ESTELIONATO VIRTUAL

Gata some em Araçatuba e tutora é vítima de tentativa de golpe

Por Priscilla Andrade | da Redação
| Tempo de leitura: 7 min
Reprodução
Foto da gatinha Mia, da jornalista araçatubense Maryla Danuta Buzati Kasia: tutora está à sua procura
Foto da gatinha Mia, da jornalista araçatubense Maryla Danuta Buzati Kasia: tutora está à sua procura

A jornalista Maryla Danuta Buzati Kasia, 28 anos, de Araçatuba, passou por um misto de sentimentos na manhã desta segunda-feira, 3. Isso porque desde a semana passada tem feito uma via-crúcis para encontrar sua gatinha, a Mia, de 6 anos, que desapareceu no bairro Dona Amélia.

Como toda tutora apegada, ela tentou a busca a pé pelo bairro, e no dia seguinte ao sumiço, postou o desaparecimento do animal nas redes sociais na esperança de que alguém o encontrasse. E um contato foi feito, e do mesmo jeito que acendeu a esperança pela gata perdida, foi um balde de água fria: era, na verdade, uma tentativa de golpe.

“Encontramos sua gata”, dizia golpista

"Ela nunca sai de casa e é medrosa. Então deve estar escondida em algum lugar", diz o apelo feito pela tutora em rede social. "Se alguém ver, por favor, me avisa".

Sim, alguém "viu", ou tentou dar um golpe de que estava com a gatinha. A conversa foi breve e em tom agressivo. Maryla conta que por volta das 8h30 da segunda-feira, alguém utilizando um número com DDD de Pernambuco entrou em contato por WhatsApp com a notícia que ela estava esperando: “Encontramos sua gata” dizia a mensagem, acompanhada com uma informação adicional: “Eu gastei mais de R$ 300, mas não vou cobrar pelo o que gastei”. A mensagem continua com uma logística duvidosa de como a gata Mia teria sido suspostamente encontrada:

“A mulher que falou comigo disse que minha gata foi encontrada machucada e que no estado em que ela estava, a suposta mulher a levou para Presidente Prudente, ou seja, ela disse que encontrou a minha gata em Araçatuba e levou para uma outra cidade que fica a 164 km daqui, mesmo tendo meu contato que está na publicação, e o mais estranho, é que a mulher que falava comigo disse ainda que estava levando minha gata para Pernambuco e queria meu endereço para mandar o filho dela entregar, não fazia sentindo algum”, pondera a tutora.

A história fica ainda mais difícil de digerir quando a dona do bichinho questiona a mulher, e pede uma foto ou algo que prove que a gata seria a Mia desaparecida. Nesse momento a conversa muda de tom e quem assume o áudio é um homem que se apresenta como “promotor de justiça da Primeira Vara de Execuções Penais de Marília”. Em tom de ameaça, ele diz “que a mulher dele não tem paciência e ele pior ainda” e exige que a tutora envie um endereço, mas termina o áudio confuso afirmando que levaria a gata para Pernambuco. A jornalista entra em desespero, e acaba enviando o próprio endereço, e a conversa é então encerrada porque o número desconhecido bloqueou a jornalista.

“Eu fiquei muito assustada com a conversa toda que durou poucos minutos. Até o momento eu não sei com quem estava falando e não entendo o que a pessoa ganharia usando a minha dor para se beneficiar de alguma forma. É assustador ver a evolução desse tipo de golpe” se queixa Maryla.

Golpes como o que os criminosos tentaram aplicar em Maryla entram na categoria do estelionato eletrônico. No caso apurado pela reportagem, nenhuma exigência de transferências bancárias chegou a ser feita.

Inteligência Artificial (IA) é utilizada em golpes

Especialistas ouvidos pela reportagem acreditam que criminosos utilizam Inteligência Artificial (IA) para criar um “clone da voz” e tentar aplicar golpes. Esses conteúdos são produzidos em softwares que usam IA para recriar a voz de pessoas, trocar o rosto e sincronizar movimentos labiais e expressões.

No caso específico que ocorreu com a moradora de Araçatuba, duas vozes foram utilizadas em uma conta de WhatsApp criada para enganar vítimas. A reportagem descobriu que não apenas os áudios eram estranhos e duvidosos, mas outros elementos fakes:

O número de telefone
Com o DDD 81 de Pernambuco, o mesmo número reunia outros registros de reclamações de pessoas nas redes sociais, usuários que acusavam o número de entrar em contato com tutores que procuravam por seus animais perdidos dizendo que havia encontrado os animais mas que sumiam assim que pediam o endereço. As ocorrências são de março deste ano.

