como solução emergencial para garantir rapidamente a reposição de enxovais na primeira onda da pandemia do coronavírus e conseguiu cumprir as tarefas de consertar vestimentas das equipes que atuam na assistência aos pacientes, principalmente dos lençóis.

Essas peças desgastam mais rápido em relação às de uso doméstico, porque na higienização precisam passar processos intensos de esterilização. Como nem todos esses lençóis desgastados podem ser reaproveitados, a Oficina desenvolveu moldagem própria e passou a produzi-los com os tecidos que chegavam como doação da comunidade, para ajudar o hospital a manter um estoque mínimo de 1.000 jogos de lençóis, quantidade necessária à três trocas diárias nos leitos.

Decorridos três anos, a Oficina de Costura se consolidou e hoje recupera mensalmente em torno de 2 mil peças dentre uniformes, campos cirúrgicos, aventais, camisolas e lençóis.

O trabalho também ajuda a instituição economizar mais de 40% com as despesas necessárias à manutenção do estoque de lençóis, que são necessários para as trocas dos 330 leitos de internação e à dinâmica diária de serviços especializados como o Hospital do Rim, o Centro de Tratamento Oncológico, a Central de Radioterapia e Serviço de Endoscopia.

Antes da criação da oficina, os lençóis utilizados no hospital eram comprados no mercado especializado. Pela tabela atual, um jogo contendo um lençol de baixo e um de cima confeccionados em brim branco leve, sem personalização, custa em torno de R$ 120.

Com a modelagem desenvolvida internamente, as costureiras conseguem fazer 200 jogos de lençóis para cada mil metros de tecido, que tem sido encontrado a R$ 16 o metro. O valor final do enxoval produzido internamente é de R$ 80,00, ou seja, economiza cerca de 40%.  Considerando que os jogos já saem com a logomarca do hospital, timbragem realizada por sik screen por uma colaboradora da Rouparia, a economia será ainda maior.

As costureiras da oficina precisam de menos de 10 dias para costurar 200 jogos de lençóis. E com avanços para evitar desperdícios, pedaços de tecidos descartados na etapa de corte de novos lençóis são transformados em campos cirúrgicos (espécie de lençol usado para criar campo estéril durante procedimentos cirúrgicos), aventais e camisolas para pacientes.

Devido à grande demanda que a Santa Casa de Araçatuba recebe por ser o único hospital SUS (Sistema Único de Saúde) de média complexidade para quatro cidade e alta complexidade para 40 municípios, a Oficina de Costura tem sido fundamental para conserto e produção da rouparia necessária aos atendimentos diários.

Déficit de lençóis

De acordo com a assessoria da Santa Casa, com o aumento diário da quantidade de pacientes atendidos em todo o complexo hospitalar, a demanda por lençóis para atender todos os setores exige atualmente um estoque em torno de 1.200 jogos. No entanto, com sérios problemas financeiros, o hospital não tem conseguido atender essa necessidade.

Em junho, o déficit chegou a 600 jogos de lençóis. Uma campanha emergencial resultou na doação de 1000 metros de tecidos por um empresário. As colaboradas da Rouparia da Santa Casa transformaram o tecido em 200 novos jogos de lençóis para cobrir, principalmente, os setores de internação.

Enquanto isso, a Santa Casa está aceitando doações de tecidos ou dinheiro para a Oficina de Costura. Pessoas, empresas e instituições podem contribuir entrando em contato com o setor de Captação de Recursos, por meio do whatsapp (18) 3607- 3292.

Fale com o Folha da Região!
Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção?
Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Comentários

Comentários