A foto da conta no WhatsApp
Outro elemento que a reportagem apurou foi a foto utilizada na conta. Três pessoas aparecem na imagem: dois homens e uma mulher em uma solenidade. A reportagem descobriu que a imagem é real. O Ministério Público do Rio de Janeiro confirmou que se trata de membros da casa. Procurados pela reportagem a assessoria de comunicação se limitou a dizer que a imagem pode ter sido usada indevidamente. “A foto (usada na conta) é de membros da casa. Ela é publicada em notícia em nosso portal, e de lá pode ter sido retirada e utilizada, indevidamente” diz a nota.

Promotor da 1ª Vara de Execuções Penais

É falsa também a informação contida no áudio de que se trata de um promotor da 1ª Vara de Execuções Penais de Marília. A reportagem conversou com funcionários da comarca de Marília, Centro-Oeste Paulista. Por telefone um porta-voz confirmou que não constava nenhum número com DDD 81 junto aos promotores.

A Folha da Região/Sampi também conversou com o golpista que não atendeu às ligações e tentava forçar uma conversa por texto e áudio, chegando a enviar áudios com uma voz de mulher e na sequência a de um homem se apresentando como “marido”. Assim que a reportagem se identificou, a conta que se apresenta como “promotoria” bloqueou a contato da reportagem.

Estelionatos por meio eletrônico aumentaram
De acordo com dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2023, no ano passado foram registrados 200.322 casos de estelionato por meio eletrônico, número 65%% maior do que o registrado em 2021, quando 120.470 casos entraram para os registros.

A pesquisa também elencou os Estados com mais casos desse tipo de golpe, entre eles estão: Santa Catarina (64.230), Minas Gerais (35.749), Distrito Federal (15.580) e Espírito Santo (15.277). Ainda seguindo os dados do anuário, os Estados da Bahia, Ceará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo não forneceram os dados até a conclusão do levantamento.

Para o professor de Direito, PHD e membro pesquisador do centro para inteligência artificial da USP, Leonardo David Quintiliano, com o avanço da tecnologia e da IA, é cada vez mais comum surgirem softwares que tem conseguido reproduzir não só a  voz de uma pessoa mas também a imagem dela, criando frases completas e imitando até os trejeitos da pessoa.

“Nesse caso, existe uma grande probabilidade de ser IA, primeiro pela forma como esses áudios tem uma sequência, uma cadência na fala. O fato é, que é muito difícil para o ouvido humano, a não ser que seja muito treinado, captar eventuais diferenças entre uma voz produzida por IA e uma voz humana. Mas analisando ainda sobre este caso, o que me diria que se trata de uma voz artificial, é mais o contexto, adicionando os sinais enviesados como: as entonações, que são diferentes. No caso desses áudios, há uma entonação praticamente sequencial. Um ser humano quando fala apresenta certos deslizes, um robô, mesmo imitando, não, ele é preciso” explica o também especialista em Direito Digital.

Dicas para se proteger de golpes que usam IA

Distinguir se um conteúdo é verdadeiro ou criado pela tecnologia é um desafio, até para o ouvido mais treinado. Mas há algumas dicas que podem proteger contra esses golpes. Leonardo ensina que é preciso ter consciência que esse tipo de golpe existe.

  • Faça Videos chamadas por telefone e de preferência por vídeo
  • Peça para enviar a localização atual
  • Jamais informe códigos enviados por SMS, e-mail, WhatsApp ou redes sociais
  • Desligue se houver ameaças, insistência, alteração do tom de voz ou escrita, chantagens
  • Peça ajuda de algum amigo ou parente antes de qualquer decisão

Outra etapa que o especialista considera importante é comunicar as autoridades policiais. O registro de boletim de ocorrência ajuda a polícia a rastrear golpistas e a ter uma dimensão sobre o número de casos.

“A vítima também deve comunicar o WhatsApp ou a rede social usada pelo golpista, que deverá promover seu bloqueio o quanto antes, sob pena de ser responsabilizada”, aconselha.

Quem encontrar a gatinha da Maryla

Postagem em rede social com apelo para localizar Mia
Postagem em rede social com apelo para localizar Mia

Fale com o Folha da Região!
Tem alguma sugestão de pauta ou quer apontar uma correção?
Clique aqui e fale com nossos repórteres.

Comentários

1 Comentários

  • Tati 06/06/2024
    Vi uma reportagem que aconteceu algo parecido sobre um cãozinho perdido em Brasília... https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2024/06/6871840-cachorro-desaparecido-e-encontrado-pela-policia-apos-pedido-de-resgate.html